Complexo soja exporta o equivalente a 50 mi/t ou 42% da safra até o mês de abril e bate novo recorde

Publicado em 18/05/2020 18:01 e atualizado em 18/05/2020 19:52 3943 exibições
Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting
Queda do dólar limita negócios nos portos com soja a R$ 2,00 a menos por saca em relação à sexta-feira (16)

Podcast

Entrevista com Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado da Brandalizze Consulting sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

O mercado da soja encerrou a segunda-feira (18) com preços firmes no mercado brasileiro, porém, um pouco mais baixos devido a pressão do dólar sobre as cotações. A moeda americana encerrou o dia com queda de mais de 2% e valendo R$ 5,72, o que promoveu uma perda de até R$ 2,00 por saca nos indicativos nos portos brasileiros.

Para o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, o dólar já não tem força para alcançar patamares muito mais elevados do que os atuais e, dessa forma, "as melhores cotações do ano para a soja já estejam passando". Mas, por outro lado, acredita ainda que os preços no mercado brasileiro não têm muito espaço de baixa diante de uma compensação que pode vir de valorizações da oleaginosa na Bolsa de Chicago.  

Segundo o consultor, com essa baixa do câmbio o dia foi de poucos negócios e o destaque no mercado nacional ficou pelos novos recordes dos embarques brasileiros de soja. 

Dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior) mostram que o Brasil já embarcou no complexo soja um recorde de 50 milhões de toneladas de janeiro a abril, contra 37 milhões do mesmo perído do ano passado. Na soja em grão, quase 42% da safra 2019/20 já foi embarcado, contra 32% de 2019. E o principal destino continua sendo a China. 

Os dados são muito fortes e somente nas primeiras duas semanas de maio o total passa de 8 milhões de toneladas, com potencial também 

"O Brasil vai liderando nas exportações globais do agro e a soja é o carro-chefe", diz Brandalizze. 

SAFRA 2020/2021

Para a safra 2021, as oportunidades ainda são bastante boas e trazem bons negócios ao produtor brasileiro. "Talvez o melhor momento da safra nova, em reais, esteja acontecendo agora", afirma o especialista. Segundo ele, as cotações oferecidas nos portos do Rio Grande do Sul e Paraná são muito remuneradoras e atraem os vendedores. 

Maio do ano passado deu chances de preços na casa dos R$ 106,00 por saca nesta segunda-feira, níveis bem parecidos com os registrados nos últimos dias. 

"O mercado é franco comprador futuro, dá boas oportunidades para as trocas e fechamentos futuros para fazer boa renda na safra 2021", completa o consultor. 

BOLSA DE CHICAGO

Na Bolsa de Chicago, as cotações da soja encerraram o pregão desta segunda-feira em alta, com ganhos de mais de 5 pontos nos principais contratos. O julho foi a US$ 8,45 e o agosto, US$ 8,47 por bushel. 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário