Gazeta do Povo: O que cobras e um cesto de dinheiro podem dizer sobre financiamento agrícola?

Publicado em 06/10/2016 08:49
97 exibições
Por Flávio Bernardes, na Gazeta do Povo

Imagine a seguinte situação hipotética: uma sala escura e dois cestos tampados; num deles, há R$100; noutro, uma jararaca, pronta para dar o bote. E então, você acha que vale a pena se arriscar? E se, em vez de R$100, fossem R$ 100 mil? Ainda não? Mas e se você ganhasse uma lanterna e, do lado de fora, estivesse um médico com o antídoto contra o veneno da cobra, caso você desse o azar de abrir o cesto errado?

O exemplo simples, porém efetivo, foi usado pelo Diretor de Produtores Rurais do Itaú BBA, Carlos Ortiz, para explicar a relação entre risco, benefício e informação, durante o 1º Workshop sobre Financiamento à Agricultura organizado pela entidade, em São Paulo (SP).

Atualmente, segundo Ortiz, há duas formas principais de se financiar a agricultura empresarial: uma com dinheiro controlado, que vem do governo e soma aproximadamente R$ 40 bilhões; outra com recursos do próprio mercado, que giram em torno de R$60 bilhões. Juntas, elas financiam cerca de 65% da produção de soja no Brasil ou 96% dos cultivos de algodão, conforme um cruzamento de dados do próprio banco.

O problema apontado pelo diretor do Itaú é que, sobretudo nos recursos controlados, o engessamento da máquina pública ainda atrapalha o processo. A destinação do dinheiro é pré-definida para custeio, estoque e outras finalidades. “Quando há verba e não há demanda, acaba sobrando recurso em uma área e faltando em outra. Não é simples remanejar”, ressalta. É como se, na sala escura com os cestos, você corresse todo o risco para pegar apenas uma parte do dinheiro, porque, naquele horário, só aquela quantia era permitida.

Leia o artigo na íntegra no site da Gazeta do Povo

Tags:
Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário