Líder do PMDB na Câmara vai defender votação do Código Florestal

Publicado em 27/03/2012 10:57 462 exibições
"Vou defender minha bancada, meu partido e a atividade parlamentar", disse o deputado Henrique Alves


 

Líder do PMDB e candidato à presidência da Câmara, o deputado Henrique Eduardo Alvesdecidiu subir à tribuna amanhã. Em nota veiculada no twitter, no domingo (25), antecipou seus propósitos: "Vou defender minha bancada, meu partido, a atividade parlamentar, o Poder Legislativo." 

Defender do quê? Ouvido pelo blog, o deputado revelou-se incomodado com a onda de notícias, artigos e declarações que "tentam reduzir o Legislativo a uma Casa de fisiologismo e toma-lá-dá-cá". O noticiário foi apimentado depois que o governo sofreu uma sequência de derrotas legislativas.

Deputado Henrique Eduardo Alves, líder do PMDB na Câmara: Eu não visto a carapuça do toma-lá-dá-cá. Acho a prática condenável.


Em entrevista veiculada neste final de semana, Dilma Rousseff declarou: "Não gosto desse negócio de toma-lá-dá-cá. Não gosto e não vou deixar que isso aconteça no meu governo." Antes, o novo líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), dissera que chegou a hora de confrontar "as velhas práticas da política". "Qualquer jornal ou revista do país que a gente abre encontra ataques ao Legislativo. Isso não é correto, não é justo e não serve à democracia", diz Henrique. Veja algumas das observações feitas pelo deputado ao jornalista Josias de Sousa:

Lei da Copa e o Código Florestal:

"Nesses dois assuntos, nenhum deputado está falando em cargos ou emendas. Discute-se o mérito dos projetos. A Lei da Copa será aprovada pela maioria. É compromisso internacional assumido pelo nosso governo, um compromisso do país.

O Código Florestal é uma das coisas mais importantes do Brasil. Não tem interesse menor nesse debate. Os deputados querem discutir o mérito e votar. Numa Casa de 513 deputados, 400 querem votar. Como poderia o presidente da Câmara, Marco Maia, dizer que não vota. Não pode. É preciso tirar o radicalismo desse tema.

O governo não é feito só de interesses ambientalistas. O governo também é feito de agricultura, que, aliás, vem salvando o PIB do país. É preciso negociar ao máximo. Depois, tem que votar".

* Transcrito do blog do jornalista Josias de Sousa

Tags:
Fonte:
Blog Josias de Souza

0 comentário