Soja captura carbono e devolve tudo o que o solo dá em energia e alimentos, diz Almir Rebelo (Amigos da Terra)

Publicado em 15/04/2021 17:27 173 exibições
Tempo e Dinheiro - Com João Batista Olivi

Bolsonaro diz a Biden que quer eliminar desmatamento ilegal até 2030 (Poder360)

Envia carta ao presidente dos EUA pouco antes de cúpula sobre o clima

O presidente Jair Bolsonaro enviou nessa 4ª feira (14.abr.2021) uma carta a Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, comprometendo-se a eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030.

A mensagem, de 7 páginas, é enviada pouco antes de os Estados Unidos realizarem a Cúpula de Líderes sobre o Clima, que discutirá as mudanças climáticas. Bolsonaro foi convidado para o encontro, marcado para 22 e 23 de abril.

“Queremos reafirmar, nesse ato, em inequívoco apoio aos esforços empreendidos por V. Excelência, o nosso compromisso de eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030”, escreveu Bolsonaro na carta, à qual a Folha de S.Paulo teve acesso.

O conteúdo da mensagem, segundo a publicação, foi discutido entre Bolsonaro e os ministros Carlos França (Relações Exteriores), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura).

Bolsonaro disse que o Brasil pode antecipar em 10 anos, para 2050, o objetivo de chegar à neutralidade climática. O presidente afirmou que, para isso, depende da viabilização de “recursos anuais significativos, que contribuam nesse sentido”.

O chefe do Executivo brasileiro reconheceu que o país sofre com aumento do desmatamento da Amazônia desde 2012 –quando o Brasil era governado por Dilma Rousseff (PT).

Biden tem uma forte agenda ambiental. Quando ainda estava em campanha, afirmou que, caso eleito, faria uma coalizão internacional para transferir US$ 20 bilhões para a preservação da Amazônia.

“As florestas tropicais do Brasil estão sendo destruídas. Mais carbono é absorvido naquela floresta do que é emitido pelos Estados Unidos. Vou garantir que vários países se juntem e digam [ao Brasil]: ‘Aqui estão US$ 20 bilhões. Parem de destruir a floresta’”, declarou Biden em 29 de setembro, durante o 1º debate com o agora ex-presidente Donald Trump.

Na época, Bolsonaro respondeu ao democrata que seu governo tem realizado “ações sem precedentes para proteger a Amazônia”. Afirmou que a fala de Biden era lamentável e que a soberania brasileira era inegociável.

“O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. Nossa soberania é inegociável”, afirmou Bolsonaro em 30 de setembro.

“Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. Lamentável, sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável.”

Agora, Bolsonaro afirmou que está disposto a trabalhar com Biden.

“Reitero o compromisso do Brasil e do meu governo com os esforços internacionais de proteção do meio ambiente, combate à mudança do clima e promoção do desenvolvimento sustentável. Teremos enorme satisfação em trabalhar com V. Excelência em todos esses objetivos comuns”, falou Bolsonaro na carta.

O presidente brasileiro se disse também disposto a dialogar com povos indígenas e membros do 3º setor.

“Queremos ouvir as entidades do 3º setor, indígenas, comunidades tradicionais e todos aqueles que estejam dispostos a contribuir para um debate construtivo”, escreveu.

“Ao sublinhar a ambição das metas que assumimos, vejo-me na contingência de salientar, uma vez mais, a necessidade de obter o adequado apoio da comunidade internacional, na escala, volume e velocidade compatíveis com a magnitude e a urgência dos desafios a serem enfrentados”, continuou.

“Inspira-nos a crença de que o Brasil merece ser justamente remunerado pelos serviços ambientais que seus cidadãos têm prestado ao planeta”, finalizou Bolsonaro.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas/Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário