Controle veterinário do Brasil novamente criticado por russos

Publicado em 18/08/2011 14:46 334 exibições
Serviço Federal diz que trabalho vem piorando gradualmente no país.
Em meio a uma negociação para acabar com o embargo às exportações de carnes de frigoríficos do Rio Grande do Sul, Paraná e de Mato Grosso, o governo russo divulgou nota dizendo que o nível de controle veterinário brasileiro tem “diminuído inaceitavelmente”. Segundo o vice-diretor do Serviço Federal de Fiscalização Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor), Yevgeny Nepoklonov, o trabalho do Brasil vem piorando gradualmente nos últimos anos.

A nota, divulgada no site do Rosselkhoznadzor, relata a conversa telefônica, ocorrida na semana passada, entre Nepoklonov e o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura (Mapa), Francisco Jardim. De acordo com o texto, a autoridade russa chamou a atenção de seu colega brasileiro para o fato de a cooperação entre o Mapa e as plantas frigoríficas ter sido apenas de caráter formal e restrito ao controle de documentação, ignorando a necessidade de fiscalização em cada unidade.

Nepoklonov observou, “com pesar”, que a qualidade dos serviços veterinários brasileiros em 2009 era “muito melhor” que é agora. Segundo ele, o nível mais alto foi atingido em 2007, quando especialistas russos vieram ao Brasil fiscalizar as remessas para seu país. Em razão da estreita cooperação com os inspetores brasileiros, eles conseguiram fazer seu próprio controle, com eficácia, durante algum tempo.

A nota ressalta ainda a preocupação do Rosselkhoznadzor com o fato de os materiais enviados pelas autoridades sanitárias brasileiras sobre a correção das deficiências apontadas não terem fornecido provas documentais de inspeções feitas em várias plantas. Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Agricultura informou que não vai comentar a nota do governo russo.

Desde o final de maio, quando os russos anunciaram o embargo às unidades exportadoras de carnes dos três estados, que entrou em vigor a partir de 15 de junho, as autoridades sanitárias dos dois países estão em constante negociação para resolver o caso. Desde então, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, anunciou a redução da lista de plantas habilitadas a exportar para a Rússia e o investimento de cerca de R$ 50 milhões para modernização dos laboratórios de análises. Os recursos, no entanto, ainda não foram liberados.

Tags:
Fonte:
Agência Brasil

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. João Olivi, os megalomaníacos do (des)governo, que propalam aos “quatro ventos”, que somos o maior exportador de carne do mundo !! ... como ?? ... se não temos ...NEM RESPONSABILIDADE ! ! em manter os procedimentos que garantam a “QUALIDADE SANITÁRIA ! “ do produto ofertado . Quem leu a carta de demissão e a retórica PMDBista , acham que os RUSSOS são mentirosos. A PF deveria analisar as propostas de prestação de serviços, de analises a proceder, em gêneros de origem animal para exportação . O QUE ESTAVA SENDO “ARQUITETADO” ! ! .... “ E VAMOS EM FRENTE ! ! ! “ ....

    0