Cultivares de algodoeiro tolerantes a herbicidas e resistentes a insetos

Publicado em 09/06/2014 08:10 483 exibições

O cultivo de algodão geneticamente modificado tem crescido em diversos países e hoje mais da metade do algodão plantado no mundo é transgênico. No Brasil, a liberação do primeiro evento transgênico ocorreu em 2005.

Os algodoeiros geneticamente modificados tornaram o controle de plantas daninhas mais simples e eficiente. No entanto, os produtores precisam ficar atentos para evitar o aparecimento de plantas daninhas resistentes a herbicidas. O pesquisador Alexandre Barcellos Ferreira explica que a principal estratégia de manejo de plantas daninhas na cotonicultura brasileira consiste no controle químico por meio do uso de herbicidas, porém, existem poucos herbicidas seletivos ao algodoeiro específicos para o controle em pós-emergência de plantas daninhas com folhas largas, o que às vezes limita o manejo químico.

Uma alternativa para facilitar o manejo da cultura e reduzir as aplicações de herbicidas é o desenvolvimento de cultivares tolerantes a herbicidas. Entre os algodoeiros transgênicos para herbicidas destacam-se os tolerantes ao glifosato e ao glufosinato de amônio. É importante usar diferentes herbicidas com distintos mecanismos de ação e, se possível, com efeito residual, além de rotacionar cultivos com culturas transgênicas e não-transgênicas.

Outro aspecto importante na cultura do algodão é o grande número de insetos-praga que são atraídos pelo algodoeiro e que precisam ser controlados, porque essas pragas podem prejudicar a produtividade. Entre as medidas mais utilizadas para conter os surtos de pragas está o controle químico, que representa em torno de 25% dos custos de produção da cultura. Em lavouras com cultivares transgênicas resistentes a insetos, são necessárias as áreas de refúgio, que consistem num percentual da lavoura com cultivares convencionais (não Bt), com o objetivo de possibilitar o acasalamento entre eventuais indivíduos (mariposas) resistentes ao evento com indivíduos (mariposas) suscetíveis ao evento (cultivar geneticamente modificada), permitindo uma maior longevidade da tecnologia de resistência a insetos.

Tags:
Fonte:
Embrapa

0 comentário