A importância do levantamento dos estoques privados do café e dados corretos.

Publicado em 15/04/2015 17:22

O Governo Brasileiro  iniciou em principio de Abril a pesquisa para o levantamento de estoques privados de café em 31 de Março de 2015, referente à safra brasileira de 2014/2015.

Saibam que este levantamento de estoques é exigência legal, conforme determina a legislação brasileira, pelo qual a responsabilidade  é do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento , através da  CONAB  , abaixo transcrevo parte da ordenação legal :

 LEI Nº 8.171, DE 17 DE JANEIRO DE 1991 

Art. 30. O Ministério da Agricultura e Reforma Agrária (Mara), integrado com os Estados, o Distrito Federal, os Territórios e os Municípios, manterá um sistema de informação agrícola ampla para divulgação de:

        I - previsão de safras por Estado, Distrito Federal e Território, incluindo estimativas de área cultivada ou colhida, produção e produtividade;

        VI - volume dos estoques públicos e privados, reguladores e estratégicos, discriminados por produtos, tipos e localização

 

DECRETO Nº 3.855, DE 3 DE JULHO DE 2001

Art. 9º As pessoas jurídicas de que trata o art. 1º deste Decreto ficam obrigadas a fornecer ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento:

II ­ informações sobre os estoques próprios e de terceiros mantidos sob sua guarda.

Parágrafo único. Caberá aos responsáveis legais pelas unidades armazenadoras providenciar o fornecimento das informações mencionadas neste artigo.

Assim sendo, é de suma importância  que os dados pesquisados e coletados sejam apurados dentro do maior rigor possível.

Sabemos que fazer previsão de safra de café com razoável acertividade num país continental como o Brasil é extremamente difícil, diante disto, creio que mais importante que a previsão de safra é o levantamento de estoques, pois deste levantamento de estoques pode-se apurar a real safra brasileira de café, chamada de Produção derivada, isto é:

 

(*) Produção derivada corresponde aos estoques iniciais + vendas do governo - (desaparecimento + estoques finais apurados)

 

1) ESTOQUES INICIAIS                                          públicos e privados

2) VENDA DE ESTOQUES PUBLICOS

3) DESAPARECIMENTO                                         exportações + consumo interno

4) ESTOQUES FINAIS                                              público e privados

 

Abaixo um exemplo de uma tabela, demonstrando a PRODUÇÂO DERIVADA DE CAFÉ, para a safra de 2014/2015.

 

Assim sendo, são necessários apenas 4 (quatro)  variáveis para se encontrar a real safra brasileira , lembrando que os dados devem ser fidedignos.

1- ESTOQUE  PÚBLICO

2- ESTOQUE  PRIVADO

3- EXPORTAÇÔES

4- CONSUMO INTERNO

Entretanto, como é notório no mercado cafeeiro, existe uma enorme divergência de dados quando o assunto é os números do café, pois o setor privado trabalha com números diversos aos publicados pelos órgãos governamentais .

Para um efeito comparativo, abaixo segue  uma tabela em quanto está a divergência .

 

Observem que a diferença entre os dados oficias do GOVERNO BRASILEIRO , no qual a CONAB é encarregada de fazer estes levantamentos  , apontam para uma divergência de  8,78 milhões de sacas com o setor privado.

Não é o objetivo nesta singela exposição apontar quem está usando dados errôneos, o intuito é demonstrar que há uma enorme divergência que não é aceitável em termos estatísticos, pois é além da margem de erro aceitável.

Se projetarmos os dados para os próximos 12 meses , isto é , até 31 de Março de 2016 , considerando os dados do CNC/PROCAFÉ com estimativa de safra para 2015/2016 mediana de 41,775 milhões de sacas , teremos o seguinte quadro.

 

Conclusão :

Após alguns exercícios matemáticos, podemos notar a vulnerabilidade de dados que a cafeicultura brasileira convive, pois a disponibilidade de exportação brasileira de café para os próximos 12 meses , findando em 31 de MARÇO de 2016 , será dentro de um intervalo de 26,55 milhões de sacas até 35,34 milhões , com o agravante que os estoques chegarão a ZERO , e a necessidade para o consumo interno e exportações a partir de ABRIL de 2016 , só seriam supridas pela safra de 2016/2017 , que começara a estar disponível a partir de MAIO de 2016..

Assim sendo, para dirimir as dúvidas que pairam no ar e podem impactar em todo o comercio mundial de café, é urgente e necessário que o levantamento de estoques que está em curso pela CONAB tenha confiabilidade e seja acompanhado e auditado por empresas de reconhecido saber.

É necessário alertar que caso os dados governamentais brasileiros estejam corretos, as cotações de café arábicas brasileiro no mercado internacional poderão ultrapassar os níveis de US$ 2,00 per/lb , estando atualmente em US$ 1,30 per/lb , o que acrescentaria um ingresso de divisas no país na ordem de mais de 2,5 bilhões de dólares , que beneficiaria todo o setor cafeeiro brasileiro , trazendo bem estar e gerando riquezas e desenvolvimento nas regiões cafeeiras da nossa Nação.

 

Finalizando , o FUNCAFÉ tem recursos suficientes para contratar esta auditoria.

Tags:
Fonte:
Marco Antonio Jacob

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Joao Paulo de Oliveira Andradas - MG

    Parabéns pela publicação sr, Marco Antonio Jacob!!!, dessa forma é bem mais simples, e a margem de erro muito menor, do que ficar estimando safra..., nós, cafeicultores, precisamos de fazer o quê para que isso realmente aconteça???? Cobrar de nossas lideranças (CNC)???? Temos de insistir muito nessa ideia, pois já diz o velho ditado "água mole em pedra duram tanto bate até que fura"!!!!!

    0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      O Sr. Marco Antonio Jacob tem escrito artigos muito bons e de grande utilidade.

      0
    • Marco Antonio Jacob Espírito Santo do Pinhal - SP

      João Paulo , infelizmente a "elite" , elite quer dizer os que conduzem , de forma tacanha , em todos os setores , querem a eterna dependencia do setor produtivo , sem preço justo , o setor produtivo fica dependente , escravo e cativo de seus financiadores . Para que serve as FEDERAÇÔES DE AGRICULTORES , que é sustentada pelos contribuintes produtores , lembrando que é uma contribuição obrigatória . Os produtores não têm representatividade . Se você que mudar o "status quo " , primeira coisa a fazer é ir no seu sindicato , que você paga , e parte disto vai para as FEDERAÇÔES E CONSELHO NACIONAL DA AGRICULTURA e reclame seus direitos , cobre medidas . Uma andorinha só não faz verão.

      0