Assis Chateaubriand/PR já replantou 30% das áreas de soja e perda de produtividade já é certa

Publicado em 25/10/2019 11:02
2474 exibições
Novas áreas podem precisar de replantio devido a permanência da estiagem e prejuízos vão se entender até a próxima safrinha de milho de 2020, que já vê sua janela de cultivo se fechando, empurrada para depois do dia 25 de fevereiro.
Valdemar Melato - Pres. Sind. Rural de Assis Chateaubriand (PR)

Podcast

Assis Chateaubriand/PR já replantou 30% da áreas de soja e perda de produtividade já é certa

Download

LOGO nalogo

Os produtores de Assis Chateaubriand no Paraná já semearam 95% da área destinada à safra de soja 2019/20. Apesar deste avanço, cerca de 30% dessas lavouras já precisaram ser replantadas e novos trabalhos neste sentido não são descartados, uma vez que a chuva segue menor do que o necessário na região.

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Assis Chateaubriand/PR, Valdemar Melato, a situação no município é desesperadora, uma que todas as precipitações registradas até o momento foram menores do que o esperado e não existe previsão de boas chuvas para os próximos dias.

Nenhuma área do município registrou boas germinações para a soja já plantada e as perdas podem ser ainda maiores, uma vez que a boa janela de cultivo para a oleaginosa está se encerrando, e a estimativa já aponta 30% de perda na produtividade.

Outra preocupação fica por conta da segunda safra de milho em 2020 que, de acordo com Melato, já tem a sua semeadura jogada para depois do dia 25 de fevereiro, o final da janela ideal de cultivo. Para o cereal, a estimativa de perda já é de até 40% do que poderia ser com o plantio ainda em janeiro.

Diante deste cenário, a recomendação da liderança é que o produtor não realize novas vendas futuras, nem mesmo com os patamares de preços em até R$ 80,00 a saca. Isso porque, não possível garantir que vai haver produção suficiente para honrar estes compromissos.

Veja a íntegra da entrevista com o presidente do Sindicato Rural de Assis Chateaubriand/PR no vídeo.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário