Na FOLHA: MT proíbe plantio de soja safrinha e aumenta período sem o cultivo

Publicado em 11/02/2015 08:53
344 exibições

Os sojicultores de Mato Grosso estão proibidos de fazer a segunda safra de soja --a chamada safrinha. Além disso, deverão obedecer a um período maior para o vazio sanitário --período sem plantas vivas de soja.

A decisão foi tomada pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico e da Agricultura Familiar e pelo Indea (Instituto de Defesa agropecuária de Mato Grosso).

Conforme a instrução normativa número 1/2015 desta terça-feira (10), o vazio sanitário para a safra 2015/16 terá início em 1º de maio e terminará em 15 de setembro. A nova instrução revoga os prazos da anterior, cuja proibição era de 1º de junho a 30 de setembro.

A liberação de plantio a partir de 15 de setembro será analisada por um grupo de trabalho, para avaliar os efeitos sobre a soja semeada a partir de outubro.

Seneri Paludo, da Sedec, diz que a decisão de expandir o vazio sanitário foi tomada com base em estudos agronômicos, que apontam a não sustentabilidade do plantio de soja sobre soja.

Nery Ribas, diretor técnico da Aprosoja (associação dos produtores), diz que o vazio sanitário é uma ferramenta importante, mas só ele não resolve. "É uma prática que vem sendo adotada há anos, mas que precisa ser complementada com outras boas aplicações de manejo pelo produtor".

Ribas diz que uma das preocupações dessa ampliação do vazio sanitário é com a produção própria de semente feita por parte dos produtores. A não produção gera custos extras para os produtores. Além disso, a semente produzida na própria fazenda vai exigir mais cuidados dos produtores, afirma Ribas.

(por Mauro Zaafalon, da coluna Vaivem das commodities).

 

Aprosoja defende o direito de o produtor salvar sementes

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) entende que a alteração antecipando em 30 dias a data do início do vazio sanitário para 01 de maio impactará na produção, principalmente de sementes para o uso próprio. Entendemos que se está dando um enfoque técnico a uma discussão comercial, e que esta antecipação de data limita a janela de produção para salvar sementes.

A entidade não concorda com o cultivo de soja sobre soja para fins comerciais, pois não atende aos critérios agronômicos. Entretanto, ressalta a importância de se criar condições para que o produtor possa cultivar sua semente, já que o mercado interno atende pouco mais de 50% da demanda estadual e os produtores ficam dependentes de fornecedores de fora de Mato Grosso.

Além disso, a data de 1º de maio também deve trazer complicações para a produção de milho e feijão de segunda safra, uma vez que é muito difícil o controle de soja voluntária nestas culturas nesta data.

No que diz respeito à alteração da data final do vazio sanitário de 30 de setembro para 15 de setembro, a Aprosoja enfatiza a sua posição anteriormente manifestada de se manter a data para o dia 30 de setembro como regra. Exceções podem ser estudadas, desde que haja um compromisso assumido por toda cadeia, principalmente nos tratos fitossanitários.

Leia aqui o Informe Técnico da Aprosoja.

Leia aqui a íntegra da Instrução Normativa 001/2015.

Tags:
Fonte: Folha de S. Paulo + Aprosoja

Nenhum comentário