Mataboi: Acrimat avalia que "batalha será longa"

Publicado em 15/04/2011 09:33 409 exibições
O juiz da Comarca de Araguari/MG homologou o pedido de recuperação judicial do grupo Mataboi S/A, no dia 06 de abril. "Agora é oficial e começa a correr os prazos", avisa o assessor jurídico da Acrimat, Armando Biancardini Candia, que participou da reunião com mais de 150 pessoas no Sindicato Rural de Rondonópolis/MT, ontem pela manhã. A reunião foi marcada pelos administradores da empresa com os pecuaristas credores e participaram os representantes do Sindicato dos Produtores Rurais de Rondonópolis, da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e da Associação dos Criadores do Sul de Mato Grosso.

Para a Acrimat "o Matoboi mostrou a cara e abriu uma porta para o diálogo, mas não apresentou nenhuma proposta, apenas disse que os pecuaristas são fornecedores estratégicos e que terão prioridade", disse Biancardini. Durante seu pronunciamento na reunião, ele enfatizou aos pecuaristas para se prepararem "para uma longa e árdua batalha, pois o caminho para um consenso não é fácil". Pela lei, o frigorífico tem 60 dias para apresentar o seu plano de recuperação judicial ao juiz encarregado.

O superintendente da Acrimat, Luciano Vacari, pediu para que "os proprietários do Mataboi ajam de maneira diferente dos demais frigoríficos e que não se utilizem das brechas dessa lei injusta para não honrarem seus compromissos com os pecuaristas". Vacari ressalta também, que os produtores procurem os sindicatos e a Acrimat para recebem orientação, "pois qualquer falha no processo pode prejudicá-los".

A assessoria jurídica da Acrimat vai se habilitar como interessado do processo para acompanhar de perto cada passo dos tramites, como aconteceu com as ações dos demais frigoríficos que entraram em recuperação judicial nos últimos dois anos. A orientação é para que os credores também se habilitem para participar do processo e verifiquem os reais créditos a que tem direito. A dívida total do Grupo Mataboi é de R$ 400 milhões sendo R$ 90 milhões com os pecuaristas de Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Tags:
Fonte:
Acrimat

0 comentário