TIRIRICA É UMA DAS MAIORES INIMIGAS DO AGRICULTOR, por Venilson Ferreira

Publicado em 06/10/2010 12:07 e atualizado em 06/10/2010 12:38
1406 exibições
Francisco Everardo Oliveira Silva e "Cyperus rotundus" são dois famosos, mas pouca gente os conhece pelo nome de "batismo". Francisco Everardo é o comediante Tiririca, nascido no município cearense de Itapipoca, que no último domingo se elegeu deputado federal com mais de 1,350 milhão de votos dos eleitores paulistas. Cyperus é a tiririca, uma planta daninha de origem controversa - alguns estudiosos citam a Índia -, que se tornou uma das piores pragas da agricultura em todo mundo. 
O Ministério Público Eleitoral quer cassar o mandato do Tiririca, por suspeitar que o comediante não sabe ler nem escrever. Os agricultores brasileiros há anos lutam para acabar com a tiririca, que além de provocar danos nas lavouras, também infesta parques e jardins. Acabar com a planta daninha parece tão difícil quanto erradicar o analfabetismo do Brasil.
A tiririca na agricultura é um problema sério. Em trabalho de pesquisa sobre o controle da tiririca, os pesquisadores Dagoberto Martins, Mario Sergio Tomazela, Domingos Vanessa David e Cibele Chalita Martins, da Unesp de Botucatu (SP), citam estudos que estimam que 1 milhão de hectares de cana-de-açúcar no Brasil estejam infestados com a planta daninha, de um total de 6,2 milhões de hectares cultivados. Segundo os pesquisadores, em áreas com alta infestação, a tiririca pode 
provocar perdas na produção entre 65% e 75%, caso não seja adotada nenhuma medida de controle. Existem estudos sobre perdas expressivas também em lavouras de milho, alho e feijão. 
Mas a tiririca não é um problema exclusivo dos agricultores brasileiros, pois está espalhada por vários continentes, onde compete com 52 plantas cultivadas em 92 países. Por isso é considerada uma das plantas mais daninhas do mundo por causa da ampla distribuição, 
capacidade de competição, agressividade e pela dificuldade em ser controlada ou erradicada, como relatam os pesquisadores.
Os cientistas descobriram que a Cyperus rotundus é uma espécie perene que produz poucas sementes viáveis. O principal meio de disseminação consiste na produção de tubérculos e de bulbos. As gemas dormentes no solo podem brotar quando ocorre a morte da parte aérea da planta pelo uso de herbicidas ou outros métodos de extermínio. Alguns estudos mostraram que as infestações de tiririca podem produzir de 30 a 40 milhões de tubérculos por hectare, dos quais 85% podem permanecer em estado de dormência nos solos que não forem cultivados. 
A tiririca tem compostos alelopáticos, que afetam a germinação, a brotação e o desenvolvimento de outras espécies. Além disso, também compete com outras culturas por nutrientes, água, luz e espaço. O segredo da boa convivência com a tiririca é deixar a planta em paz, pois quanto mais o solo é revolvido, mais ela se multiplica.
Javalis selvagens - A Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados discute hoje requerimento do deputado Abelardo Lupion (DEM-PR) para realização de audiência pública sobre os prejuízos provocados pelos javalis selvagens. Lupion defende a liberação da caça aos bichos, para interromper a expansão das manadas e buscar reduzir os prejuízos econômicos e ambientais. Lupion reclama que os javalis destroem plantações, provocam morte de criações domésticas e de rebanhos, "sem que o Ibama tome providências para reduzir, ou, se necessário, dizimar a população de animais invasores". Ele estima que no Rio Grande do Sul o prejuízo chegue a R$ 70 milhões. 

Tags:
Fonte: O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário