Café em reais volta a níveis de 2014, por Rodrigo Costa

Publicado em 03/03/2019 18:00 e atualizado em 04/03/2019 09:34
215 exibições

As bolsas americanas acumulam mais de 11% de ganhos no ano, tendo o Nasdaq se destacado com alta de 14.47% - alguém comprou em dezembro?

Na Europa os principais índices também apreciaram ao redor de 10%, assim como no Brasil, mas o que impressiona ainda mais é o rally de 27% do CSI300 – índice composto pelas trezentas maiores empresas das bolsas de Xangai e Shenzen.

O prolongamento do prazo final para um acerto entre a China e os Estados Unidos contribuíram para o humor das bolsas, que ignoram o abatimento de aviões entre India e Paquistão – duas potências nucleares – e também pouco se interessam com o depoimento do ex-advogado de Trump, expondo supostos métodos do presidente.

O CRB encerrou praticamente inalterado nas duas ultimas semanas, mas o índice do dólar escorregou e o Real voltou a namorar os R$ 3.80.

O café em Nova Iorque é o terceiro componente que mais perdeu do CRB no curto ano, caindo 4.72% até a última sexta-feira.

A fragilidade do arábica, que na terça-feira torceu novamente o braço de quem teima em entrar comprado, levou o terminal convertido em centavos de reais por libra peso para o mais baixo patamar desde julho de 2014 enquanto em pesos colombianos ainda se segurou acima das mínimas de setembro.

A influência negativa pode ser justificada pelo dólar mais forte, ou exportações elevadas das principais de origens ou até mesmo pelo crescimento dos estoques na Europa.

Ainda que se fale em efeitos negativos dos preços na produção para o médio e longo prazo, a verdade é que a sensação ao se olhar o terminal é de uma disponibilidade confortável o suficiente para não se alterar as posições vendidas dos fundos.

Para piorar um pouco a abertura do spread entre o mês de março e maio, antes do período de notificação do primeiro, demonstra a necessidade de prêmios mais largos para estimular os carregadores de café – ou seja, há pouco interesse no que há certificado.

Os diferenciais apertados no FOB de praticamente todas as origens em teoria deveriam atrair compradores para algumas das qualidades que compõe o inventário da ICE, entretanto parece que a composição dos blends não aceita o que está por aí.

No Brasil a respeitosa Cooxupé divulgou sua estimativa para a safra 2019/2020 apontando uma produção do arábica entre 36 e 38 milhões de sacas e de 16 milhões para o conilon, ou um total entre 52 e 54 milhões de sacas.

Aproveitando este novo dado, é importante observarmos a condição das árvores de conilon do norte do Espirito Santo e sul da Bahia, regiões onde as chuvas não normalizaram em fevereiro e que sofreram bastante com o calor em janeiro.

Muito embora há irrigação no Espirito Santo, não seria surpresa nos defrontarmos com uma renda mais baixa durante o curso da colheita – é bom monitorar ainda mais na Bahia que tem menos fazendas irrigadas.

Entre os agentes a percepção é de que está tudo bem com o clima e poucos tem falado sobre um potencial menor da produção brasileira, logo, não está no preço. O tanto que pode diminuir também pode ter pouco efeito, ou seja, se for ao redor de um milhão de sacas não vai alterar o comportamento do mercado.

Por outro lado, a bolsa londrina, onde se negocia o robusta, tem segurado bem os solavancos sofridos pelo arábica forçando o estreitamento da arbitragem para baixo de US$ 30 centavos por libra nesta semana.

A proximidade da entrada da safra do conilon – em um pouco mais de um mês? – e as vendas consignadas dos produtores vietnamitas, em teoria podem pressionar aquele terminal ainda mais, dando espaço para quedas em Nova Iorque.

Mas quanto mais poderia cair?

Bem, os leitores assíduos sabem bem que eu não imaginava ver o mercado fazer novas mínimas, o que na verdade não aconteceu (ainda?) por meros US$ 1.25 centavos por libra – considerando o contrato mais ativo – mas eu volto a citar a arbitragem como o fator limitante (que mencionei anteriormente).

Imaginando que Londres teste US$ 1,400 por tonelada e a arbitragem pouco se altere, o que é razoável assumirmos, o contrato “C” perderia outros US$ 6.50 centavos por libra – bastante relativamente falando, mas muito próximo dos 95 centavos, não é?

Claro que se alguém acha que o preço do robusta vai ficar ainda mais próximo do arábica, poderia cair mais, mas convenhamos, já está tão caro comprar robusta quanto os grinders que foram vendidos no mercado internacional não há muito tempo.  

O fechamento acima de US$ 1 na semana do carnaval, quando o Brasil pouco participa das bolsas, pode trazer alguma cobertura de novas posições dos especuladores, mas para mudar de tendência teríamos que ver o contrato de maio acima de US$ 104.70 – nível próximo, mas faz parecer distante.

A partir de quarta-feira muitos se encontrarão em Atlanta na convenção da NCA (National Coffee Association) para discutir o mercado e eventualmente fazer negócios e na próxima sexta-feira o relatório do posicionamento dos participantes já vai estar atualizado, provavelmente mostrando os fundos vendidos em torno de 75 mil lotes.

Uma ótima semana e bons negócios a todos. 

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

Tags:
Fonte Archer Consulting

Nenhum comentário