Feijão, por Ibrafe: Qual a razão de vender abaixo do R$ 130/140 no Estado de São Paulo?

Publicado em 28/07/2017 18:20
597 exibições

Todos no mercado do Feijão foram condicionados durante anos a aceitar situações não explicadas pela lógica. Por exemplo, os produtores do interior do Estado de São Paulo têm um mercado enorme a ser atendido, cerca de 45 milhões de habitantes com excelente poder aquisitivo em comparação com os demais brasileiros.

Se o Feijão que é colhido lá agora é pouco e não está saindo do estado, qual a razão para se vender abaixo de R$ 130,00/140,00, que é um preço considerado pelos empacotadores razoável e é um valor menor quando comparado ao valor praticado em Minas Gerais, somando-se ainda a nota fiscal e o frete?

A explicação é porque no Brás o preço está mais baixo? Ora, se no Brás vender 1.000, 2.000 ou 3.000 sacas de Feijão por dia, como ele pode ditar o preço no interior do Estado de São Paulo? Com certeza, somando aquilo que é negociado fora do Brás, temos um volume considerável e este volume, sim, pode ditar o preço do Feijão.

Aceitar preços de reais R$ 110,00/120,00 não é matematicamente razoável e nem justo. A lei da oferta e da procura deve também determinar o preço do Feijão junto às lavouras. Se é sem sentido aceitar que um mercado com demanda de aproximadamente 1 milhão de sacos por mês não tenha determinado, nas lavouras, o preço, nenhuma outra lei da economia fará sentido.

Portanto, façam valer a lei da oferta e da procura na sua região. Essa lei gera uma referência que estamos trabalhando para dar transparência e maior justiça ao trabalho dos produtores.

Essa referência é o PNF, Preço Nacional do Feijão.

Para saber mais sobre o mercado de feijão acesse o site do IBRAFE e a PÁGINA DO FEIJÃO.

​Clique AQUI e veja mais cotações do mercado de feijão.

Tags:
Fonte: IBRAFE

Nenhum comentário