Soja: Apesar das chuvas excessivas, produtores de Ponta Porã (MS) finalizam plantio da safra 2018/19

Publicado em 05/11/2018 10:55 e atualizado em 05/11/2018 15:26
730 exibições
Mesmo com o clima chuvoso, agricultores conseguiram aproveitar melhor janela de cultivo na região. Em média, produtores colhem entre 55 a 60 sacas de soja por hectare em Ponta Porã (MS). Alguns contratos antecipados foram realizados nesta temporada e saca da soja disponível é negociada a R$ 70,00 na localidade.
João Pedro Roma - Técnico Agrícola de Ponta Porã/MS

Podcast

Entrevista com João Pedro Roma - Técnico Agrícola de Ponta Porã/MS sobre o Acompanhamento de Safra da Soja

Download

LOGO nalogo

Na região de Ponta Porã/MS, os produtores rurais conseguiram finalizar o plantio da safra 2018/19 da soja apesar do excesso de chuvas. Até o momento, nenhuma propriedade na localidade precisou fazer o replantio.

De acordo com o técnico agrícola, João Pedro Roma, muitos agricultores aproveitaram para adiantar o plantio nos intervalos das precipitações e plantar dentro da melhor janela. “Com o auxílio das tecnologias e equipamentos é possível fazer um cultivo rápido e ainda estamos dentro do prazo do plantio”, afirma.

Em áreas de solo argiloso, as chuvas expressivas acabaram comprometendo a germinação das sementes da oleaginosa. “As sementes de soja não conseguiam nascer e acabou afetando a questão de população por hectare, mas prejudicar na produtividade apenas no stand”, comenta.

Para esta temporada, a estimativa é que a produtividade média fique em torno de 55 a 60 sacas de soja por hectare. Com relação à entrega dos insumos, o técnico destaca que foram casos pontuais de atrasos na entrega dos fertilizantes. “Não chegou a afetar o início do plantio e nenhum produtor ficou sem cultivar por falta de insumos”, diz.

Atualmente, as referências para a soja disponível na região esão próximas de R$ 70,00 a saca. “Tem muito pouco grão disponível para negociar aqui no município, pois os agricultores estão especulando os contratos futuros”, completa.

Por: Fernanda Custódio e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário