Marechal Cândido Rondon/PR produz 16/20 sacas por hectare contra 61/66 de anos anteriores

Publicado em 30/01/2019 14:20 e atualizado em 30/01/2019 15:44
2214 exibições
Queda na produtividade é consequência da falta de chuvas na região entre o final de novembro e início de janeiro. Com 95% das lavouras de soja já colhidas, plantio de milho avança para 95% do total da área esperada e falta de chuvas já preocupa produtores também nesta segunda safra.
Valdemar Eduardo Kaiser - Presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon - PR

Podcast

Entrevista com Valdemar Eduardo Kaiser - Presi. Sind. Rural de Marechal Cândido Rondo sobre o Acompanhamento de Safra da Soja

Download

LOGO nalogo

A cidade de Marechal Cândido Rondon/PR sofreu muito com a falta de chuvas durante o desenvolvimento da safra de soja 2018/19. Entre o dia 25 de novembro e o início de janeiro praticamente não choveu na região. Com isso, a produtividade média apresentou uma grande queda.

“Em torno de 95% da soja já foi colhido por motivo da seca que tivemos no mês de dezembro e o calor muito intenso que fez a soja praticamente morrer antecipadamente. A média fica em 40/50 sacas por alqueire (aproximadamente 16/20 sacas por hectare) e nos anos anteriores tínhamos uma média de 150 a 160 sacas (aproximadamente 61/66 por hectare)”, diz Valdemar Eduardo Kaiser, presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon/PR.

Com a colheita praticamente encerrada no município, os trabalhos do plantio da safrinha de milho também seguem bastante avançados, restando apenas mais 5% da área total para ser plantada. O clima também é uma preocupação para os produtores locais, já que as chuvas continuam sendo insuficientes.

O presidente do Sindicato Rural também destaca a dificuldade do produtor para fechar a conta com a produtividade mais baixa e os preços apresentados pelo mercado não tão atrativos até o momento. “Aconselhamos ao produtor cuidar bem da sua lavoura, procurar não descuidar de nada e tentar fazer uma venda melhor possível para com isso reverter um pouquinho as despesas dele e tentar salvar alguma coisa”.

Confira a entrevista completa no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Rudinei Luis Erpen Lagoão - RS

    O Rio Grande do Sul, após registrar perdas pelo excesso de chuvas, começa agora a se preocupar com a falta de umidade..., estamos a 11 dias sem chuva, e as plantas acostumadas a umidade começam a perder folhas das partes inferiores das plantas e a abortar flores e canivetes. A cada dia que passa sem chuva as perdas se tornam mais significativas

    1
    • MARIO AFONSO KLEINPASSO FUNDO - RS

      Para aumentar a preocupação, o noroeste do Estado do RS tem previsão de poucas chuvas para a primeira quinzena de fevereiro. Estamos torcendo para que a previsão não se confirme.

      2
  • Luiz Alfredo Viganó Marmeleiro - PR

    Plantando milho no seco esperando uma chuva que talvez não venha (ou de baixo volume) é mais um risco alto que o produtor assume numa "safrinha" cheia de incertezas.

    0
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Nós do Oeste do PR também na mesma condição... e com um agravante, que tem sido as altas temperaturas em cima dos milhos germinados . Está difícil este início de Segunda Safra.

      2