NY cai, mas poderia ter sido pior, por Rodrigo Costa

Publicado em 24/03/2019 06:30 e atualizado em 25/03/2019 14:40
203 exibições

O banco central americano manteve os juros inalterados em 2.375%, como se esperava, mas indicou que não incrementará mais o custo do dinheiro em 2019, diferente do que estava precificado.

Dados indicativos da atividade industrial na Alemanha e nos Estados Unidos também decepcionaram na sexta-feira, empurrando o mercado acionário para baixo e causando fuga para títulos de dívida de 10 anos das principais economias.

No Brasil a prisão de Michel Temer e os desencontros políticos de Bolsonaro, seus filhos e de seus séquitos preocupam e colocam em xeque o apoio ao presidente para fazer as reformas necessárias ao país, levando o Real para cima de R$ 3.90 – também influenciado pela turbulência externa.

Para o café continuamos vendo mais do mesmo, movimentos de queda, novas mínimas, interesse de compra de comerciais, mas fundos, pelo incrível que pareça, conseguindo reduzir levemente suas apostas de baixa – nada animador.

Fluxo de negócios melhoram pontualmente, seja com uma breve manutenção de NY e enfraquecimento do Real, ou em tímidas altas que não encontram sustentação.

Diferenciais só encarecem, como é de se imaginar, e a proximidade do mês de abril, quando o Brasil então começará a colher a safra do conilon, por ora não causa uma perda mais acentuada do contrato de Londres.

As origens têm feito o que podem para achar alguma solução para a época de vacas magras, como por exemplo o Vietnã sinalizando a intenção de processar a maior parte do café produzido no país para gerar valor agregado ou a Colômbia liberando mais recursos aos seus produtores.

No Brasil o aumento do preço mínimo do arábica para R$ 362.53 e do conilon para R$ 210.13, valores referencias para políticas de financiamento, traz à luz também números a serem comparados com o café negociado nas principais praças, sugerindo maior espaço de queda para o último do que para o primeiro.

No destino tivemos a divulgação dos estoques no Japão em janeiro, 2.66 milhões de sacas, levemente acima dos 2.6 milhões de dezembro e abaixo dos 3.01 milhões de janeiro de 2018.

Os estoques certificados da bolsa de Nova Iorque encontram-se agora no mais alto nível desde julho de 2014. Isto juntamente com os juros baixos, com a estrutura do mercado (spread) larga, e a sensação de disponibilidade confortável são fatores que pouco ajudam o terminal a subir.

Como nem tudo é má noticia, se considerarmos a desvalorização do Real na semana, NY até que segurou relativamente bem, e ainda que a figura técnica esteja longe de causar uma mudança de tendência, alguma cobertura de especuladores pode ocorrer no curto prazo.

Uma ótima semana e bons negócios a todos. 

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consultin

Fonte: Archer Consulting

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Vejam só como são as coisas, nós, os séquitos do Bolsonaro, somos os culpados pela crise fabricada pela midia. Prenderam o Michel Temer, culpa dos séquitos, prenderam o sogro do Rodrigo Maia, culpa dos séquitos. A coisa é tão irreal que Rodrigo Maia chegou a declarar, "o Moreira Franco não é meu sogro, ele é casado com minha sogra"...

    4