Nem chuvas abundantes salvarão do desastre a lavoura deste ano no RS

Publicado em 17/02/2012 11:10 e atualizado em 10/09/2013 16:07 912 exibições
por Polibio Braga, do RS

Nem chuvas abundantes salvarão do desastre a lavoura deste ano no RS

São irreversíveis as perdas de 5 milhões de toneladas na safra gaúcha de soja deste ano, que ficará nos atuais 7,5 milhões de toneladas caso a seca não persista.

. São US$ 2,5 bilhões em valores de hoje.

. A própria Conab já admitiu no seu quinto relatório sobre as safras de grãos (soja, milho, trigo, arroz e feijão) que os gaúchos terão perdas de 7 milhões de toneladas este ano, já que a produção total cairá de 28,8 milhões de toneladas (2011) para 21,8 milhões de toneladas. 

. Com base em dados levantados junto aos grandes produtores de milho e soja, o editor reafirma as notas anteriores sobre perdas equivalentes a 9 milhões de toneladas. 

- O chamado complexo agribusiness responde por 45% do PIB do RS. As perdas desta safra que começa a ser colhida, serão de 24,4% segundo a Conab e de 30% de acordo com o editor, comprometendo o crescimento da renda estadual deste ano. As perdas já são irreversíveis nas safras de soja, milho e arroz. A Fiergs calcula que o PIB deste ano já foi para zero por cento de crescimento

- As previsões de chuva para a semana que vem não alteram o que já está perdido.

CEEE está a beira de um colapso no fornecimento de energia. Consumo chegou perto do teto de 6,1 megawatts. A partir daí, saem apagões

Consumo bate O sistema de acumulação, transmissão e distribuição de energia elétrica no RS por pouco não entrou em colapso nesta quinta-feira, já que o consumo chegou a casa dos 6 megawats, apenas alguns pontos abaixo do teto suportável de 6,1 megawats. 

. O teto poderá ser ultrapassado a qualquer momento e neste caso será impossível conter apagões de muito maior monta do que os “apagões” seletivos aplicados em todo o Estado por CEEE, AES e RGE. 

. Isto seria fatal para a produção industrial. 

- Em Porto Alegre, área monopolizada pela distribuidora da CEEE, os cortes de energia deixam os consumidores à beira de um ataque de nervos. O editor constatou problemas terríveis de abastecimento em vários b airros da cidade, com ênfase para Santa Terezinha. Em apenas dez dias, moradores e comerciantes da rua Castro Alves tiveram a energia cortada por quatro vezes seguida – por várias horas. Nesta quarta-feira, cabos e fios romperam, pegaram fogo e mobilizaram equipes de até 20 homens da CEEE e da EPTC.

Tags:
Fonte:
Blog Polibio Braga

0 comentário