Soja: Após USDA sem novidades pressionando Chicago, tweet de Trump desautoriza redução de tarifas para China

Publicado em 08/11/2019 16:35 e atualizado em 09/11/2019 06:01
2388 exibições
Cenário com China e EUA sem acordo e Argentina segurando grão por alta nas retenciones pode beneficiar produtor brasileiro em 2020
Carlos Cogo - Sócio-Diretor de Consultoria da Cogo Inteligência em Agronegócio

Podcast

Entrevista com Carlos Cogo sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

O mercado da soja encerrou esta sexta-feira (08) em baixa, com quedas entre 4 e 5 pontos. A surpresa do dia foi o relatório do USDA, que manteve suas estimativas para a soja norte-americana praticamente inalteradas no boletim mensal de oferta e demanda divulgado nesta sexta-feira, 8 de novembro. O mercado, porém, esperava uma correção para baixo dos números. Para o milho, os números norte-americanos vieram todos menores. 

>> USDA aumenta estoques de soja dos EUA e do mundo e reduz todos os números do milho

Soja Novembro - USDA

Outro fator é com relação à guerra comercial entre China e Estados Unidos, que hora avança, hora dá sinais de retrocesso. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira a repórteres que não concordou em reverter as tarifas sobre a China, mas que Pequim gostaria que ele fizesse isso.

>> Trump diz que não concordou em reverter tarifas sobre a China

De acordo com Carlos Cogo, da Cogo Inteligência em Agronegócio, quanto mais a situação entre os dois países se estender, melhor para o Brasil, já que com o avanço da safra 19/20 no Brasil, a China pode voltar a atender sua demanda com a soja brasileira.  

Por: Aleksander Horta e Ericson Cunha
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário