HOME VÍDEOS NOTÍCIAS DADOS DA SAFRA METEOROLOGIA FOTOS

Com até 30 dias sem chuvas, Pontão/RS já espera perdas na soja e, principalmente, no milho

Publicado em 09/01/2020 11:14
1912 exibições
Lavouras da soja ainda podem se recuperar caso volte a chover bem daqui para frente, mas áreas de milho já registram perdas de até 80% no município e produtores se preocupam com contratos já firmados
Tiaraju Caraça - Presidente da Associação dos Produtores Rurais de Pontão/RS

Podcast

Com até 30 dias sem chuvas, Pontão/RS já espera perdas na soja e, principalmente, no milho

Download

 

LOGO nalogo

Produtores rurais da região de Pontão/RS esperam por novas chuvas para que as lavouras de soja consigam se recuperar e voltar a desenvolver nos próximos dias. O produtor local tem enfrentado problemas na região desde o ano passado, quando os volumes de chuvas já estavam abaixo do esperado. As chuvas não têm sido expressivas porque os sistemas se formam, mas acabam passando de maneira muito rápida em todo o estado do Rio Grande do Sul. 

Segundo Tiaraju Caraça, presidente da Associação dos Produtores Rurais de Pontão, além dos volumes estarem abaixo do ideal para o desenvolvimento da safra, enfrentam ainda muita irregularidade com a estação chuvosa. "Final de dezembro até agora foi bem estressante até agora por falta de água. Prejudicou bastante o desenvolvimento, esperamos que agora pra frente comece a normalizar as chuvas para conseguir fazer as aplicações", afirma Tiaraju. 

Tiaraju destacou ainda que a falta de chuva também tem influenciado diretamente no mercado. "A gente está vendo que o mercado está meio instável. O bom seria que subisse para suprir um pouco essa falta de produtividade que vai acontecer", afirma. 

Em relação aos contratos, ele destaca que alguns negócios foram fechados, mas que o produtor agora se preocupa se conseguirá cumprir os contratos também para a safra de milho. "Acredito que tudo vai ter uma negociação porque a gente está na lavoura não é só agora, a gente vai seguir produzindo", comenta Tiaraju. 

Veja a entrevista completa no vídeo acima

Por:
Guilherme Dorigatti e Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário