Na Folha: Sem alternativa, Dilma dobra a aposta, por Igor Gielow

Publicado em 17/03/2016 15:03

Com um raro discurso articulado, a presidente Dilma Rousseff deixou clara a intenção de dobrar a aposta contra o que chama de "golpe" contra seu mandato.

Não só deu posse na Casa Civil a Luiz Inácio Lula da Silva, flagrado em movimentação para tentar influenciar o desfecho de apurações contra si, como chamou o juiz Sergio Moro para a batalha jurídica.

Foi o que restou, ainda que o estado de sítio político sob o qual vive já impeça de saída a execução do plano de ter Lula como detentor do poder real no Planalto como forma de livrar Dilma do impeachment e reformular o governo.

O fato de um outro juiz federal, este de Brasília, ter quase que imediatamente concedido decisão temporária suspendendo a posse de Lula apenas mostra que a aposta de confronto com o Judiciário não será pacífica.

No que tange à conversa polêmica com Lula da tarde de quarta (17), Dilma aferrou-se à história já divulgada de que tratava de uma mera formalidade burocrática. Neste caso, a tendência acabará sendo a de uma guerra de versões, uma vez que do ponto de vista probatório não parece haver muito espaço para contraditório.

Mas o mais importante do evento da posse dos novos ministros, Lula ao centro, foi a disposição aberta de Dilma em tentar qualificar Moro como o inimigo a combater, usando palavras fortes associando atos jurídicos a golpe de Estado. Há a promessa de dedicação do novo ministro da Justiça e do advogado-geral da União para contestar os passos do juiz.

Leia o artigo na íntegra no site da Folha de S. Paulo

Tags:
Fonte:
Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário