Rio Verde/GO já tem cerca de 80% da soja colhida e queda na produtividade gira em torno de 12/15%

Publicado em 18/02/2019 10:56 e atualizado em 18/02/2019 14:24
510 exibições
Veranicos de dezembro e janeiro prejudicaram o melhor desenvolvimento da safra 2018/19. Milho safrinha já está 70% plantado e, após falta de chuvas de janeiro e infestação de lagartas, clima se regularizou e expectativa de produtividade é boa.
José Roberto Brucceli - Diretor do Sindicato Rural de Rio Verde - GO

Podcast

Entrevista comJosé Roberto Brucceli - Diretor do Sindicato Rural de Rio Verde - GO sobre o Acompanhamento Safra de Soja e Milho

Download

LOGO nalogo

Após realizar o plantio da safra 2018/19 de soja de maneira bem antecipada, o município de Rio Verde no estado de Goiás já registra 80% do total da área colhida e deve encerrar essa atividade ainda nessa semana. Até aqui, os agricultores registram queda de 12 a 15% na produtividade que gira em torno de 58/60 sacas por hectare.

“Tivemos na soja precoce, no mês de dezembro, um veranico e na soja de ciclo médio tivemos outro veranico em janeiro, coisa rara de acontecer na região Sudoeste de Goiás. Isso gerou uma queda na produtividade. São problemas pontuais, algumas fazendas ganharam uma chuva a mais e quebraram menos, em algumas fazenda não aconteceu essa chuva, então a média de quebra em Goiás deve ficar de 15 a 20%”, diz José Roberto Brucceli, diretor do Sindicato Rural de Rio Verde/GO.

Esse adiantamento da soja se reflete também no milho safrinha, que já está com 70% do total da área plantada e gera boas perspectivas de produtividade para o produtor de Rio Verde. “Nunca tivemos uma janela tão boa para a safrinha, mas os primeiros produtores que plantaram no fim de janeiro já pegaram um veranico no início do nascimento desse milho e tivemos um problema sério no controle de lagartas do cartucho. Isso foi controlado com as chuvas que se regularizaram, hoje as chuvas estão normais para a época do ano e nós estamos com o milho safrinha muito bonito”, conta Brucceli.

Confira a íntegra da entrevista no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário