Nações aumentam importações de alimentos para recompor estoques

Publicado em 21/02/2011 15:33 e atualizado em 21/02/2011 16:55 810 exibições
Vários governos ao redor do mundo deverão aumentar seu papel nos mercados globais de alimentos e podem aumentar seus estoques e subsídios ou até mesmo impor restrições comerciais. O objetivo, segundo alguns traders, é evitar protestos como os que varreram o Oriente Médio.

"A melhor intervenção política na questão dos alimentos é esperar. Os governos terão o cuidado de tomar medidas que possam prevenir uma alta nos preços", disse Alan Winney, chairman do Emerald Group, da Austália.

Países da África à Ásia estão aumentando suas importações ou liberando volumes dos estoques dpmésticos como forma de conter a inflação já que a demanda aquecida e os problemas climáticos ao redor do mundo que atingiram as lavouras impulsionaram os preços a alcançarem patamares recordes.

"A inflação dos alimentos veio para ficar este ano frente à retração das reservas de cereais, grãos e soft commodities. Os governos terão de subsidiar" alguns produtos, como o açúcar, por exemplo, explicou Vijay Iyengar, diretor da Agrocorp International.

Os altos valores do trigo, do açúcar e dos produtos lácteos levou o Índice Mundial de Preços dos Alimentos para o mais alto patamar de todos os tempos em janeiro. Este salto nos números contribuiu para o surgimento de protestos na Tunísia, no Egito e em outras nações do Oriente Médio.

Rally do trigo

No dia 14 de fevereiro, os futuros do trigo negociados na Bolsa de Chicago atingiram seu maior preço desde agosto de 2008 - US$ 9,16/bushel. No ano passado, o grão teve alta de 66%, enquanto a soja subiu 43% e o milho 88%.

"A produção global de trigo pode não ser capaz de atender a demanda, acelerando ainda mais o avanço das cotações", disse o economista sênior da FAO, Abdolreza Abbassian.

Ainda de acordo com Abassian, a safra mundial de milho irá precisar de um acréscimo de 6% e a de trigo de 3 a 4% no ciclo 2011/12 para que os estoques globais possam ser, adequadamente, reabastecidos.

Os ministros de Finanças do G-20 sinalizaram sua preocupação com as pressões inflacionárias que a altas das commodities estão gerando. Segundo eles, o atual desenvolvimento dos preços cria desafios para ambos os lados: produtores e consumidores.

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Me parecia que somente a china estava preocupada em estocar alimentos nos ultimos anos,acho que a história do JOSÉ do Egito ,a das vacas magras, não foi lembrada nem mesmo no Egito,e o preço do kibe deve ter aumentado muito.Falando em Kibe e se a corrida do trigo começar?Nos brasileiros como é que estamos?Ainda bem que não perdi o prazer de uma boa POLENTA.

    0