O pior vírus é o do oportunismo! Chega de Cassandras! Afirma Pinheiro Pedro

Publicado em 19/03/2020 10:55
322 exibições
O novo quadro político após entrevista coletiva do governo federal sobre o Corona Vírus

Nesses últimos dias, os chefes de estado de todo o mundo foram às redes oficiais transmitir aos concidadãos o que estava ocorrendo e as medidas necessárias. Nosso presidente, porém, até então, havia feito um pronunciamento em live... e até esta quarta-feira, 18 de março, não havia feito sequer um pronunciamento oficial digno desse nome.

Era necessário mudar de atitude. Cada minuto sem agir foi um minuto de derretimento de imagem pública do Presidente.

Assim, era preciso que o governo federal fizesse  UM PRONUNCIAMENTO À NAÇÃO. Informar a gravidade do problema, anunciar as medidas a serem adotadas, convidar a população a contribuir no esforço de combate à pandemia,  acalmar o povo, condenar o pânico e a especulação.

A hesitação abriu espaço para os especuladores e oportunistas, que sempre interagiram com surtos epidêmicos no curso da história. Parasitas absolutamente previsíveis.

Pois bem, a resposta tardou mas não falhou. O presidente compareceu com seus principais ministros á coletiva de imprensa no Palácio do Planalto,  pronunciando-se sobre a pandemia e permitindo que seus ministros explicassem à imprensa as medidas adotadas pelo governo para o enfrentamento da crise.

O ato restabelece a confiança nas ações do governo e conduz a mobilização nacional para o que é mais importante: o combate á pandemia global.

Sobre isso João Batista Olivi  me entrevistou  no Canal Notícias Agrícolas, logo após a coletiva de imprensa do governo federal. Ocasião em que comentamos o quadro político e a costumeira atitude raivosa da grande imprensa.**

Assista ao vídeo clicando aqui

A humanidade está sujeita a síndromes, e já enfrentou coisa pior sem ter o nível atual de organizar defesas. Não é hora, portanto, de pânico.

O que ocorre agora é uma mudança de paradigmas na organização da defesa civil face à questão... e em escala global.

Por isso o momento não é das cassandras e, sim, de união e respeito. Daí porque se existe algo tremendamente improdutivo é manifestação de oposição em meio à crise.

Sejamos objetivos, os "panelaços" produzidos nos últimos dias, foram fracos e isolados. No entanto, é fato,  revelam uma perda parcial de apoio ao presidente Bolsonaro... e os motivos são óbvios, senão vejamos: 

1- o presidente errou ao confraternizar com populares neste último domingo, 15 de março;

2- passou uma imagem de desautorização ao seus próprios agentes, publicamente, ao adotar posição dúbia com relação à pandemia;

3- a militância bolsonarista passou do ponto ao reagir mal às críticas partidas dos próprios apoiadores do governo sobre a condução da defesa contra a pandemia - e isso ficou visível nas redes sociais.

Como se sabe,  é nos momentos de crise que o líder se revela. A pandemia demanda postura proativa e transmissão de confiança por parte do líder. A hesitação, portanto, cobrou caro da imagem do presidente. No entanto, a partir da coletiva de imprensa de quarta-feira, é possível traçar o trajeto de recuperação da liderança e firmar o pé em direção á saída da crise de saúde.

Saindo da letargia: Com máscaras de proteção, os ministros e o Presidente Jair Bolsonaro concedem entrevista coletiva á imprensa

Vale aqui citar  as lições apreendidas por Dick Morris - experiente assessor de campanha nos EUA, e por ele transmitidas em seu livro "Jogos de Poder"*, lições essas que devem ser (e estão sendo) seguidas à risca pelo presidente Bolsonaro e sua equipe:

1- Mostre claramente como a situação se desvia das normas;

2- Reconheça a magnitude da tarefa;

3- Tome cuidado com as boas notícias ilusórias;

4- Alie-se ao congresso;

5- Não minta:

6- Abandone as prioridades domésticas;

7- Não ataque seus adversários; e

8- Não se deixe enganar.

Como se trata de um governo moldado pela frase bíblica  de João 8:32 - "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" - seguir os preceitos acima não deve ser tarefa difícil.

Assim, o que se espera doravante é que o governo, recomposto da hesitação, reforce a ação que já vinha sendo bem adotada pelo setor de saúde e implemente as demais ações no campo da economia, da justiça, da segurança pública e da logística.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou um programa de ajuda para autônomos em função do impacto na economia do coronavírus, prevendo a concessão direta de recursos aos trabalhadores informais ao custo de 5 bilhões de reais por mês, pelo prazo de três meses, levando o total da investida a 15 bilhões de reais.  O ministro indicou que o auxílio será de 200 reais por beneficiário. Adiantou, também, que o governo irá renegociar as dívidas das companhias aéreas e que estuda como o Estado pode bancar uma parte do salário para os empregados de micro e pequenas empresas.

O Ministro da Saúde informou sobre a gravidade e dimensão da pandemia, e apresentou as medidas adotadas até agora para a contenção da  sua expansão, reforçando o apoio dos governos estaduais e prefeituras à operação.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, informou sobre as ações relacionadas ao estado de calamidade, cuja declaração foi encaminhada ao Congresso para reconhecimento nesta data, e onde o próprio governo diz que choque recessivo é "inevitável"

 

O prazo requerido para o estabelecimento das medidas no país deve ir até 31 de dezembro, permitindo o descumprimento da meta fiscal de 2020 - fixada em lei, para destinação de verba às medidas de enfrentamento da crise.

O Presidente, por fim,  lembrou que a tradição do país é agir com os fatos em ocorrência, não havendo espaço para uma autorização de medidas preventivas com base em estimativas. Lembrou, também, que  já houve um pedido de abertura de crédito extraordinário de mais de 5 bilhões de reais para início do combate ao Covid-19, e que esse valor não sairia se não ocorressem os casos.

Agora, é seguir em frente e conduzir o país para fora  da crise da pandemia.

Deixemos as Cassandras bradando sozinhas.

Notas:

*MORRIS, Dick - "Jogos de Poder", ed. Record, 2004, RJ

** Matéria publicada no site Notícias Agrícolas in, https://www.noticiasagricolas.com.br/videos/politica-economia/254904-o-pior-virus-e-o-do-oportunismo-joao-batista-olivi-e-antonio-fernando-pinheiro-pedro-advogado-e-vice-presidente.html

Tags:
Por:
Antonio Fernando Pinheiro Pedro
Fonte:
The Eagle View

0 comentário