Cooperativas e desenvolvimento local, por Luiz Vicente Suzin

Publicado em 18/04/2017 16:37
47 exibições
Luiz Vicente Suzin é Presidente da Organização das Cooperativas do Estado de SC (OCESC)

Vários estudos vem demonstrando que as cooperativas, nas regiões onde atuam, melhoram a qualidade de vida da população. As cooperativas, na consecução de seus objetivos, direta ou indiretamente trabalham para promover o desenvolvimento sustentado da comunidade local ou regional nas quais estão inseridas. Esse é um modo de promover o desenvolvimento, que possibilita o surgimento de comunidades mais sustentáveis, capazes de suprir suas necessidades imediatas, descobrir ou despertar suas vocações locais e desenvolver suas potencialidades específicas, além de fomentar o intercâmbio externo, aproveitando-se de suas vantagens locais.

As identidades locais são reforçadas cada vez mais pelo fenômeno da globalização, eas regiões passam a ser o espaço territorial com escala para superação dos problemas e aproveitamento das oportunidades advindas do processo. Por isso, desenvolvimento regional e sustentável significa buscar a qualidade de vida na região, medida nas dimensões humana, social, econômica e ambiental.

Desenvolvimento não é papel apenas dos governos, mas de todos os atores de uma região: governos, iniciativa privada e indivíduos. As cooperativas  são um fator primordial no desenvolvimento regional pela possibilidade de gerar empregos, empreendedorismo e distribuição de renda. A sustentabilidade acontece pela sinergia entre Estado, Mercado e Sociedade Civil. Desenvolvimento só acontece se houver relacionamentos através de redes de confiança, identidade, entre os atores de uma região, ou seja capital social.

“Interesse pela comunidade” é um principio internacional do cooperativismo, é uma forma de conduzir a cooperativa ou a empresa de forma sintonizada com as carências e potencialidades da comunidade, não negando nem ignorando os problemas estruturais e conjunturais que a afetam. Para isso, é preciso ajustar a missão da organização de forma a não prejudicar os superiores interesses da coletividade.

A prática demonstra que perseveram nas políticas de responsabilidade social as cooperativas e empresas com reconhecida conduta ética, com genuína sensibilidade social, sincero desejo de colaborar na redução das mazelas sociais e tradição em participação comunitária. As cooperativas aplicam o “interesse pela comunidade” de forma autêntica porque esse princípio está na sua base doutrinária.

Tags:
Fonte: MB Comunicação

Nenhum comentário