Aprosoja/MS realiza missão técnica buscando novos investimentos em MS

Publicado em 30/11/2012 09:13 335 exibições
Segundo diretores, estados do MA, PI e BA apresentam boas possibilidades de mercado.
Com o objetivo de prospectar novas oportunidades de negócios e adquirir conhecimentos técnicos, a Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul – Aprosoja/MS realiza uma missão técnica que irá visitar a região Nordeste do Brasil, dos dias 3 a 7 de dezembro.

A programação inclui visitas a propriedades em sete cidades nos estados do Maranhão (Imperatriz, Balsas e Benedito Leite), Piauí (Uruçuí e Bom Jesus) e Bahia (Barreiras e Luís Eduardo Magalhães). Além disso, o grupo composto por 10 integrantes também conversa com autoridades locais a fim de conhecer as características agronômicas dos municípios.

“Essa é uma região de novas fronteiras agrícolas, da qual alguns produtores sul-mato-grossenses já demonstraram interesse em investir. Vamos fazer essa análise in loco, além de trocar experiências”, explica Lucas Galvan, diretor executivo da entidade.

Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, os mais de 1 milhão e 300 mil hectares destinados à produção de milho nos três estados correspondem a quase 3 milhões e meio de toneladas do grão, das quais 649.280 toneladas vêm do Maranhão, 768.077 toneladas do Piauí e mais de 2 milhões da Bahia. A soja é responsável por mais de 6 milhões de toneladas cultivadas em aproximadamente 2 milhões e 100 mil hectares, sendo o estado baiano o que mais produz, apontando em média 3 milhões e 200 mil de toneladas da oleaginosa.

O grupo responsável pela iniciativa será formado por 10 diretores da Aprosoja/MS, que inclui além de presidentes de sindicatos rurais e órgãos relacionados, o presidente da entidade Almir Dalpasquale, o vice-presidente Cristiano Bortolotto e o diretor executivo Lucas Galvan.
Tags:
Fonte:
Aprosoja MS

1 comentário

  • Luciane Possan Weber guaíra - PR

    É bom ver se tem índio por perto senão a novela se repetirá, a gente produz e eles querem levar no bico da Funai, Cimi e Ongs

    0