CAFÉ: Volta dos compradores ao mercado e melhora no mercado global elevam bolsas na semana

Publicado em 18/01/2013 18:16
880 exibições
A volta dos compradores de café ao mercado depois das férias de final de ano e o ambiente melhor no mercado global com a atividade econômica, mesmo que em ritmo modesto, se expandindo nos EUA, levaram as bolsas de café a trabalharem em alta nesta semana.

O mercado físico brasileiro mostrou-se mais ativo e o número de negócios fechados só não foi maior porque muitos produtores se recusaram a vender nas bases oferecidas pelos compradores. Com a inflação em alta e preços que consideram não remuneradores ante ao crescente custo de mão de obra e insumos, optam por vender apenas o necessário para as despesas do mês.

Preferem vender aos poucos, aguardando melhores preços, do que vender tudo e aplicar o resultado no mercado financeiro. Com a inflação se aproximando dos 6%, não se mostram animados com os juros pagos para aplicação financeira. Os juros reais pagos para financiamento de estocagem na safra 2012 com recursos do FUNCAFÉ facilitam a decisão de escoar a produção ao longo do ano-safra brasileiro.

O café, que até meados do século passado era responsável por mais de 50% de toda a receita cambial do Brasil, fechou 2012 como sexto item (apenas 6,7%) da pauta de exportações do agronegócio brasileiro. Os complexos: soja; carnes; sucroalcooleiro; produtos florestais; e, o de cereais, farinhas e suas preparações, faturam mais que o café nas exportações do agronegócio do Brasil, que continua sendo, com grande folga, o maior produtor e exportador de café do mundo.

O cafeicultor brasileiro, ao contrário de cinquenta anos atrás, agora tem muitas alternativas à produção de café. Apesar das mudanças radicais na economia brasileira e mundial, ainda existem analistas falando em preços históricos do café...

A "Green Coffee Association" divulgou que os estoques americanos de café verde totalizaram 4.735.825 em 31 de dezembro de 2012. Uma baixa de 166.272 sacas em relação às 4.902.097 sacas existentes em 31 de novembro de 2012.

Até o dia 17 os embarques de janeiro estavam em 751.958 sacas de café arábica e 10.184 sacas de café conillon, somando 762.142 sacas de café verde, mais 45.956 sacas de café solúvel, contra 1.074.406 sacas no mesmo dia de dezembro. Até o dia 17, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em janeiro totalizavam 1.513.429 sacas, contra 1.488.693 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque ICE, do fechamento do dia 11, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 18, subiu nos contratos para entrega em março próximo, 295 pontos ou US$ 3.91 (R$ 8,00) por saca. Em reais por saca, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 11 a R$ 413,01/saca e hoje, dia 18 a R$ 422,81/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em março, a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 80 pontos. No mercado firme de hoje, são as seguintes cotações por saca, para os cafés verdes, do tipo 6 para melhor, safra 2012/2013, condição porta de armazém:

R$365/380,00 - CEREJA DESCASCADO (CD), BEM PREPARADO.
R$360/365,00 - FINOS A EXTRAFINOS MOGIANA E MINAS.
R$345/355,00 - BOA QUALIDADE DUROS, BEM PREPARADOS.
R$330/340,00 - DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS.
R$320/330,00 - RIADOS.
R$300/310,00 - RIO.
R$310/320,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: DURA.
R$290/300,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: RIADAS.

DÓLAR COMERCIAL DE SEXTA-FEIRA: R$ 2,045 PARA COMPRA.

Nenhum comentário