Trabalhadores do setor de alimentos enfrentam dúvida agonizante: se arriscar no trabalho ou ir à falência

Publicado em 29/04/2020 15:06 223 exibições

Durante semanas, Gloria Carrera lutou com uma pergunta que milhões de trabalhadores do setor de alimentos enfrentam: ela deveria ir trabalhar e correr o risco de ser infectada ou ficar em casa e correr o risco de quebrar?

“Ambas as decisões sentir o mesmo - e sentem duro”, disse o 43-year-old selecionador de tomate na Flórida. No final, ela decidiu que precisa muito do salário para ficar de fora da pandemia.

Até agora, os surtos do Covid-19 pulsando na indústria de frigoríficos dos EUA foram amplamente divulgados, mas em todos os continentes e linhas de produtos, histórias semelhantes estão ocorrendo em menor escala. Na África do Sul, uma fábrica de pão foi fechada depois que 12 funcionários deram positivo. Na Holanda, cinco trabalhadores da fábrica da Kraft Heinz Co. teriam pegado o bug . No Brasil, os cafeicultores temem que não possam manter seus funcionários em segurança e, em Honduras, um gigante das exportações de frutas foi acusado de subestimar os riscos.

Os surtos destacam como uma combinação de locais de trabalho próximos e políticas de presença implacáveis ​​pode transformar as linhas de frente da cadeia global de suprimento de alimentos no campo de criação perfeito para o coronavírus. Os trabalhadores de alimentos, mal remunerados, porém essenciais, muitas vezes sentem que não têm outra escolha a não ser continuar trabalhando.

"Os trabalhadores das fábricas de carne não são soldados chamados a sacrificar a saúde e a vida para o benefício de todos", disse Lincoln Cordeiro, um promotor de trabalho no Brasil que investiga relatos de surtos em alguns matadouros.

Colheita de pico

Nos EUA, onde as colheitas já estão em andamento, mas atingem o pico conforme o clima esquenta, os defensores temem que os agricultores que trabalham e dormem em grupos sejam particularmente suscetíveis. Existem cerca de 2,5 a 3 milhões de trabalhadores em fazendas de todos os tamanhos, estimando-se que cerca de três quartos sejam estrangeiros.

Em East Wenatchee, Washington, a Stemilt Growers testou 71 trabalhadores de pomares, que estavam alojados no mesmo complexo, depois que alguns colegas de trabalho começaram a ficar doentes. Trinta e seis apresentaram resultados positivos, embora não apresentassem sintomas, de acordo com a empresa.

"Isso faz você se perguntar sobre a prevalência do vírus na força de trabalho essencial", disse Erik Nicholson, vice-presidente do sindicato dos Trabalhadores Agrícolas Unidos. A Stemilt agiu de maneira responsável em testar os trabalhadores ao primeiro sinal de problema, mas em todo o setor há uma "lamentável falta de teste", disse ele.

Produtores do Brasil para os EUA e Europa dizem que estão tomando as medidas que podem. Os advogados dizem que não são suficientes.

As empresas divulgaram uma melhor comunicação com os funcionários, estações de lavagem de mãos recém-instaladas nos campos e medidas de distanciamento social na medida do possível. Equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, estão sendo fornecidos aos trabalhadores quando disponíveis, dizem eles. Outros produtores estão separando equipes em equipes, portanto, se um membro ficar doente, não eliminará toda a força de trabalho.

'Realmente, muito assustado'

"Você espera que as medidas que você está tomando o protejam", diz Charles Hall, diretor executivo da Associação de Cultivadores de Frutas e Vegetais da Geórgia. Ainda assim, ele admite, não é um sistema perfeito. "Em uma fazenda, é difícil estar 100% a um metro e meio de distância."

Bruce Goldstein, da Farmworker Justice e Edgar Franks, da Familias Unidas pela Justicia, dizem que seus membros não viram muitas das etapas implementadas. Em vez disso, eles dizem que os fatos não estão atingindo os trabalhadores e, em alguns casos, a desinformação é. Alguns empregadores disseram aos agricultores que a pandemia não existe ou que são notícias falsas, disse o Centro de Derechos del Migrante, com sede em Washington DC, a repórteres no início deste mês.

"Estamos vivendo e trabalhando como se tudo estivesse normal", disse Maria Cisneros, que colhe frutas em um pomar no estado de Washington. Ela disse que não foram oferecidas luvas, máscaras ou desinfetantes aos trabalhadores, que ainda se reúnem firmemente para as reuniões. Alguns usam água sanitária ou água e sabão para tentar desinfetar as coisas por conta própria, enquanto outros evitam os banheiros por medo de serem infectados. "Estamos com muito, muito medo."

'Maior risco único'

Em Honduras, um gerente da empresa de exportação de frutas Fyffes disse aos trabalhadores que os habitantes locais "estão protegidos porque comemos terra desde que éramos jovens", de acordo com dois funcionários e o grupo sem fins lucrativos International Labour Rights Forum.

O diretor de assuntos corporativos da Fyffes, Caoimhe Buckley, disse em um e-mail: "Nós refutamos firmemente as alegações". A empresa com sede em Dublin contratou equipe médica adicional, forneceu máscaras e desinfetante para as mãos e instituiu testes de temperatura e distanciamento social, disse ela. "Estamos colocando a saúde e a segurança de nossos funcionários em primeiro lugar."

Tanto os produtores quanto os grupos de advogados concordam que a habitação torna os trabalhadores rurais particularmente vulneráveis, com o presidente da Driscoll das Américas, Soren Bjorn, chamando-o de "o maior risco".

Nas regiões produtoras de produtos da Califórnia, por exemplo, os trabalhadores geralmente vivem em comunidades densamente povoadas, onde o vírus pode se instalar rapidamente e se espalhar para várias operações de produção de alimentos, disse Bjorn. Para os trabalhadores migrantes com vistos H-2A, a habitação é fornecida pelo empregador e pode variar de estilo dormitório, com beliches e até oito pessoas em um quarto, até quartéis com até 40 pessoas.

"Você realmente não pode criar mais espaço", diz Jason Resnick, consultor geral da Western Growers Association, que representa 2.500 empresas na Califórnia, Arizona, Novo México e Colorado.

A ameaça de infecções por coronavírus vai além dos trabalhadores e das empresas; também poderia perturbar as cadeias de suprimentos globais. Uma grande quantidade de trabalhadores doentes agitou as operações de carne em todo o mundo, com as operações norte-americanas particularmente atingidas. Isso está alimentando a preocupação com possíveis faltas.

No Brasil, os inspetores do trabalho ordenaram na sexta-feira que a JBS SA fechasse uma fábrica de frangos, com cerca de 48 casos detectados entre funcionários, segundo um promotor. Três instalações da BRF SA registraram 28 casos. O Covid-19 também passou pela indústria de embalagem de carne do Canadá.

"Como essas empresas multinacionais gigantes não investiram para proteger os trabalhadores, suas fábricas estão sendo forçadas a fechar", disse David Michaels, professor de saúde pública da Universidade George Washington que dirigia a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do presidente Barack Obama.

Carrera, a colhedora de tomate em Immokalee, na Flórida, disse que é difícil imaginar como seu trabalho poderia ser feito sem a equipe trabalhando em conjunto. Os funcionários são “basicamente cara a cara, com uma planta de tomate no meio”, disse o nativo do México, que usa uma bandana no rosto enquanto trabalhava.

Depois de ficar longe dos campos por algumas semanas, ela agora tenta encontrar novos trabalhos, à medida que as operações de sua empresa terminam a temporada. Enquanto ela gostaria de ficar em casa por medo de pegar o coronavírus, ela não pode se dar ao luxo de fazê-lo. Carrera vive em um trailer com seu parceiro, dois filhos e outra família, dividindo o aluguel de US $ 350 por semana.

"Esse medo ainda está muito presente", disse ela. "Mas temos que encontrar trabalho onde pudermos."

Tags:
Fonte:
Bloomberg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário