Agroceres PIC e Batavo Cooperativa Agroindustrial fecham parceria para povoamento de UPL no Paraná

Publicado em 26/06/2014 10:01 249 exibições
A unidade será uma das mais modernas do País, com cinco mil fêmeas alojadas. Operando em sistema de núcleo-filial de rebanho fechado, a atualização genética e a inseminação artificial será toda feita via Genética Líquida

A Agroceres PIC, empresa líder em genética suína no Brasil, fará o povoamento da nova Unidade Produtora de Leitões (UPL) da Batavo Cooperativa Agroindustrial em Carambeí (PR). Serão cinco mil fêmeas alojadas, naquela que passará a ser uma das mais modernas granjas do País. Todos os processos produtivos serão automatizados em instalações climatizadas e projetadas para atender às atuais legislações internacionais de bem-estar animal. Será o maior projeto de produção de leitões em sistema de gestação coletiva do Brasil. 

A unidade ainda irá operar como núcleo-filial de rebanho fechado, com plantéis internos de avós e bisavós para autorreposição de matrizes. Encerrada todas as etapas de povoamento, não haverá a necessidade de introdução de animais no sistema. Todas as inseminações serão feitas com a Genética Líquida, fornecida pela Agroceres PIC a partir de sua Unidade de Disseminação de Genes (UDG) instalada em Fraiburgo (SC). “É um diferencial sanitário de alta relevância, pois oferece a máxima atualização genética ao mesmo tempo em que minimiza o risco da entrada de enfermidades emergentes na granja”, ressalta Paulo Cesar Stamato Lopes, coordenador Regional de Vendas da Agroceres PIC.
 
Quando entrar em funcionamento, a UPL terá uma produção semanal de 2.900 leitões, que serão repassados para cooperados terminadores. Hoje, a Batavo Cooperativa Agroindustrial atua na suinocultura via animais oriundos das granjas de seus associados, predominantemente de ciclo completo. Nesta unidade em Carambeí, a produção de leitões passará a ser totalmente gerida pela cooperativa. O empreendimento integra um projeto de intercooperação, formado pelas cooperativas Batavo, Castrolanda e Capal. Em parceria, elas estão investindo na industrialização da carne suína com a construção de um frigorífico de suínos no município de Castro (PR). O abatedouro deve entrar em operação já no mês de julho/2014 e terá capacidade para abater 2.300 animais/dia em sua primeira fase.
 
“O investimento feito pela Batavo Cooperativa Agroindustrial na UPL representa um marco para sua área pecuária. Foi um alto investimento em estruturas modernas e soluções tecnológicas inovadoras. Encontramos na Agroceres PIC um importante parceiro, que nos oferece um suporte e acompanhamento técnico diferenciado no campo, além de tecnologias como a Genética Líquida, que nos dá a máxima segurança sanitária, garantindo a atualização genética em tempo real”, afirma Mauro Sérgio Souza, gerente de Pecuária da Batavo Cooperativa Agroindustrial.
 
Tradição no cooperativismo
A Batavo Cooperativa Agroindustrial é hoje uma das maiores e mais pujantes cooperativas do Paraná. Desde sua fundação, descendentes europeus e brasileiros fazem da Batavo um modelo de cooperativismo no País. De forte tradição na produção leiteira, hoje a cooperativa atua em vários segmentos do agronegócio, como na produção de grãos (milho, soja e trigo), bovinocultura leiteira, suinocultura, fabricação de ração, entre outros. Com mais de 700 associados, a Batavo registrou um faturamento de R$ 1,4 bi em 2013. Em suinocultura, possui cerca de 30 produtores cooperados e aproximadamente 5 mil matrizes em produção, sendo parceira da Agroceres PIC há mais de 10 anos, tanto em matrizes quanto em reprodutores comerciais. No ano passado, a área suinícola da cooperativa foi responsável pela produção de 10,7 mil toneladas de carne suína. Com os investimentos que vem realizando no setor de suinocultura a Batavo espera não só ampliar sua participação nesse mercado, como elevar a renda de seus associados que se dedicam à atividade.

Tags:
Fonte:
AI Agroceres

0 comentário