LAGARTA NO MILHO TRANSGÊNICO..., CULPA DO PRODUTOR???.., por N'eri Perin

Publicado em 31/03/2013 17:05
1281 exibições
Mais de 76% do milho cultivado no Brasil é transgênico. Há diversas ocorrências de Norte a Sul do Pais, dando conta  que a resistência `a lagarta, característica pela qual a semente é adquirida pelos agricultores, não se apresenta no cultivo. 

Matéria nacional sobre este assunto foi divulgada no Globo Rural de hoje, 31 de março de 2013.

Nestes casos não houve diferença no controle da infestação das lavouras. E é evidente que isso surpreendeu os agricultores, mas não foi a única: surpreendentemente, eles estão sendo considerados culpados pelas fornecedoras das tecnologias como responsaveis indesejadas infestações: "não tomaram as cautelas recomendadas", dizem as empresas... 

A culpa é do produtor? É claro que não! Pagaram verdadeiras fortunas por uma saca de semente (até R$ 600,00), justamente para evitar o ataque das lagartas. Essa foi e e' a promessa das empresas fornecedoras, para justificarem a cobrança do preço.

Ja' os agricultores procuram cultivares que possuem a característica de resistência ao ataque destas lagartas, arcando com o alto custo. Evidentemente que tais ataques não poderiam acontecer.

Se as técnicas de plantio recomendadas foram praticadas, as empresas fornecedoras destas tecnologias devem indenizar as perdas sofridas pelos agricultores. Portanto, bastam que os agricultores façam filmagens e laudos técnicos que demonstrem o cultivo conforme as recomendações técnicas e, após a efetivação da colheita, procurem as indenizações que é de direito.

Imagino a indignação do agricultor que fez tantos sacrifícios para comprar a semente resistente ao ataque da lagarta, cumpriu as recomendações e teve os prejuízos --, e agora, ao invés de ser procurado pela empresa responsável para saldar seu prejuízo, é acusado de ineficiente.

É essa falta de sensibilidade, de postura inadequada, que gerará muitos embates no Judiciário, inclusive com indenizações por dano moral, merecidamente devida.

Néri Perin, advogado.
Tags:
Fonte: NA

Nenhum comentário