Café: Bolsa de NY encerra semana em queda e no mercado físico os preços são considerados baixos

Publicado em 16/12/2017 05:12 e atualizado em 17/12/2017 11:38
163 exibições

O mercado financeiro brasileiro teve mais uma semana difícil e agitada com os debates sobre a reforma da previdência, ontem oficialmente adiada para 2018, sendo que lideres de partidos da base aliada avaliam que o adiamento da votação para fevereiro de 2018 reduz ainda mais as chances de aprovação da proposta de reforma. Ontem, quinta-feira, o dólar subiu 0,77%, atingindo R$ 3,3357, seu maior patamar desde 23 de junho. 

Toda essa agitação na economia do maior produtor e exportador de café do mundo acabou refletindo nas cotações do café em Nova Iorque, que depois de muita oscilação no dia a dia fechou a semana acumulando queda de 185 pontos nos contratos com vencimento em dezembro próximo. O mercado físico brasileiro continuou difícil, com ofertas consideradas baixas pela maioria dos produtores, mas já estamos em meados de dezembro e os cafeicultores que querem vender ainda em 2017 acabam fechando negócio nas bases oferecidas pelos compradores. 

O CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, divulgou esta semana as exportações brasileiras de café em novembro último. Confirmando as dificuldades enfrentadas pelo Brasil com o término dos estoques oficiais e três anos consecutivos de problemas climáticos, elas recuaram 3,2% na comparação com outubro, totalizando 2 785 853 sacas embarcadas. 

De janeiro a novembro de 2017, o Brasil embarcou pouco mais de 27,7 milhões de sacas, o que representa queda de 10,7% quando comparado com o mesmo período de 2016. Esse total permite projetar que as exportações brasileiras de café em 2017 deverão ficar entre 30 e 31 milhões de sacas, bem abaixo das 34 milhões de sacas embarcadas em 2016 e das 37 milhões de sacas exportadas em 2015. 

Nossa safra 2017 foi de ciclo baixo, estamos sem estoques governamentais e o consumo interno brasileiro continua crescendo aproximadamente 3% ao ano. Nesse quadro, no primeiro semestre de 2018 nossas exportações deverão continuar abaixo da média dos dois últimos anos. Portanto nossas exportações em 2018 também deverão ficar abaixo do total embarcado em 2016. 

O CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil informou que no último mês de novembro foram embarcadas 2 785 853 sacas de 60 kg de café, aproximadamente 15 % (491 253 sacas) menos que no mesmo mês de 2016 e 3 % (91 205 sacas) menos que no último mês de outubro. Foram 2 537 699 sacas de café arábica e 29 826 sacas de café conilon, totalizando 2 567 525 sacas de café verde, que somadas a 216 379 sacas de solúvel e 1 949 sacas de torrado, totalizaram 2 785 853 sacas de café embarcadas. 

Até dia 14, os embarques de dezembro estavam em 788.756 sacas de café arábica, 18.847 sacas de café conilon, mais 52.696 sacas de café solúvel, totalizando 860.299 sacas embarcadas, contra 800.018 sacas no mesmo dia de novembro. Até o mesmo dia 14, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em dezembro totalizavam 1.462.325 sacas, contra 1.552.409 sacas no mesmo dia do mês anterior. 

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 8, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 15, caiu nos contratos para entrega em março próximo 185 pontos ou US$ 2,45 (R$ 8,10) por saca. Em reais, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 8 a R$ 534,53 por saca, e hoje dia 8, a R$ 528,06 por saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em março a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 45 pontos.

Fonte: Escritório Carvalhaes

Nenhum comentário