Soja: Comercialização das safras atual e nova do Brasil estão 21% acima da média, aponta Datagro

Publicado em 14/05/2020 17:43 e atualizado em 15/05/2020 06:54 3251 exibições
Flávio França Jr. - Chefe do Setor de Grãos da Datagro Consultoria
Entrevista com Flávio França Jr. - Chefe do Setor de Grãos da Datagro Consultoria sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Podcast

Entrevista com Flávio França Jr. - Chefe do Setor de Grãos da Datagro Consultoria sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

O mercado da soja fechou o pregão desta quinta-feira (14) com pequenas baixas na Bolsa de Chicago. O mercado caminhou de lado durante todo o dia, encerrando os negócios com recuos de 0,75 a 2,50 pontos, levando o julho a US$ 8,37 e o agosto a US$ 8,39 por bushel. 

No Brasil, por outro lado, os preços permanecem muito fortes, motivados não só pelo dólar alto - que fechou esta quinta com mais de R$ 5,80, depois de bater em R$ 5,97 durante a sessão - mas também por prêmios bastante sólidos para a soja nacional, como explicou o chefe do setor de grãos da Datagro, Flávio França Junior. 

A disponibilidade cada vez menor de produto e uma demanda ainda muito presente no mercado brasileiro alimentam a solidez dos prêmios e a disputa da soja remanescente da safra 2019/20 se intensifica diariamente. 

Os últimos números da Datagro mostram que 81% da atual temporada já foi comercializada e da safra 2020/21, 28%. As médias dos últimos anos são de 60% e 7%, respectivamente. Ou seja, nos dois casos o número é 21% maior, resultado da força da demanda e do dólar muito alto resultando nos melhores preços da história.

Comercialização de soja do Brasil bate recorde para as safras 19/20 e 20/21, diz Datagro

(Reuters) - A comercialização da safra brasileira de soja 2019/20 alcançou 80,6% da produção esperada até o dia 8 de maio, estimou a consultoria Datagro nesta quinta-feira, aumento de 9,1 pontos percentuais ante a projeção divulgada em abril e um recorde para o período.

Impulsionado pelo efeito do câmbio sobre os preços, o percentual superou o nível de 67,7% registrado em 2016 e também ficou acima da média histórica de 60,1%, de acordo com o levantamento. O volume de vendas da temporada somou 97,72 milhões de toneladas.

Já a comercialização antecipada da safra 2020/21 de soja atingiu 28,2% da produção esperada, também mostra um recorde para o período, ao superar a marca de 12% obtida em 2016 e está acima da média de cinco anos de 6,7%.

Na variação mensal, o avanço das vendas da oleaginosa da próxima safra foi de 8,3 pontos percentuais, disse a consultoria.

"Considerando o exercício estatístico com projeção de produção da safra nova em 128,90 milhões de toneladas, teríamos 36,39 milhões de toneladas comercializadas antecipadamente pelos produtores brasileiros", informou a Datagro.

O coordenador da área de grãos da consultoria, Flávio Roberto de França Junior, disse em nota que o esperado comportamento positivo dos preços foi confirmado, e novamente com sobras, com novos recordes alcançados.

"E a forte melhora das cotações, gerada especialmente pela explosão da taxa de câmbio, e também com prêmios firmes, fez com que os produtores retomassem o interesse de venda. Aproveitando um momento de forte interesse comprador, notadamente com destino à exportação.”

MILHO

A comercialização do milho de verão da safra 2019/20 no centro-sul do Brasil também avançou 18,2 pontos percentuais entre abril e maio, para 66,4% da produção esperada até o dia 8 de maio, estimou a Datagro. Segundo a análise, esse fluxo de negócios fica acima da média histórica de 47%.

Para a safrinha 2019/20, as vendas alcançaram 56%, acima dos 44% registrado em igual momento do ano passado e da média de cinco anos 42%, mas atrás do recorde obtido em 2016 de 59%.

No mês anterior, o percentual compromissado pelos produtores atingia 51%, segundo números revisados pela consultoria.

 

 

Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas/Reuters

0 comentário