Algodão: China deverá permanecer estocando a fibra em 2013, afirma NDCR

Publicado em 26/03/2013 11:59 e atualizado em 26/03/2013 12:35
524 exibições
De acordo com a funcionária do Departamento de Economia e Comércio da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDCR, sigla em inglês), Li Yan, a China permanecerá estocando algodão produzido internamente neste ano quando a nova safra chegar ao mercado. A medida faz parte de um incentivo do governo à produção doméstica da fibra. 

O governo também pretende anunciar em breve o novo preço de compra, conforme discurso feito pela executiva e divulgado no site da Associação de Algodão da China. Para sustentar as cotações no mercado interno, o país comprou algodão doméstico colhido em 2012 a 20.400 yuans/tonelada. 

Por outro lado, o setor têxtil chinês acredita que o programa de armazenagem do Governo é o responsável por inflar os valores do algodão, o que estreita as margens de lucros. No entanto, muitas empresas do setor precisam adquirir o produto dos estoques do país uma vez que não possuem cotas de importação. 

A nação asiática administra as importações de algodão por meio de emissão de cotas. As empresas que possuem cotas pagam tributos em torno de 1%, e as que não possuem são obrigadas a pagar impostos de importação de 40%. 

Segundo informações da Corporação Nacional de Reservas de Algodão, até a última segunda-feira (25) o governo chinês tinha 6,46 milhões de toneladas de pluma estocados. O volume representa cerca de 90% do total produzido no ano passado, conforme projeções da indústria. A estimativa é que a nação asiática conclua a estocagem do produto de 2012 até o final do mês de março.

Desde o início deste ano, o governo chinês iniciou a venda da fibra de safras passadas para atender a demanda interna das fábricas têxteis. Segundo dados contabilizados até a última segunda-feira (25), haviam sido vendidos 902.235 toneladas de algodão pelo governo, que pretende comercializar cerca de 4,5 milhões de toneladas através de leilões regulares. 

A tendência é que a partir de abril o governo passe a oferecer mais algodão das reservas com o objetivo de atender a demanda do setor têxtil do país, conforme afirma Li. Diariamente, a China oferece em torno de 80 mil toneladas do produto. 

No início do mês de fevereiro, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou o relatório de oferta e demanda, no qual, projetou que a China deverá colher 35 milhões de fardos de algodão neste ano. Já a produção mundial do produto deve totalizar 119,87 milhões de fardos.
Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário