Após adversidades, safra de soja de Goiás pode passar por segundo veranico

Publicado em 25/01/2019 08:16 e atualizado em 27/01/2019 12:01
4113 exibições
Entrevista com Paulo Roberto Buffon - Presidente do Gapes
Paulo Roberto Buffon - Presidente do Gapes

LOGO nalogo

Em Goiás, os produtores não estavam acostumados com o veranico em dezembro. Mas a safra 2018/19, além de trazer esse fenômeno, também trouxe um segundo veranico em janeiro.

O Gapes, um grupo de apoio de pesquisadores para produtores do sudoeste goiano, que possui uma área experimental de 120 mil hectares de soja e 80 mil hectares de milho, trabalha com algumas recomendações para que este momento possa ser enfrentado com maior tranquilidade.

Paulo Roberto Buffon, presidente do Gapes, ressalta que os produtores precisam de subsídios maiores para enfrentar as diversidades, sejam elas pragas, doenças ou mudanças climáticas.

Segundo ele, Goiás teve uma safra irregular, com início perfeito em outubro, novembro com muitas chuvas e céu encoberto, prejudicando o enraizamento e o veranico em dezembro, quando as plantas estavam em pleno estágio reprodutivo. Como as chuvas também não foram regulares, há produtores que não sofreram tanto e outros que estão há 20 dias sem chuvas.

Ele avalia que, nos materiais precoces, a quebra foi de 5% a 10%. Para os ciclos médios para tardios, ainda é uma incógnita - apenas no início de fevereiro será possível ter uma opinião mais concreta, mas Buffon acredita que o estado tenha uma quebra de 10%.

O Gapes prega, portanto, que as áreas tragam um mix de soluções. "Não pode escolher apenas um fator. Tem que incorporar no seu trabalho todas as lacunas para melhorar o processo produtivo", diz Buffon.

Veja fotos:

Safra de soja de Goiás - Paulo Buffon Safra de soja de Goiás - Paulo Buffon Safra de soja de Goiás - Paulo BuffonSafra de soja de Goiás - Paulo Buffon Safra de soja de Goiás - Paulo Buffon Safra de soja de Goiás - Paulo BuffonSafra de soja de Goiás - Paulo Buffon Safra de soja de Goiás - Paulo Buffon

No vídeo a seguir, o relato de um produtor mostra lavouras de soja sem chuvas significativas desde o último dia 30 de dezembro, na cidade de Paraúna, Goiás. Veja:

E veja também:

>> "Não tenham pressa em vender", aconselha o consultor Ênio Fernandes

>> Testes em fazendas de Goiás comprovam que sojas de ciclo médio tiveram melhores resultados em ano de pouca chuva no estado

>> Ano de clima irregular e estiagem de vinte dias geram incertezas sobre produtividade da soja no sudoeste goiano

>> No Sudoeste Goiano, perdas na soja podem chegar a até 10%; região está sem chuvas. Veja o relato de João Batista Olivi

Por: João Batista Olivi e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

3 comentários

  • Sebastiao Luiz de Castro -

    http://goiasnews.com.br/noticia/regiao/2019/03/27/novas-visitas-do-soja-plus-em-goiaas-investem-na-gestaao-de-propriedades/318.html

    0
  • Anderson Baumgratz Sobradinho - DF

    Segundo? Me diga quando o primeiro acabou mesmo. Pois aqui emendou.

    0
  • elcio sakai vianópolis - GO

    Equipe do Notícias Agrícolas, vocês poderiam vir pra região central de Goiás e entorno de Brasília, aqui a situação das lavouras estão bem piores do que o sudoeste goiano, pegue o avião e desembarquem em Brasília e visite a região do pad-f e entorno de Brasília. Esta região agrícola é menor que o sudoeste goiano, porém é bem significativo pro estado de Goiás. Aqui as perdas são bem maiores que 20%.

    0
    • TIAGO GOMESGOIÂNIA - GO

      É verdade... se comparado às outras regiões, no sudoeste goiano a coisa vai relativamente bem.

      1
    • ELISEU JUNIOR CORREIA -

      o SUDESTE realmente é diferente.

      2
    • WALDEMAR PETRONILIO DE JESUS JUNIORCRISTALINA - GO

      Aqui em cristalina GO também a situação é bem dramática... já são mais de 25 dias sem chuva , lavoura está prejudicada e terá uma quebra bem expressiva.

      2