Confirmação de menor oferta nos EUA, demanda chinesa forte e La Niña na safra Sul Americana contribuem para forte alta da soja

Publicado em 11/09/2020 17:11 e atualizado em 13/09/2020 05:53 5228 exibições
Luiz Fernando Gutierrez Roque - Analista da Consultoria Safras & Mercado
Cotações podem até romper os US$10,00/bushel mas não terão fôlego para uma disparada, diz analista

Podcast

Entrevista com Luiz Fernando Gutierrez Roque - Analista da Consultoria Safras & Mercado sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

LOGO nalogo

Os preços da soja fecharam o dia com altas de quase 2% na Bolsa de Chicago nesta sexta-feira (11) motivados pela demanda e pela redução nos números da safra 2020/21 dos EUA pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seu boletim mensal de oferta e demanda. "E mesmo que o corte tenha ficado aquém do que o mercado esperava, ele deu continuidade ao movimento de alta iniciado no final de agosto", explica o analista de mercado Luiz Fernando Gutierrez, da Safras & Mercado. 

Leia Mais:

+ USDA reduz produção, produtividade e estoques finais de soja e milho dos EUA; Chicago sobe

Os futuros da oleaginosa fecharam o dia com altas de 12,25 a 18,50 pontos nas posições mais negociadas, levando o novembro/20 e o março/21 a US$ 9,96 por bushel no enceramento do pregão. "O sentimento em Chicago é positivo, o lado fundamental está ajudando e temos um novo patamar para os próximos dias", diz Gutierrez. Ao longo do dia, as cotações chegaram a bater nos US$ 10,00, mas devolveram. Mas, para o analista, há espaço para que o mercado teste novamente estes patamares precisa de mais notícias fortes, principalmente sobre as questões climáticas. 

E não só o cenário para a safra americana ter seu desenvolvimento concluído é observado pelo mercado internacional, mas também as condições no Brasil. O início da safra 2020/21 enfrenta alguns problemas com falta de chuvas e um La Niña já está confirmado, outro fator de suporte para as cotações na CBOT neste momento. 

+ MetSul: La Niña com intensidade entre fraca e moderada favorece aumento de temporais e granizo na primavera no sul do país

+ NOAA confirma retorno do La Niña ainda este ano; pico deve acontecer entre novembro e janeiro

A demanda forte da China é outro fator que continua sendo monitorado pelo mercado. A nação asiática tem comprado forte nos EUA - somente nesta semana o volume superou 1 milhão de toneladas - e os produtores têm aproveitado o melhor momento dos preços para comercializar. São preços que remuneram melhor e que não vinham sendo registrados desde 2018. 

Leia Mais:

+ USDA informa mais uma venda de 484 mil t de soja e maior parte com destino China

+ USDA: Vendas semanais de soja dos EUA superam 3 milhões de t, muito acima do esperado

Todavia, o analista afirma ainda que aos poucos o país pode se voltar de novo para a safra da América do Sul, em especial do Brasil. "Essa confirmação do La Niña é central para o mercado, fundamental para entendermos os próximos meses do mercado. O La Niña costuma trazer perdas importantes para o Brasil e a Argentina, e dependendo do que acontece nos próximos meses, se tivermos perdas na safra brasileira, a China pode avançar ainda mais sobre as compras de soja americana". 

MERCADO INTERNO

Assim como em Chicago, o fenômeno climático é central para o mercado brasileiro também e determinante para a formação dos preços da soja por aqui. Ao passo em que o temor cresce por conta disso, o ritmo da comercialização no Brasil deve se desacelerar um pouco mais com foco nos trabalhos de campo e diante do percentual de venda antecipada bastante elevado. 

"Se ele já antecipou muito e tem um fenômeno que pode trazer perdas pra ele, ele tem um risco climático maior e tende a diminuir seu ritmo de vendas. E o segundo fator é a questão de que problemas climáticos na América do Sul podem trazer espaço para altas em Chicago, podem trazer oportunidade de vender mais a frente com Chicago mais alto. Então, esses dois fatores podem frear a venda antecipada no Brasil", diz Gutierrez. 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário