Previsões de Safra – Futurologia ou Manipulação, por Eduardo Lima Porto

Publicado em 17/11/2016 07:51 e atualizado em 17/11/2016 15:36
1266 exibições

Nos últimos meses, depois de termos enfrentado inúmeros problemas causados pela quebra da safra de soja e de milho em diversas regiões do Brasil, o mercado voltou a atenção para o dimensionamento da produção americana e os reflexos que o volume disponibilizado poderia gerar no setor.

A amplitude das apostas sempre é grande, a começar pelo USDA, que é religiosamente seguido por uma infinidade de produtores, indústrias, bancos, fundos de investimentos e analistas no mundo inteiro. 

Cada um possui uma teoria (original ou não) sobre o futuro dos preços.

Interessante é que muito poucos ousam desafiar as predições do “todo poderoso” USDA. 

Aqui no Brasil, pelo que sei, apenas o meu amigo Liones Severo é que tem tido o peito de contestar abertamente os dados vindos dos Estados Unidos, com impressionante assertividade. Há quem o considere um “herege” por isso.

Gráfico Eduardo Lima Porto

Heresia ou não, o fato é que o USDA tem cometido, historicamente, falhas nas suas previsões de safra, de demanda interna e de exportação, assim como na quantificação do estoque final.

Essa última informação, em especial, é relevante para o nosso planejamento produtivo, comercial e econômico, afetando diretamente o comportamento dos preços no mercado internacional.

O USDA já foi obrigado a realizar “ajustes” em diversas situações, conforme demonstra o gráfico acima, elaborado pela consultoria americana AgTraderTalk.
 
Não tenho conhecimento suficiente para afirmar, sem medo de cometer injustiças ou leviandades, que o USDA não detém corpo técnico capacitado, sistemas de coleta de informação confiável ou metodologia adequada para a apuração dos números que o mundo agrícola e financeiro espera com tanta ansiedade.

Também não posso me posicionar em torno de eventuais interesses ocultos do governo americano de manipular informações tão importantes.

Me cabe apenas considerar de forma serena que o USDA também comete erros. Aliás, isso está estatisticamente comprovado.

Se nos Estados Unidos que é o País mais Rico e tecnologicamente avançado do Mundo essa situação é possível, o que dizer então do Brasil?

Recentemente, a imprensa nacional e estrangeira vem repercutindo a visão de alguns renomados analistas e da própria CONAB de que deveremos ter uma Safra “Recorde”.

Supostamente, tais previsões já estariam incorporadas aos preços futuros.

No caso da soja, tem se falado na possibilidade de uma colheita superior a 101 milhões de toneladas.

Com o devido respeito que os noveis analistas merecem, assim como os técnicos que trabalham na CONAB, me permitirei divergir acerca do volume previsto nesse momento específico (meados de Novembro).

Minha discrepância está alicerçada nas seguintes razões:

1)    Incerteza em relação ao clima devido a formação do fenômeno La Niña, tido até agora como de intensidade fraca-moderada, mas que ainda pode causar algum déficit hídrico no Sul e eventuais excessos pontuais de chuva no Centro-Oeste capazes de reduzir a produtividade;
2)    Endividamento elevado;
3)    Escassez e restrições de Crédito em todas as regiões do País;
4)    Possibilidade da ocorrência de pragas e doenças de difícil controle.

Considero que a água é o principal insumo da agricultura. Sem ela, ainda que se tenha a melhor tecnologia disponível, o resultado da produção será desprezível ou nulo.

Como não sou meteorologista, não vou me aventurar a discorrer sobre um assunto tão complexo.

Me sinto mais à vontade para tratar do segundo insumo mais importante, que é o crédito.

Posso dar alguns pitacos sobre os efeitos econômicos causados pelas Pragas e Doenças, mesmo não sendo Agrônomo, já que os últimos prejuízos ainda fazem parte da lembrança de muita gente.

As dívidas de safras passadas e a quebra verificada em 2016 agravaram significativamente a capacidade de Geração de Caixa dos Produtores, sendo consenso que a intensidade do problema adquiriu uma condição muito preocupante em diversas regiões, especialmente no MATOPIBA e no sul do RS, assim como em diferentes áreas do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás.

Desde 2015, verifica-se uma quantidade impressionante de pedidos de Recuperação Judicial envolvendo desde Grandes Produtores a Revendas com faturamento de centenas de milhões de reais. Se a crise não poupou os grandes, desnecessário falar do que aconteceu aos menores.

O alcance em termos de área cultivável é difícil de estimar, mas a julgar pelo porte de alguns Grupos tradicionais, apenas no Estado do Mato Grosso, é possível que a superfície em severas dificuldades financeiras supere bem mais do que 1 milhão de hectares.

A percepção de risco do setor aumentou significativamente.

A indústria de Defensivos Agrícolas e os Revendedores têm assumido boa parte do financiamento de capital de giro necessário para produção de grãos, a partir da concessão do “prazo-safra” configurado através das operações de Barter.

A negociação do passivo acumulado de anos anteriores, muitas vezes sujeito a variação cambial e a juros elevados, somado às exigências de reposicionamento dos limites de crédito constituem um desafio de enorme dimensão.

As Tradings, que também são responsáveis por uma parcela crescente da liquidez na área de insumos e do escoamento da produção, não demonstram estar atuando de maneira muito agressiva em termos de exposição de risco para garantir a originação.
 
Talvez por isso que o percentual de vendas antecipadas até o momento esteja comparativamente menor em relação ao ano passado, embora tenha se verificado nos últimos dias um intenso movimento de fixações por conta da desvalorização cambial.

Não bastassem as chuvas desuniformes, Amigos do Tocantins contaram que a liberação do crédito junto ao Banco do Brasil foi muito difícil e teriam ocorrido diminuições dos limites, inclusive para Produtores de bom histórico.

A título de referência, um desses Amigos está esperando há dois anos pela indenização do Seguro Agrícola e até agora, nada. Comentou que o caso dele não é isolado no Estado.

Reflexões

Existe estoque suficiente de Defensivos posicionados no campo para resolver, em tempo e forma, uma possível demanda emergencial?

Teriam as Indústrias e Revendedores estabelecido um acordo de repactuação das dívidas e a flexibilização dos critérios de concessão de crédito para que não falte insumos na quantidade e na qualidade necessárias?

Destaquei “qualidade” de propósito porque há o risco efetivo de que estoques de safras anteriores estejam com os ingredientes ativos vencidos ou apresentem uma redução da eficiência em função da degradação natural dos seus componentes, das condições de armazenagem, temperatura, etc.

Vou assumir, apenas por amor ao debate, que os graves problemas   tenham sido temporariamente resolvidos, que haja suficiente quantidade de insumos no campo, que as pragas e doenças não venham a causar um dano representativo e que os modelos climáticos garantam que não haverão eventos prejudiciais. 

A partir de uma combinação bem calibrada dos fatores acima, é possível inferir com razoável grau de assertividade que as previsões otimistas da CONAB, reverberadas por inúmeros Analistas e Consultorias, poderão se confirmar.

Politicamente, parece óbvio que a previsão de uma colheita farta favoreça temporariamente o Governo Temer, que anda fustigado por suspeitas de envolvimento nas tramas investigadas pela Operação Lava-Jato e ajudaria a minimizar a percepção de que a Economia não está se recuperando.

Entretanto, há enorme possibilidade de que a CONAB venha a reconsiderar os números anunciados, a exemplo do que ocorre de maneira recorrente nos Estados Unidos.

Se isso acontecer, veremos não só ajustes da oferta e das projeções de estoque de passagem, mas principalmente muita volatilidade e incertezas sobre o comportamento dos Preços Futuros da Soja em 2017.

Nessa linha de raciocínio, contesto também os prognósticos para a produção do Milho Safrinha, tendo em vista o alto grau de interdependência desse cultivo com os resultados auferidos a partir da colheita da Soja.

Se assim não fosse, seria lícito afirmar que os Produtores não dependem do sucesso da Soja para pagar as contas, liberar limites de crédito e se capitalizar minimamente.

Prudência e Caldo de Galinha nunca fizeram mal, ainda mais em momentos como esse.

Podemos nos posicionar com segurança no que diz respeito ao comportamento de curto prazo do Cambio e das Taxas de Juros Internacionais? 

Em que grau estes fatores afetarão a disponibilidade de Crédito e o Fluxo de Caixa dos Agricultores?

De que forma o Setor Agrícola se ajustará para atender aos requisitos exigidos pela Convenção de Basileia III? (vou abordar esse tema em breve).

Poderia elaborar uma série de questionamentos adicionais na tentativa de construir um cenário de relativa consistência técnica para obtenção de um prognóstico razoável da Safra e efeitos subjacentes, ainda assim, com a quantidade de incertezas que pairam no Mundo, me parece que seria um exercício de futurologia, daqueles que se justificam numa mesa de boteco, entre Amigos e sabendo que ninguém se lembrará do que foi dito no dia seguinte.

Reconheço minha absoluta insignificância diante do imponderável e por isso me absterei de oferecer previsões dessa magnitude. 

Não quero ser acusado depois de haver manipulado o mercado no sentido de influenciar movimentos massivos de compra e venda em Chicago, de alterar a programação dos importadores e, muito menos, de ter sido o responsável por falências, divórcios ou coisas piores.

 www.custodoagro.blogspot.com.br

Tags:
Fonte: CustodoAgro Consultoria Agrícola

4 comentários

  • Agrodireta Soluções Agrícolas Goiatuba - GO

    Prever algo que é manipulado para servir interesses de detentores do dinheiro mundial é impossível, e isso tem feito universo da agropecuária brasileira sofrer penas injustas a cada ano. Infelizmente não somos donos de nossos negócios. Abraço ao amigo Eduardo Porto

    De; Jones Felipe - Goiatuba - GO

    0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Não sei qual é a fórmula, mas muitos dizem que os contratos efetivados nas Bolsas ao redor do mundo equivalem a dez vezes o volume físico da produção mundial de grãos. Qual seria a lógica dessa relação? Ou é simplesmente uma coincidência?... O mercado é regido por infinitas variáveis, mas os negócios sofrem, também, certas influências que podem direcioná-los com o intuito de favorecer "grandes interesses", ou seja, o "business é o busílis" !!!

      1
    • Mario Afonso Klein Passo Fundo - RS

      Caro Roberto. A CBOT Bolsa de Chicago, referência mundial para maioria das comodities agrícolas, chega a negociar o equivalente a 27 Safras de Soja num único ano. Mercado é especulação pura.

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Tá vendo como sou "devagar", estava pensando que era SÓ 10 VEZES !!!

      0
  • Adoniran Antunes de Oliveira Campo Mourão - PR

    Eduardo, não tenho a mínima duvida de que os dados do USDA sempre foram manipulados, de acordo com o interesse principalmente das tres grandes irmãs do cereal mundial. Te conto o que sucedeu comigo em 1977, quando resolvi abandonar o Brasil e vir de vez para o Paraguay. Tinhamos uma boa empresa de compra e exportaçao de cereais, com boa infraestrutura para tal mister. Amigos da empresa FELIXAL de Roterdan avisaram-me para comprar o que pudesse em soja naquele ano, pois tal commoditie não havia no mercado, fruto da frustraçao de safra nos USA, e, na época Argentina produzia um milhao e quinhentos mil toneladas, Paraguay era incipiente ainda na produçao, con menos de 700.000 tons/ano. Brasil teve safra cheia, fruto do bom tempo no ano agricola, e cuja produçao já chegava perto das 14 milhoes de tons/ano.Preço ChicagoUS$ 480, por tonelada, espetacular no ano.Mas jamais as multi pagariam tal preço. Que fizeram? Sei que algum ministro, da area economica, se deixou "convencer" por elas(as tres hermanas) a impor um confisco cambial para exportaçao da ordem de 30%, inviabilizando a exportaçao. Lá fora, preço ótimo, como nunca, mas mercado interno pressionado por tal manobra, preços despencaram. E, em junho/julho, Banco do Brasil quer receber os emprestimos dados aos produtores, e no meu caso, os warrants que havia feito, pois o capital nao era tao grande, para seguir comprando.Julho chegou, a unica alternativa era vender para pagar o banco, já que a exportaçao estava "proibida"pelo confisco. E, no mercado interno, as ditas irmas, compraram adoidado, a um preço vil, para teres ideia, fui obrigado a vender pela metade do preço pago, fora as despesas de secagem armazenamento etc. E o BB negando-se a renegociar as dividas, fossem de quem fossem. Quando as multi compraram o que quiseram, no preço que quiseram e nao havia mais soja no mercado interno, o governo simplesmente liberou o confisco, liberando por ende a exportaçao. Imagine o quanto ganharam as empresas multinacionais, e o quanto perderam os produtores, compradores, cooperativas etc.Golpe sujo. E nós haviamos comprado 28.900 sacas e guardado esperando lucrar, como era de mercado. Houveram cooperativas na época, que nao quebraram, pois o BNCC salvou-as com créditos a longo prazo.Isto é o USDA, isto é o Brasil, e sempre será.

    0
    • Adoniran Antunes de Oliveira Campo Mourão - PR

      Meu comentario na reportagem de Eduardo Lima Porto

      0
    • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

      Meu Amigo Adoniran. Você é um dos responsáveis pelo Paraguai estar se transformando num País cada vez mais agradável e próspero. A tua experiência, engenhosidade e amor pela Agricultura são motivos de orgulho, deveriam ser conhecidos por todos aqui do Noticias Agrícolas. Seus comentários me trazem enorme alegria. Abraço, Eduardo

      0
    • domingos de souza medeiros Dourados - MS

      Caro Adoniran, para completar o quadro relatado por voce, lembro muito bem que na epoca fazia algumas posicoes de soja na CBOT, atraves de uma corretora americana, quando derrepente a soja bateu nos 9 ou quase 10 dollares o buchel, Estava passeando na divisa do Canada e deu ordem de venda: houve uma cheia historica do rio Mississpi! Foi divertido.

      0
  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Muito bem colocado. Pra confirmar parte das interrogações .Estive em sorriso mt, região próspera, onde ouvi vários relatos desta natureza e o ultimo antes de retornar o de que uma empresa de sementes de milho não entregaria a semente contratada por não ter conseguido produzi las.

    0
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Eduardo, enquanto acompanho o preço do café em NY, vou fazer um comentário sobre esse teu artigo. Começo pelos final que achei sensacional, parabéns. Bem não é de hoje a briga entre fundamentalistas e analistas gráficos. Semana passada mesmo houve uma bem interessante, um sujeito que usa fundamentos estava perdendo 300 mil no indice, vendido, os analistas riam às pampas, de repente cai 3000 pontos e o sujeito recupera a perda e passa a lucrar, mas manteve a posição. Ontem e hoje o vendido fundamentalista voltou a ter perdas. Sem entrar no mérito, é assim, grafistas geralmente acertam mais. O sujeito em questão usa análise gráfica, mas desprezou os gráficos em favor dos fundamentos perdeu, ganhou e está perdendo novamente. Assim vamos. Não sou um top de linha, mas analiso gráficos e opero em bolsa, por isso passo muito tempo aqui, normalmente o mercado é caótico, e é melhor ficar parado do que fazer besteira. Por isso Eduardo é que digo que do gráfico do texto não dá para deduzir nada, faltam dados, qual a unidade da ordenada, eixo vertical, do gráfico? O que posso observar é que dez anos das estimativas mais baixas foram valores pequenos e que os maiores valores são equivalentes entre os mais baixos e mais altos, embora o número de erros mais baixos seja muito superior aos mais altos. É uma observação, e seguindo a teoria de Dow, o preço desconta tudo. Tanto faz se os preços se moveram devido a crises mundiais, problemas de administração na empresa, microeconomia, política, notícias, etc. Os preços se movem para refletir o comportamento dos investidores, que podem agir impactados por algum motivo específico, como notícias ou crises, ou simplesmente por insegurança, pânico ou euforia. É muito difícil descobrir os motivos que levam os investidores a agirem, mas os movimentos dos preços ficam registrados no gráfico, ou seja, é algo concreto, indiscutível. Grafistas não estão preocupados com os motivos que movimentam os preços. Um exemplo concreto é o café, como já deixei claro não ligo para os fundamentos, ele vem subindo e tem um suporte gráfico em 155, assim como a soja tem um novo suporte em 9,8 - janeiro - então não importa o que digam os fundamentalistas se o café cair abaixo de 155 saio da posição comprada, o mesmo ocorrendo com a soja, se cair abaixo de 9,75 não dá prá ficar comprado por que o preço vai para baixo. É 100% seguro? É claro que não, estatisticamente é a maior probabilidade, e quem aposta contra a maior probabilidade tem mais chances de perder. Se há uma coisa que o mercado ensina é a humildade, ninguém é infalivel e o mercado esfrega isso na cara de qualquer um que ousar desafia-lo com a maior tranquilidade do mundo, basta você começar a se achar que ele te põe no teu lugar. Para o trader errar é um exercicio diário, insistir no erro é morte na certa. O mercado não perdoa, e o produtor sente isso na pele, e exemplo disso é o milho, pode voltar aos 50 reais? Pode mas ninguém sabe quando, por enquanto quem comprar milho futuro pode amargar muitos prejuizos, não é inteligente ir contra a tendência do preço. Me alongo aqui por que o mercado de commodities está parado, o indice está andando, dólar em queda. Volto para os gráficos, muito bom o texto que você escreveu. Finalizo dizendo que se alguém opera apostando cara ou coroa tem 50% de chances de acertar. Então se alguém aposta somente cara ou somente coroa, teoricamente metade do tempo vai estar certo. Abraço.

    0
    • Euclides de Oliveira Pinto Neto Duque de Caxias - RJ

      Muito bom o teu conceito...mercado "cara ou coroa"... é pura coincidencia... ou "sorte"... teoria da lei das probabilidades... é o "cassino"...

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Falei sobre vários conceitos aí nesse comentário Euclides, mas não esse. O que está escrito lá é que se uma pessoa diz todo o tempo que o preço vai subir ou diz todo o tempo que vai cair, estatisticamente metade do tempo ela vai estar certa. Mas pode estar totalmente certa se o mercado subir ou cair assumindo uma tendencia de alta ou baixa. Isso é a coisa mais simples do mundo. Por exemplo, hoje a bolsa abriu caindo e agora está subindo um pouco, o dólar em queda, teoricamente esse é o normal. Bolsa prá cima, dólar prá baixo. As pessoas pensam que o comércio de mercadorias, moedas são mercadorias, é um cassino por que não entendem que apesar de bolsa prá cima, dólar prá baixo ser uma regra, isso pode não se dar assim, a bolsa pode cair e o dólar também, a bolsa pode subir e o dólar também. É como o mercado fisico, saber quando comprar e saber quando vender, por isso é a bolsa é o dinheiro fácil mais dificil do mundo. Nesse exato momento bolsa continua subindo e dólar continua caindo. Soja na lenga lenga, cai 9,8 e sobre 9,9, depois repete tudo de novo. Tenho tempo então vou escrevendo aqui, to cansado das salas de análise das corretoras, depois volto prá lá. Outro mito é que são negociados não sei quantos trilhões de toneladas de soja na bolsa, mito por que é o mesmo dinheiro circulando. Se você já marreteou gado sabe como é, numa única conta com 100 mil reais dá prá fazer uma movimentação de 1 milhão no ano. Compra 100 mil de gado, vende por 110. Depois compra mais 100 mil vende por 110, é o mesmo dinheiro que entra várias vezes na conta. Por exemplo posso comprar agora um contrato a 9,9 e vender quando vier prá 9,8. Depois compro a 9,8 e vendo a 9,9. Compreendeu? Dava prá estar fazendo isso desde o dia 15. Ás vezes em minutos, voce compra um contrato, um lote, e vende 15 minutos depois. Na mesma hora compra o contrato de volta para vender depois de 30 minutos, uma hora. É só isso.

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Vou escrevendo aqui, pois agora bolsa prá baixo e dólar também para baixo, no mercado a única coisa certa é o preço. Continuando, isso que falei acima é coisa de pequeno, 100 cabeças, ou um trader de 1 a 10 contratos, coisa pouca. Vou tentar explicar agora como um institucional opera, um grande banco por exemplo que manda manda uma ordem para a corretora comprar 100 mil contratos, por exemplo, o encarregado da operação não vai comprar os 100 mil contratos numa paulada por que sabe que o preço vai prá lua se fizer isso, ele limpa a mesa, vamos dizer que existam 20 mil contratos com ordens de venda, e dai em diante ele vai ter que comprar 80 mil contratos por um preço bem mais alto. O que eles fazem então: compra os 100 mil contratos de 5 em 5 mil, e mesmo assim coloca 1 mil, depois mais mil, depois mais mil, depois mais mil, e mais mil, mas aí entra outra estratégia, pois quando ele termina de comprar os 5 mil contratos vende 4 mil contratos, põe o preço lá embaixo e começa tudo de novo, até comprar os 100 mil. Não sei é possivel entender mas tentei explicar o melhor que pude.

      0
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Isso que expliquei acima estou achando que está acontecendo no café, esqueci de dizer que o nome disso é acumulação, no caso acima na compra, e quando vende é o desencarteiramento. No café está havendo isso, o comprador acumulou e agora está desencarteirando, se o preço segurar acima dos 155, daqui a pouco começa a compra e o preço vai lá prá cima. Ele está esperando acumular contratos vendedores para comprar tudo de uma vez só.

      0