Fed mantém taxa de juros em reunião nesta 4ª feira e favorece subida de commodities agrícolas

Publicado em 01/02/2017 18:26 e atualizado em 02/02/2017 09:25
438 exibições
Federal Reserve decide não fazer marola, por JOSÉ PAULO KUPFER (no ESTADÃO)

Após muitas incertezas nos últimos dias sobre como seria a política monetária dos Estados Unidos após a eleição de Donald Trump, o Fed (Federal Reserve), banco central norte-americano, decidiu manter estável suas taxas de juros, mas projetou cenário relativamente positivo da economia e indicou que ainda pode apertar sua política neste ano, sem dar sinais sobre o momento de seu próximo ajuste. Essa divulgação motivou altas em praticamente todas as commodities agrícolas nos mercados externos.

» Fed mantém taxas de juros e segue otimista com economia

Repercutindo essa informação sobre manutenção das taxas de juros nos EUA , além de seus fundamentos característicos, a soja subiu mais de 1% nesta quarta-feira, fechando a US$ 10,37 por bushel na Bolsa de Chicago, o milho subiu mais de 2%, totalizando a US$ 3,67 por bushel e o café registrou leves ganhos, fechando acima de US$ 1,50 por libra-peso. Outras commodities como o açúcar e o trigo também tiveram ganhos no dia com os investidores retomando suas apostas nesses mercados.

Um aumento nas taxas de juros nos EUA contribuiria para atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro,  para a maior economia do mundo. "Não há nada na declaração deles que me leve a acreditar que a previsão ( de aumentar as taxas) mudou muito", disse Roberto Perli, sócio da Cornerstone Macro LLC, em Washington, para o site internacional Bloomberg. "Eu não acho que haja qualquer razão para questionar se eles estão pensando em fazer menos ou mais o que estavam pensando em dezembro."

A última elevação nos juros dos Estados Unidos foi feita em dezembro e foi a segunda alta em uma década, para a faixa entre 0,5 e 0,75 por cento. Ainda não há data definida para a próxima reunião do Fed.

"As medidas de confiança de consumidores e das empresas melhoraram", informou o Fed em declaração unânime após a reunião de dois dias, na qual deixou sua taxa de juros inalteradas. As informações são da Reuters. Os investidores já tinham descartado aumento nos juros nesta semana, dada a incerteza em torno das políticas fiscais e comerciais do Trump e como elas afetariam as perspectivas do Fed.

» Veja como fechou o dólar nesta quarta-feira

Federal Reserve decide não fazer marola, por JOSÉ PAULO KUPFER (no ESTADÃO)

Duas são as interpretações iniciais possíveis para a decisão de manter inalterada, por decisão unânime, em 0,5% e 0,75% ao ano, a taxa de referência na economia americana, na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), nesta tarde quarta-feira. Detalhe: elas não são excludentes.

A primeira é que os dirigentes do Federal Reserve piscaram ante os tumultuados primeiros passos de Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos e decidiram evitar mais marolas, que uma alta dos juros neste momento ajudaria a promover. A segunda é que talvez eles ainda não tenham se convencido de que Trump vai realmente adotar — ou pelo menos conseguir adotar — a prometida e potencialmente inflacionária combinação de protecionismo comercial com expansão fiscal.

É verdade que a decisão de não mexer nos juros se apóia no ritmo incerto em que a economia americana evolui no momento, ora avançando devagar, ora estagnando de novo. O crescimento em 2016, de 1,6%, ficou abaixo das projeções e significou perda de ritmo diante do avanço de 2,6%, em 2015. Mas a repetição das explicações dadas em dezembro para então elevar a taxa e agora mantê-la inalterada, sem qualquer menção à política anunciada pelo novo presidente, permite imaginar que Fed ainda pretende pagar para ver as fichas que Trump vai lançar no tabuleiro econômico.

Há poucas dúvidas de que o Fed terá de agir na direção de elevar os juros ao longo de 2017. Embora a economia continue claudicando, a taxa de desemprego chegou a um ponto historicamente baixo e as expectativas de alta nos salários, em razão justamente da forte absorção de mão de obra, já estão bem delineadas. Com isso, foram reforçadas as projeções de que a inflação, ainda que gradualmente, caminha para ultrapassar a meta de 2%.

Antes de Trump, o Fed já tinha indicado que deveria definir três altas nas taxas de juros de referência em 2017. Continua oferecendo a mesma orientação, mesmo depois da chegada doe Trump ao comando da Casa Branca. Mas achou espaço conveniente, com base sobretudo na falta de firmeza da expansão da atividade econômica, para adiar um próximo lance capaz de alimentar conflitos com Trump.

Vale lembrar que juros e taxa de câmbio, em regimes de câmbio flutuante, funcionam como vasos comunicantes e em direções opostas. Juros mais altos, de acordo com a regra, tendem a operar para valorizar a moeda. O que vai contra políticas protecionistas, que dependem de taxa de câmbio desvalorizada para desestimular importações e incentivar exportações.

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas + ESTADÃO

Nenhum comentário