Alta do dólar, melhora do clima na América do Sul e perda do poder de compra do yuan pressionam soja em Chicago

Publicado em 27/10/2020 17:17 2731 exibições
Marcos Araújo - Analista da Agrinvest
Mas, cenário para preços segue positivo e novas altas podem ser verificadas no mercado internacional

Podcast

Entrevista com Marcos Araújo - Analista da Agrinvest sobre o fechamento de mercado da soja

Download

LOGO nalogo

Um movimento de correção técnica e mais uma melhora nas condições climáticas do Brasil, favorecendo um melhor andamento do plantio da safra 2020/21, pesaram sobre as cotações da soja nesta terça-feira (27), que fecharam o dia no vermelho na Bolsa de Chicago, como explica o analista de mercado Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities. 

O mercado terminou o dia com perdas de 5,50 a 7,50 pontos nos principais vencimentos, levando o novembro a US$ 10,82 e o janeiro a US$ 10,76 por bushel. Durante todo o dia os preços foram testando os dois lados da tabela, intensificando suas perdas no final do dia. 

"Mas não acreditamos que seja uma reversão de tendência", afirma Araújo. A demanda firme e a pouca oferta seguem sustentando o cenário positivo para as cotações da oleaginosa. "O que nos leva a acreditar na continuidade dessas altas são as margens positivas da soja tanto nos EUA, quanto na China e no Brasil também. Quando acontece o La Niña na Argentina podemos ter uma perda ao redor de 18 milhões de toneladas", explica o analista. 

Araújo complementa dizendo que frente ao atual cenário climático não é confortável para o comprador ficar mais retraído neste momento a ponto de forçar uma queda dos preços. 

"Temos a recuperçaão dos rebanhos de suínos na China, a carne de frango ainda será a mais produzida no mundo, o consumo de carne suína é recorde e os estoques estão baixíssimos. Até o final do mês temos a reunião de Xi Jinping e seus aliados traçando planos e estratégias para os próximos 15 anos e somente se vier alguma medida muito imprevisível é que pode mexer com o mercado. Mas, a população não pode deixar de comer, então a tendência é de que os preços continuem muito bons", acredita Marcos Araújo, analista de mercado da Agrinvest Commodities. 

Leia Mais:

+ Clima adverso e demanda em franca expansão seguem intensificando lucros do agronegócio global

Da mesma forma, os preços no mercado brasileiro também permanecem elevados e muito remuneradores aos produtores brasileiros, renovando seus recordes quase que diariamente.  Nesta terça-feira, mesmo diante das perdas em Chicago, alguns indicativos voltaram a subir no Brasil, acompanhando a alta de mais de 1% do dólar frente ao real. No porto de Santos, a soja para fevereiro de 2021 fechou o dia com referência nos R$ 145,00 por saca e registrando um avanço de 2,11%. 

 

 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Aleksander, há muito tempo acompanho as correlações entre os pares de moedas CNY, BRL e USD. O titulo precisa ser corrigido. Do inicio do ano até agora o iuane ganhou 3,7% em relação ao dólar e 32% em relação ao real.

    2