Em julho, IBGE prevê safra de grãos 16,1% maior que a de 2012

Publicado em 08/08/2013 09:49
350 exibições

A sétima estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizou 187,9 milhões de toneladas, superior em 16,1% à obtida em 2012 (161,9 milhões de toneladas) e 1,2% maior do que a estimativa de junho (185,7 milhões de toneladas). A área a ser colhida em 2013, de 52,8 milhões de hectares, apresenta acréscimo de 8,2% frente à área colhida em 2012 (48,8 milhões de hectares) e aumento de 195.451 hectares da prevista no mês anterior (0,4%).

As três principais culturas (arroz, milho e soja), que somadas representam 92,1% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas respondem por 85,9% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior houve acréscimos na área de 7,2% para o milho, 11,2% para a soja e decréscimo de 0,6% na área colhida de arroz. No que se refere à produção, os acréscimos foram de 2,9% para o arroz, de 12,2% para o milho e de 23,7% para a soja, quando comparados a 2012.

Entre as Grandes Regiões, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresenta a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 77,7 milhões de toneladas; Região Sul, 73,7 milhões de toneladas; Sudeste, 19,6 milhões de toneladas; Nordeste, 12,3 milhões de toneladas e Norte, 4,6 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, são constatados incrementos de 9,8% na Região Centro-Oeste, 33,5% na Sul, 2,0% na Sudeste e 3,3% na Nordeste. Na Região Norte houve decréscimo de 3,1%. O Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,4%, seguido pelo Paraná (20,2%) e Rio Grande do Sul (15,7%), que somados representaram 60,3% do total nacional previsto:

Estimativa de julho em relação à produção obtida em 2012

Dentre os vinte e seis produtos selecionados, dezesseis apresentaram variação positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: amendoim em casca 1ª safra (11,9%), arroz em casca (2,9%), aveia em grão (19,8%), batata-inglesa 1ª safra (2,5%), batata-inglesa 2ª safra (2,6%), cacau em amêndoa (2,4%), cana-de-açúcar (10,3%), cevada em grão (10,3%), feijão em grão 2ª safra (20,0%), feijão em grão 3ª safra (11,0%), milho em grão 1ª safra (3,8%), milho em grão 2ª safra (19,6%), soja em grão (23,7%), sorgo em grão (23,2%), trigo em grão (33,4%) e triticale em grão (12,8%). Com variação negativa foram dez produtos: algodão herbáceo em caroço (30,6%), amendoim em casca 2ª safra (11,9%), batata-inglesa 3ª safra (15,9%), café em grão - arábica (4,4%), café em grão - canephora (14,5%), cebola (8,3%), feijão em grão 1ª safra (3,2%), laranja (5,6%), mamona em baga (41,2%) e mandioca (9,5%). O incremento de produção mais significativo, em números absolutos, na comparação com a safra 2012 ocorreu para os produtos cana-de-açúcar, soja e milho. Nesta comparação anual as maiores variações negativas em números absolutos se observam para a laranja, algodão e mandioca.

Destaques na estimativa de julho em relação a junho

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) - Reavaliações nos estados da Bahia, Mato Grosso e Goiás determinaram o acréscimo de 1,8% na expectativa da produção nacional, quando comparada à informação de junho. O Ceará reduz em 15,5% a sua expectativa de produção. A produção esperada no Mato Grosso é de 1.797.704 toneladas, o que significa uma redução de 35,9% frente à produção de 2012. A cultura já tem cerca de 25% da área colhida e o preço vem apresentando recuperação, em relação aos observados na última safra. Na região Oeste da Bahia, onde se concentra a produção do estado, também foi observado o aumento no rendimento médio, melhorando a estimativa de produção neste levantamento.

AVEIA (em grão) - A atual estimativa da produção para o mês de julho da safra 2013 é de 470.025 toneladas, numa área plantada de 195.561 hectares, com rendimento médio esperado de 2.403 kg/ha, maiores, respectivamente, em 6,3%, 1,1% e 5,1%, quando comparados aos dados do mês anterior. O Rio Grande do Sul aguarda uma produção de 302.063 t, numa área plantada de 131.496 ha, e um rendimento médio de 2.297 kg/ha, maiores, respectivamente, em 10,2%, 3,7% e 6,2 %, quando comparados aos dados do mês anterior. O Paraná espera uma produção de 167.962 t, numa área plantada de 64.065 ha e um rendimento médio de 2.622 kg/ha. Com relação ao mês anterior as estimativas do Paraná apresentaram variações de área plantada (-3,9%) e de rendimento médio (4,0%), sem alterar a produção esperada.

BATATA INGLESA 3ª safra - A estimativa de produção de 692.319 toneladas, indicando aumento de 21,6% em relação avaliação de junho. A área plantada e o rendimento médio devem crescer 17,6% e 3,4%, respectivamente, em relação ao mês anterior. Os números foram mais influenciados pelo estado de Goiás, que informou aumento de 193,5% na área a ser plantada, 187,9% na produção estimada, enquanto o rendimento esperado decresceu 1,9%. Este estado é o segundo maior produtor de batata 3ª safra, respondendo por 27,2% do total produzido.

CAFÉ (em grão) - Em relação ao levantamento realizado em junho, as informações de julho apresentaram poucas alterações, a saber: acréscimo de 0,1% na produção esperada, decréscimo de 0,6% na área destinada à colheita e acréscimo de 0,7% no rendimento médio. A produção nacional de café, somadas as duas espécies, foi estimada em 2.850.081 toneladas (47,5 milhões de sacas de 60 kg). A produção nacional de ARÁBICA, de 2.202.403 toneladas (36,7 milhões de sacas de 60 kg), apresentou acréscimo de 0,6% em relação à estimativa de junho. O rendimento médio apresentou acréscimo de 0,3%. A área plantada total aumentou 0,2% em relação ao observado no mês anterior. A área a ser colhida também apresenta pequeno acréscimo, de 0,3%. Os estados que modificaram suas estimativas foram Bahia, Pernambuco, Espírito Santo e Paraná. As geadas ocorridas nos dias 24 e 25 de julho atingiram os cafezais em todo o Paraná. A previsão de produção para 2013 está mantida no estado. Para o café CANEPHORA, no Espírito Santo, maior produtor desta espécie, a estimativa de decréscimo de 1,1% na produção esperada em julho de 2013 foi atribuída à falta de chuvas no período de frutificação e enchimento dos grãos. A produção do Espírito Santo foi estimada em 488.168 toneladas (8,1 milhões de sacas de 60 kg) e a produção nacional, em 647.678 toneladas (10,8 milhões de sacas de 60 kg).

FEIJÃO (em grão) – A estimativa da produção nacional de feijão, considerando as três safras do produto, foi de 3.059.748 toneladas, 3,5% maior que a informada em junho. A região Nordeste foi a principal responsável por esta avaliação positiva da produção de feijão, em relação ao levantamento anterior o aumento foi de 17,5%. As regiões Centro-Oeste e Sudeste também apresentaram acréscimos na estimativa de produção de, respectivamente, 19.313 e 15.178 toneladas em relação à última avaliação. A 1ª safra de feijão participa com 38,5% da produção nacional de feijão em grão, a 2ª safra participa com 43,9% e a 3ª safra participa com 17,6%. Para o feijão 2ª safra, a estimativa de produção foi de 1.341.882 toneladas registrando um aumento de 5,6% frente a junho. Esse aumento deveu-se principalmente à alteração nos números de Pernambuco (47,6%) e Bahia (60,3%). Para o feijão 3ª safra a produção esperada é de 538.367 toneladas, maior 7,5% que a informada em junho. Estima-se um aumento da área plantada de 9,1%, e uma diminuição do rendimento médio de 1,5% em relação ao último levantamento.

MANDIOCA (raízes) - A estimativa de produção de mandioca em 2013 é de 21.178.686 toneladas, indicando uma redução de 1,3% em relação ao mês anterior. A área total plantada, a área destinada à colheita e o rendimento médio estão diminuindo 1,5%, 0,5% e 0,7%, respectivamente, neste mês. Em alguns estados do Nordeste ainda persistem os efeitos da seca iniciada em 2012, refletindo nas reduções de 2,9% na área plantada e de 3,0% no rendimento médio. A produção esperada é de 4.850.738 toneladas, sendo 2,9% menor que a informação anterior. A estimativa de produção caiu 15,9% no Rio Grande do Norte, 12,1% em Pernambuco, 9,8% no Maranhão e 2,0% no Ceará. No Norte, região responsável por 35,1% da mandioca produzida no país, a estimativa de colheita de raízes em 2013 caiu 1,4% em relação a junho, reflexo das reduções da produção no Amazonas (12,6%) e no Pará (0,2%). Nas regiões Sul e Centro-Oeste, as variações das estimativas de produção de mandioca apresentaram variação negativa de 0,4% e 0,3% respectivamente, enquanto que no Sudeste, a estimativa se manteve sem variação significativa.

MILHO (em grão) - De acordo com o levantamento de julho, a estimativa da produção total de milho em grão foi de 80.013.394 toneladas, 2,3% maior que a apresentada no mês anterior, mantendo a estimativa de safra recorde. Este aumento é devido ao incremento de 2,3% no rendimento médio, uma vez que as áreas plantada e colhida não apresentaram variação significativa neste mês. Do volume total da produção esperada, 34,5 milhões de toneladas (43,1%) são de milho 1ª safra e 45,5 milhões de toneladas (56,9%) são de milho 2ª safra. Não houve variação significativa de produção para o milho 1ª safra, nesta avaliação de julho. Apenas as regiões Norte e Nordeste merecem destaque devido às variações apresentadas. Para o milho 2ª safra a estimativa de produção foi de 45.538.120 toneladas, indicando um crescimento de 4,1% em relação à informação de junho. A área plantada e a ser colhida cresceram 0,3% e o rendimento médio esperado aumentou 3,8%, em função das boas condições do clima, que junto com a alta tecnologia utilizada pelo produtor está favorecendo o aumento de produtividade das lavouras.

TRIGO (em grão) - A produção esperada para o mês de julho é de 5.844.709 toneladas, numa área plantada de 2.135.106 hectares e um rendimento médio esperado de 2.737 kg/ha, maiores, respectivamente, em 5,2%, 3,2% e 1,9%, quando comparados aos dados do mês anterior. Já as estimativas acima quando comparadas à safra 2012 apresentam variações positivas de respectivamente 33,4%, 11,2% e 18,2%. A região Sul, maior produtora, responsável por 95,2% da produção nacional, aguarda uma produção de 5.564.169 t, numa área plantada de 2.048.165 ha, e um rendimento médio esperado de 2.717 kg/ha, maiores, respectivamente, em 4,4%, 2,8% e 1,6 %, que os obtidos no mês anterior. O Paraná, maior produtor nacional (45,8%), aguarda uma produção de 2.674.408 t, numa área estimada de 940.990 ha, e um rendimento médio esperado de 2.842 kg/ha, maiores, respectivamente, em 27,4%, 21,1 % e 5,2% que os resultados obtidos na safra anterior. Já as informações de produção e rendimento médio encontram-se menores respectivamente em 0,3% e 3,1% em relação ao mês de junho.

Tags:
Fonte: IBGE

0 comentário