Análise de Mercado - 26/01/10

Publicado em 26/01/2010 12:41 861 exibições

Suíno vivo<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

(26.01) - Acessar o mercado mais exigente do mundo. É esse o desafio que o Rio Grande do Sul e a suinocultura gaúcha deram mostras de que querem enfrentar. Uma comitiva constituída pelo secretário estadual da Agricultura, João Carlos Machado; superintendente no Estado do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Francisco Signor; e representantes da indústria - entre eles o superintendente da Cosuel, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas - esteve na quarta-feira em Brasília. Na pauta, a possibilidade de autorização para vender carne à União Europeia (UE).
Atualmente, o Estado mais próximo de comercializar carne suína para os europeus é Santa Catarina, único do país considerado área livre de febre aftosa sem vacinação. No Brasil, existem outras 16 unidades da federação reconhecidas internacionalmente como livres de aftosa com vacinação, entre elas o Rio Grande do Sul. "Nosso calcanhar de Aquiles é justa mente isso. A União Europeia não importa de áreas onde ocorre a imunização", explica o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador.
O diretor executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Suínos no Estado do RS (Sips), Rogério Kerber, concorda que a vacinação é um dos entraves para acessar um dos "mercados mais diferenciados do mundo", mas faz ressalvas. "A suinocultura brasileira começou a exportar recentemente, a partir de 2000. Todos os clientes possíveis foram alcançados, mas ficaram de fora os mais exigentes, como União Europeia, Estados Unidos e Japão. Para ter acesso a essas nações é preciso um aprimoramento nos controles do sistema de produção e na rastreabilidade. Esse tipo de exigência é inegociável", frisa Kerber. (Suino.com)

 Suíno vivo

 GO

R$2,80 

 MG

R$2,50 

 SP

R$2,56 

 RS

R$2,38 

 SC

R$2,20 

 PR

R$2,25 

 MS

R$2,15 

 MT

R$2,02 

Frango vivo

(26.01) - Ainda que o frango vivo comercializado no interior paulista permaneça com preços inferiores aos de dezembro, o simples fato de manter, em pleno início do ano, cotação média superior à registrada no quadrimestre agosto-novembro de 2009 já indica que a situação atual é bem melhor que a observada na maior parte do segundo semestre do ano passado.
Pena, somente, que o preço médio dos primeiros 19 dias de negócios de 2010 permaneça significativamente aquém da média alcançada em janeiro de 2009 – o que é contraditório, pois lá é que a avicultura e o mundo se encontravam em profunda crise econômica.(Avisite)

 Frango vivo

 SP

R$1,60 

 CE

R$2,60 

 MG

R$1,60 

 GO

R$1,55 

 MS

R$1,40 

 PR

R$1,60 

 SC

R$1,50 

 RS

R$1,49 

Ovos

(26.01) - O mercado neste início de semana permanece calmo mas com as ofertas relativamente equilibradas.
Com os preços em patamares baixos, o mercado deverá ter uma boa demanda, principalmente por parte dos atacadistas, de olho na próxima semana com o início de mês e com a volta às aulas em boa parte do país.(Com Informações do Mercado do Ovo)

 Ovos brancos

 SP

R$33,90 

 RJ

R$35,00 

 MG

R$35,00 

 Ovos vermelhos

 MG

R$37,00 

 RJ

R$37,00 

 SP

R$35,90 

Boi gordo

(26.01) - A arroba do Boi Gordo no Estado de São Paulo, segundo informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) encerrou a segunda-feira cotada a R$ 75,90, com a variação em relação ao dia anterior de -0,3%.  A variação registrada no mês de Janeiro é de -1,47%. (Valor por arroba, descontado o Prazo de Pagamento pela taxa CDI/CETIP).
O valor da arroba em dólar fechou ontem cotado a US$ 41,68, com a variação em relação ao dia anterior de -0,64% e com a variação de -5,68% no acumulado do mês na moeda norte-americana.
Média ponderada de arroba do boi gordo no Estado de São Paulo - base de ponderação é a mesma usada para o Indicador Esalq/BM&F.
Valores a prazo são convertidos para à vista pela taxa NPR.
A referência para contratos futuros da BM&F é o Indicador Esalq/BM&F.

(Jornalismo Integrado - Assessoria de Comunicação)

 Boi gordo

 Triangulo MG

R$71,00 

 Goiânia GO

R$72,00 

 Dourados MS

R$70,00 

 C. Grande MS

R$69,00 

 Três Lagoas MS

R$70,00 

 Cuiabá MT

R$69,00 

 Marabá PA

R$69,00 

 Belo Horiz. MG

R$74,00 

Soja

(26.01) - A saca de 60 kg de soja no estado do Paraná, segundo informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) encerrou a segunda-feira cotada a R$ 38,46. O mercado apresentou uma variação de 0,23% em relação ao dia anterior. O mês de Janeiro apresenta uma variação de -9,53%.
O valor da saca em dólar fechou ontem cotado a US$ 21,12, com a variação em relação ao dia anterior de -0,09%, e com a variação de -13,41% no acumulado do mês.


(Jornalismo Integrado - Assessoria de Comunicação)

 Soja
 Físico - saca 60Kg - livre ao produtor

 R. Grande do Sul (média estadual)

R$42,00 

 Goiás - GO (média estadual)

R$35,00 

 Mato Grosso (média estadual)

R$32,00 

 Paraná (média estadual)

R$38,46 

 São Paulo (média estadual)

R$40,50 

 Santa Catarina (média estadual)

R$38,50 

 M. Grosso do Sul (média estadual)

R$34,50 

 Minas Gerais (média estadual)

R$36,00 

Milho

(26.01) -  A saca de 60 kg de milho no estado de São Paulo, segundo informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) encerrou a segunda-feira cotada a R$ 19,06 a saca. O mercado apresentou uma variação de -1,22% em relação ao dia anterior e de -5,37% no acumulado do mês de Janeiro.
O valor da saca em dólar fechou ontem em US$ 10,47, com uma variação de -1,55% em relação ao dia anterior, e com a variação de -9,43% no acumulado do mês.
O Indicador Esalq/BM&F à vista, que tem como base Campinas-SP, distingue-se da média regional de Campinas porque utiliza o CDI como taxa de desconto dos valores a prazo. No mercado físico (média regional Campinas), porém, a taxa mais usual é a NPR. Já os valores a prazo são iguais.
 
(Jornalismo Integrado - Assessoria de Comunicação)

 Milho
 Físico - saca 60Kg - livre ao produtor

 Goiás (média estadual)

R$15,00 

 Minas Gerais (média estadual)

R$16,50 

 Mato Grosso (média estadual)

R$11,50 

 M. Grosso Sul (média estadual)

R$15,00 

 Paraná (média estadual)

R$18,00 

 São Paulo (média estadual)

R$19,06 

 Rio G. do Sul (média estadual)

R$18,50 

 Santa Catarina (média estadual)

R$19,00 

Tags:
Fonte:
Uniquímica

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário