Diante de incertezas sobre câmbio e demanda chinesa nos EUA, produtor brasileiro só deve voltar às vendas no segundo semestre

Publicado em 02/06/2020 17:24 e atualizado em 02/06/2020 19:45 3197 exibições
Flávio França Jr. - Chefe do Setor de Grãos da Datagro Consultoria
Humor do mercado financeiro e novas compras chinesas de soja nos EUA motivam boas altas em Chicago

Podcast

Entrevista com Flávio França Jr. - Chefe do Setor de Grãos da Datagro Consultoria sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download


LOGO nalogo

Os preços da soja subiram mais de 1% na Bolsa de Chicago nesta terça-feira (2). O anúncio de uma nova venda de soja dos EUA pela China pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) estimulou as cotações, que terminaram o dia com ganhos de pouco mais de 9 a 10 pontos nos principais vencimentos. 

"Foi um dia bom, e positivo também no mercado financeiro, até porque nesse ambiente de crise entre China e EUA houve essa notícia de negócios, além de uma melhora no controle da Covid-19 e do início de uma reativação da economia global", explica Flávio França Jr., chefe do setor de grãos da Datagro. 

França reafirma a necessidade da China de seguir comprando soja dos EUA diante da pouca oferta disponível para o Brasil seguir atendendo os chineses e toda sua necessidade até o final do ano. No entanto, determinar uma tendência para o mercado agora é bastante difícil, principalmente com informações que ainda são muito divergentes. 

"O ponto central é que não há oferta sul-americana suficiente para atender a necessidade chinesa e eles precisam comprar bom volumes ainda de soja americana, e essa é a leitura do mercado", diz o analista. 

MERCADO BRASILEIRO

No Brasil, permanece o foco do mercado sobre o movimento cambial. Nesta terça-feira, o dólar perdeu mais de 3% e fechou o dia na casa dos R$ 5,20. Todavia, o chefe do setor de grãos da Datagro afirma que para a moeda americana ainda não sinaliza uma tendência definida, especialmente pelos fatores que a interferem internamente. 

Dessa forma, as referências para a soja brasileira recuaram forte nos portos, com indicativos no disponível entre R$ 103,00 - Rio Grande - a R$ 112,00 - Santos. Para safra nova, os preços têm referências entre R$ 100,50 e R$ 105,00/saca. 

Para França, as expectativas são de prêmios mais valorizados e dúvida em relação ao câmbio, o que poderia distanciar os preços em relação ao melhores momentos da temporada. 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário