Commodities têm baixa generalizada nesta 2ª feira; atenção às perdas intensas dos óleos vegetais

Publicado em 14/06/2021 12:15 2996 exibições

LOGO nalogo

À exceção do petróleo - que sobe mais de 1% tanto para o WTI quanto para o brent - as commodities todas cedem neste início de semana nas bolsas internacionais. O dólar também cede forte, perde mais de 1% frente ao real e vinha cotado a R$ 5,06. 

+ Dólar recua ante real à espera de Copom e Fed

Na Bolsa de Chicago, por volta de 11h20 (horário de Brasília), os futuros da soja e do milho perdiam mais de 2,5%; os do trigo mais de 1,5%; os do farelo de soja mais de 1% e os do óleo de soja - que lidera as perdas - mais de 3%. Ao longo da manhã, as perdas do derivado passavam de 4%.  Na Bolsa de Nova York, perdas de quase 2% para o café arábica; mais de 2,1% para o açúcar e de quase 3% quando se observa o mercado de algodão. 

Além das agrícolas, recuavam ainda os futuros do ouro - batendo em suas mínimas em um mês, da prata e do cobre. Mais cedo, as perdas passavam de 1%, mas já eram mais amenas no final da manhã desta segunda-feira (14). 

Segundo analistas internacionais, o mercado financeiro se mostra mais cautelo e avesso ao risco nesta semana à espera das novas informações que chegam do Federal Reserve (Fed, ou o banco central norte-americano) nos próximos dias em relação aos estímulos que continuam ou não para a economia dos Estados Unidos. 

As expectativas dão conta de que a "postura expansionista" do Fed frente à política monetária continue. Diante disso, enquanto cedem as commodities, alguns índices acionários sobem forte, com destaque para o S&P 500, que abriu os negócios de hoje perto de sua máxima histórica. Na sequência, o índice passou a operar com leve recuo, se ajustando depois das máximas. 

+ S&P 500 recua ante máxima recorde de fechamento com foco na reunião do Fed

"Em mais um dia de agenda vazia de indicadores, os investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve na quarta, e a expectativa dos mercados é de que o BC americano mantenha sua postura favorável à manutenção de estímulos", disse em nota Guilherme Esquelbek, da Correparti Corretora à agência de notícias Reuters. 

G7

O último encontro de líderes do G7 também movimentam bastante o mercado neste início de semana. Os chefes de estado dos sete países mais industrializados do mundo exigiram da China uma investigação completa das origens da Covid-19 na nação asiática, além de alertarem o país sobre os direitos humanos em Xinjiang e sobre a autonomia de Hong Kong. 

+ G7 alerta China sobre campos de concentração e exige investigação de origens da Covid-19

Do mesmo modo, o grupo ainda exigiu uma ação da Rússia contra crimes cibernéticos e o uso de armas químicas. Como noticia a Reuters, "o comunicado diz que a Rússia precisa "responsabilizar aqueles que, dentro de suas fronteiras, conduzem ataques de ransomware, abusam de moedas virtuais para lavar dinheiro e outros crimes cibernéticos".  Já o pedido por " investigação sobre uso de armas químicas vem após o crítico do Kremlin Alexei Navalny ser atendido na Alemanha, com médicos alemães disseram que foi um envenenamento com um agente nervoso de uso militar. Navalny acusa Putin de ordenar o envenenamento, o que é negado pelo Kremlin".

Leia Mais:

+ G7 exige ação da Rússia contra crimes cibernéticos e uso de armas químicas

Ainda nas discussões do G7 esteve a cobrança ao Irã sobre seu programa de enriquecimento de urânio.  Nesta segunda-feira, porém, o presidente iraniano, Hassan Rohani, afirmou que o país pode continuar aumentando o enriquecimento como foco em sua "potência nuclera, aeroespacial e de mísseis para fortalecer a indústria do país", reafirmando que "não está em busca de guerras e tensões", mas dizendo ainda que não se curvarão "aos inimigos" e que sua defesa "será desagradável". 

BAIXA DOS ÓLEOS VEGETAIS 

Não são só os futuros do óleo de soja que recuam forte nesta segunda-feira, mas ao cair pressionam também os preços do óleo de palma na Malásia e de canola no Canadá, como informa a Agrinvest Commodities. "O óleo de palma na Malásia encerrou o dia com queda de mais de 8%. Nas últimas duas semanas, a queda acumulada é de quase 20%", explicam os analistas da consultoria. 

"Na sexta-feira, circularam  rumores de fontes ligadas ao presidente Joe Biden de que o mesmo estaria estudando possível redução nos mandatórios de biocombustíveis, o que poderia reduzi a demanda por óleo de soja e também por milho. Essas reduções, caso venham a ser implementadas, poderiam, momentaneamente, reduzir a pressão sobre os estoques americanos, o que vem se traduzindo em forte pressão de venda desde a última sexta", afirma a Agrinvest. 

CLIMA NOS EUA PRESSIONANDO OS GRÃOS

"O mercado de grãos caia forte na abertura durante a noite deste domingo diante das previsões mostrando um tempo mais úmido nos EUA nos próximos 8 a 14 dias. O calor também parece estar menos intenso. No entanto, os próximos dias ainda deverão ser, em sua maioria, mais secos", disse a especialista internacional Karen Braun. 

O novo boletim semanal de acompanhamento de safras do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) chega nesta segunda-feira, após o fechamento do mercado, e poderá mostrar o plantio da soja já concluído. Assim, as atenções seguem sobre as condições das lavouras norte-americanas. 

Ainda segundo Braun, os produtores continuam relatando campos em "boa forma", com boas perspectivas em torno do potencial produtivo, "especialmente se as chuvas chegarem". Caso as previsões se confirmem, com bons volumes na semana que vem, a polinização do milho pode passar por um bom momento, e a soja também pode ser bastante favorecida. 

Os pontos de atenção, no entanto, continuam sendo as Dakotas e Minnesota. Há relatos da necessidade de replantio  por diversos produtores, as chuvas seguem limitadas e os traders permanecem atentos. 

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário