Quebra da safra americana deixa mercado da soja mais sensível à possíveis problemas climáticos na América do Sul

Publicado em 31/10/2019 16:39 e atualizado em 31/10/2019 17:52
2894 exibições
Produtor deve ficar atento às oportunidades de mercado com agravamento de riscos para a oferta de soja
Camilo Motter - Granoeste Corretora de Cereais

Podcast

Entrevista com Camilo Motter - Granoeste Corretora de Cereais sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

O mercado da soja fechou esta quinta-feira (31) com leves altas, entre 0,5 a 1,75 ponto positivo. Para Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais, as principais variáveis continuam girando em torno da peste suína africana, da guerra comercial entre EUA e China e das variações climáticas.

Relatos de que a PSA esteja se alastrando são constantes, o que poderá acarretar em menor demanda por milho e soja. Só a China já abateu cerca de 40% do plantel de suínos do país, uma perda considerável, já que o país é o maior produtor e consumidor de carne suína do mundo.

As expectativas de um acordo comercial entre EUA e China esfriaram, ainda mais depois que o Chile cancelou o COP25, Conferência Mundial que debateria mudanças climáticas e preservação ambiental, além do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), oportunidade em que os presidentes Donald Trump e Xi Jinping iriam se encontrar para uma possível assinatura da "Fase 1" de um acordo entre os dois países.

Nas questões climáticas, a preocupação do mercado deixa de ser os Estados Unidos e começa a se voltar para a América do Sul. Enquanto a colheita nos EUA continua avançando, o plantio sulamericano passa por atrasos. Apesar do risco ainda não ser contabilizado pelo mercado, uma possível redução na safra faria os preços da soja voltarem a subir.

Por: Aleksander Horta e Ericson Cunha
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário