Açúcar: Oportunidade de compra na ordem do dia

Publicado em 02/05/2011 10:32 516 exibições
Comentário Semanal – de 25 a 29 de abril de 2011
O mercado de açúcar em NY fechou a semana com enorme pressão sobre o vencimento maio/2011, que expirou na sexta-feira, e apresentou entrega física de quase 900.000 toneladas, grande parte delas tendo a Tailândia como origem. Uma entrega desse tamanho só vem a mostrar que a demanda no mercado físico é fraca e os preços não estão tão baixos sem uma razão específica. A curva de preços está praticamente achatada após a queda de 35, 20 e 10 dólares por tonelada nos vencimentos julho, outubro e março de 2012, respectivamente. Os vencimentos que refletem a safra 2012/13 subiram em média pouco mais de 6 dólares por tonelada e os da safra seguinte, a 2013/2014, subiram o dobro. O vencimento maio caiu 46 dólares por tonelada.

Mercados tendem ao cash & carry ou carrego quando a oferta e demanda está em equilíbrio. O cash & carry ou carrego é uma situação em que os preços para os meses de vencimentos mais curtos são mais baratos do que os meses de vencimentos mais longos. Nela, os fundos normalmente preferem se posicionar na venda apostando numa queda maior de preços.

No entanto, este é o ponto que precisamos observar com muito rigor. O mercado está, em verdade, no aparente equilíbrio da oferta e demanda. Mas é só aparente. Quando apontamos os lápis e fazemos os cálculos da demanda potencial lá na frente, isso nos remete imediatamente à necessidade de cana que teremos, por exemplo, na safra 2012/2013 apenas para atender ao crescente consumo do etanol hidratado via carros flex, cuja frota crescerá 4 pontos percentuais no período.

Vamos precisar entre 740 e 752 milhões de toneladas de cana em 2012/2013, ou seja, um crescimento de quase 8% em relação à safra corrente. Como vários especialistas acham esse crescimento difícil de ser alcançado, a curva de preços deverá refletir essa percepção muito em breve. Ou seja, penso que esses preços baixos no momento podem ser uma excelente oportunidade de compra/fixação de contratos para os consumidores industriais e, também, para os traders mais arrojados que não precisam dar tantas explicações aos Conselhos pode ser uma boa ideia recomprar parte dos hedges de venda (em futuros ou em opções).

Uma grande parte das usinas está fixada para os vencimentos julho e outubro. O número apurado pelo modelo da Archer Consulting de fixação para a safra 2011/2012 está entre 14,7 e 17,3 milhões de toneladas de açúcar fixadas ao preço médio de 24,43 centavos de dólar por libra-peso. Está precisando de um bom argumento para não fixar a safra 2012/2013? Com toda a recente queda no mercado, estamos apenas 4% abaixo das máximas alcançadas para os vencimentos correspondentes a ela.

As medidas tomadas pelo governo ampliando os níveis percentuais de utilização de anidro na mistura dos atuais, mínimo de 20% e máximo de 25%, para mínimo de 18% e máximo de 25%, são um paliativo com grande magnitude midiática, que na pior das hipóteses poderá reduzir o consumo de anidro entre 300-350 milhões de litros anuais para cada ponto percentual de decréscimo dessa mistura. O setor produtivo e o governo, no entender de alguns traders, deverão colocar na planilha suas necessidades e disponibilidade de produção e a partir desse compromisso ocorre o monitoramento. Uns entendem que essa medida é intervencionista, politiqueira e inócua, outros entendem que a partir daí podemos ter maior solidez na oferta e demanda. Não costumo gostar de intervenções de governos que, em geral, cumprem melhor seus papéis quando não se intrometem na iniciativa privada.

Quantos países do G-20, além do Brasil, possuem preços de combustíveis congelados pelo governo? Essa é, de longe, a maior distorção que assombra o setor. É nociva, pois coíbe os investimentos de médio e longo prazo; é ineficaz, pois obriga a importação de gasolina a um preço superior ao vendido na bomba; é dissimulada, pois parece proteger o consumidor, mas na verdade ao estabelecer preços artificiais à gasolina, faz parecer que esta está barata e o etanol é que está caro; e é inócua, pois não produz os efeitos que pretende produzir. E mais, sepulta a tão esperada transformação do etanol numa commodity mundial.

As interpretações dos números iniciais da safra brasileira são contraditórias. Alguns dizem que não teremos problema em relação ao estoque de passagem de etanol no final dessa safra recém-iniciada. Acredito que os problemas que tivemos com a oferta de etanol nesse inicio de ano podem se potencializar no inicio do ano que vem. A menos que o dólar continue se desvalorizando em relação ao real. Veja o seguinte: baseado no fechamento de mercado de sexta-feira, o hidratado e o açúcar NY têm uma margem líquida sobre o custo de produção de 18% e 2% respectivamente. Se o dólar continuar se desvalorizando contra o real, digamos mais 5%, essa margem fica praticamente inalterada para o hidratado e passa a ser negativa para o açúcar na exportação.

Há exatos seis meses, no nosso comentário semanal, sugerimos que “uma arbitragem muito interessante seria comprar etanol na BM&F Bovespa e vender açúcar em NY”. Caso você tenha feito a operação, deve estar sorrindo à caminho do banco.

No Fundo Fictício da Archer Consulting vamos comprar o spread março/maio, pois acredito que ele deverá reagir quando nos aproximarmos do outubro. Assim, vamos fazer 2.000 lotes vendendo a put (opção de venda) de preço de exercício 23 centavos de dólar por libra-peso e vender a call (opção de compra) do mesmo preço de exercício, zerando o delta nos futuros.

Fonte:
Archer Consulting

0 comentário