PT prepara uma grande festa em homenagem à sogra de Kim Jong-Lula!

Publicado em 16/03/2012 09:56 e atualizado em 09/08/2013 15:10 826 exibições
por Reinaldo Azevedo, de veja.com.br

Li a notícia uma vez. Não confiei no que havia entendido. O dia ontem foi um pouco confuso. Li de novo. Era aquilo mesmo! Os petistas estão organizando uma grande festa de pré-lançamento da campanha de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo na cidade de… São Bernardo! Creio eu que nunca se viu isso antes na história destepaiz, pois não? Leiam trecho do que informa Fernando Gallo, no Estadão Online. Volto em seguida.

*
Para tentar reagir à apatia da direção nacional do PT e ao imobilismo do governo federal em relação à pré-candidatura de Fernando Haddad (PT), o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Luiz Marinho, braço operacional do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, articula para integrar publicamente à pré-campanha a senadora Marta Suplicy (PT), o ministro Aloizio Mercadante e próprio Lula. Para fazer um ato robusto em prol de Haddad, Marinho convidou os três para a inauguração do primeiro Centro de Educação Unificado (CEU) de São Bernardo, no dia 14 de abril. O evento deverá contar ainda com a mulher de Lula, Marisa Letícia, cuja mãe, Regina Rocco Casa, já falecida, dará nome ao centro.

O objetivo do evento é dar uma demonstração de força da pré-candidatura que, além de não ter podido contar com Lula, doente, nem com tempo de TV que ajude a tornar Haddad conhecido, vem sendo torpedeada pelos partidos da base aliada ao governo federal, que recusam apoiar o ex-ministro até que a presidente Dilma Rousseff atenda a seus pleitos. Marta, afagada com o gesto do prefeito que insistiu em manter a nomenclatura CEU, vitrine da gestão da senadora à frente da Prefeitura paulistana, já aceitou o convite. Deve ser sua primeira agenda pública com Haddad desde que foi pressionada a deixar a prévia petista. Desde então, vem sendo instada a fazer gestos em favor de Haddad, sobretudo para conquistar para o pré-candidato os votos da periferia da cidade, onde ela foi bem votada nas duas últimas eleições municipais. Mercadante também já deu sinais ao prefeito de que aceitará o convite.
(…)

Voltei
Entendi! O objetivo é “dar uma demonstração de força” fazendo a pajelança… em São Bernardo!!! Eis a evidência de que São Paulo é um mero instrumento da luta do PT para tomar São Paulo — não a cidade, mas o estado. Não se trata, como se vê, de uma disputa na capital, mas de uma luta maior. Ah, sim! A população de São Bernardo tem o direito de saber: Luiz Marinho já é pré-candidato do PT ao governo estadual. Se reeleito, vai deixar a Prefeitura. Já que os petistas gostam desse tema… Quem votar em Marinho estará tentando eleger seu vice. Trata-se também do seu primeiro comício para 2014.

E uma nota sobre o nome que vai batizar o CEU. Já escrevi algumas vezes que o PT fundou uma nova aristocracia. Dona Lindu, a mãe de Lula, é nome de um parque em Recife. Por quê? Ora, porque é mãe do filho! Não basta? Agora, a progenitora de Maria Letícia também será homenageada. Por seu trabalho em favor da educação? Não! Por ter dado à luz a mulher de Kim Jong-Lula, o nosso Estimado Líder.

Por Reinaldo Azevedo

 

O PT piorou o que já era ruim. Ou: Um país com este modelo está pedindo para ser assaltado. E é!

Comecemos do começo: quem ganha a eleição quer governar. É a regra do jogo! No mundo inteiro, presidentes e primeiros-ministros nomeiam pessoas de sua base política para cargos de confiança. Então o que há de errado com o Brasil? Um monte de coisa. Em primeiro lugar, o número de cargos que são da livre escolha de quem governa: mais de 24 mil só no governo federal — fora as autarquias, estatais, fundos de pensão de empresas públicas etc. Vamos comparar? Nos EUA, há 9 mil — já é um escândalo! No Reino Unido, são 300; na Alemanha, 170. É evidente que esses países têm, portanto, uma primeira barreira — estabelecida pela própria legislação — que dificulta o assalto aos cofres públicos, além, claro!, da rigidez da lei com quem é pego com a boca na botija.

Os petistas, é verdade, herdaram essa legislação de governos passados. Tentaram corrigi-la? Ao contrário: aumentaram o número de cargos de confiança! E ainda lamentaram as privatizações feitas pelo governo FHC. Afinal, imaginem quantos companheiros deixaram de ser empregados nas telefônicas, na Vale, na Embraer, nas empresas elétricas etc.

Assim, até que não se reduza drasticamente esse número de cargos de confiança, dificilmente a administração será realmente profissionalizada, e a política, moralizada. Legendas se grudam a este ou àquele candidato não para ver implementadas as suas teses, a sua visão de mundo, as suas propostas. Querem cargos. O senador Blairo Maggi (PR-MT) foi de uma sinceridade quase angelical e pôs a nu o sistema. Em outras palavras, disse o seguinte: “Temos sete senadores e nenhum ministério; se o governo quer os nossos votos, tem de nos dar a compensação; é assim que o modelo funciona”. E ele estava mentindo?

Já perguntei em outro texto e indago de novo: por que um partido faz tanta questão de ter a diretoria financeira de uma estatal? É evidente que esses milhares de agentes partidários que tomam a administração vão se encarregar, no poder — e lidando com dinheiro público — do fortalecimento dos esquemas que representam. O povo que se dane!. Ministérios, estatais, autarquias etc.  servem aos partidos como fonte de caixa — além, como se sabe, de atrair notórios ladrões.

Partidos
Essa ocupação do estado por partidos induz, é evidente, a formação de… partidos! Grupos se organizam, então, para criar legendas porque sabem que isso lhes dará poder de negociação. Existem 29 partidos legalizados no país. Há ainda alguns com registro apenas em TREs. Há nada menos de 32 outros em formação. Sei que vem chiadeira, mas é fato: esse número é evidência de atraso político e sinal de que alguma coisa errada está em curso. As grandes democracias do mundo ou são, na prática, bipartidárias ou contam, no máximo, com uma terceira força. Sim, queridos, se vocês forem pesquisar, encontrarão uma lista imensa de legendas de papel nos EUA — passam de 70! Veem-se bizarrices como o Partido Multiculturalista de Illinois e o Partido da Escolha Pessoal. Mas só dois têm condições de chegar ao poder; na Alemanha, três. Nas democracias organizadas, inexistem essas legendas com força para chantagear o governo em razão do tal “presidencialismo de coalizão”. É bem verdade que Republicanos e Democratas têm, cada um segundo seus marcos, as suas respectivas alas direita e esquerda e o centro. Mas os ministérios — ou secretarias — não são loteados segundo essa lógica.

Então cabe uma pergunta: por que o Brasil conta com tantos partidos — uns 10 — com poder de fogo real para criar dificuldades para Executivo e lhe vender facilidades? Por causa, se quiserem saber, do paternalismo da legislação. Poucos se lembram, mas é fato: uma vez legalizado, o partido já passa a ter acesso a um fundo, que é dinheiro público. Vira cartório! Ganha o direito também ao horário político gratuito, e lá vemos a TV ser invadida por aqueles senhores de cabelo acaju e bigodes mais negros do que as asas da graúna a dizer sandices.

E há o mais perverso dos fatores de desestruturação da vida político-partidária: o horário eleitoral gratuito. Trata-se de uma excrescência autoritária e cara. Nada tem de gratuito porque as emissoras são compensadas. Sob o pretexto de dar uso público a uma concessão também pública (os rádios e as TVs), cria-se o riquíssimo mercado da venda do horário de TV. O PMDB não custa tão caro a cada eleição porque os candidatos estão interessados em seu, sei lá como chamar, aporte ético! Sim, o partido está organizado no país inteiro, tem uma enorme rede de influência e tal, mas o que se busca mesmo são os seus preciosos minutos.

Outro viés da crise
Isso tudo torna o ambiente político quase irrespirável. Esses elementos estão na raiz da crise vivida pela presidente Dilma. Neste ponto, alguém poderia perguntar: “Mas não é assim com todo mundo? Por que essa barafunda agora? Já não era assim nos governos Lula e FHC?” Vamos ver.

É claro que FHC distribuiu cargos também — no seu último ano de governo, eram 18.374; a companheirada achou pouco! O PT é tão autoritário, tem tal viés totalitário, que desestabiliza mesmo o sistema de loteamento. Os peemedebistas, do ponto de vista da lógica desse sistema perverso, têm razão de reclamar: os seus “parceiros” estão sempre nos seus calcanhares. Um peemedebista até pode estar no comando de uma pasta, mas o segundo escalão é quase sempre ocupado pela turma da estrela. E há, escrevi ontem a respeito, a incompetência pura e simples. Com Lula, a chance de crispação era menor porque ele tinha o que Dilma não tem: domínio da máquina partidária. Bastava um peemedebista reclamar de alguma inconveniência dos petistas, e o chefão dava um jeito. Dilma manda no PT menos do que eu…

Encerrando
Por isso, é uma bobagem essa história de que a base aliada está rebelada porque Dilma está tentando moralizar o poder. Aliás, em algum lugar, li que Fernando Haddad teria se saído com essa. A ser assim, está dizendo o quê? Lula optava pela imoralidade? O caso é bem outro. O petismo piorou o que já era perverso: um país que tem esse número de cargos de confiança — imaginem se contarmos todos os governos estaduais, todas as prefeituras, estatais e autarquias não-federais… — está pedindo para ser assaltado e estimulando a pistolagem partidária. Na gestão desse modelo, Dilma está perdida porque não conseguiu controlar os “companheiros”, que não aceitam dividir o butim, conforme o  combinado.

Por Reinaldo Azevedo

 

Oba! Os petralhas já podem torrar a paciência do Advogado Geral da União, que critica ações contra militares

Ah, então não sou só eu? O Advogado Geral da União também acha imprópria a ação daqueles procuradores doidivanas que querem rever a Lei da Anistia? Os petralhas e malucos de plantão que vão lá, então, encher o saco dele, não é? Um Advogado Geral da União é a visão jurídica do governo. Só falta, agora, a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) se conformar em seguir a lei. Cabe a Dilma dar a ordem.
*
Por Valdo Cruz e Felipe Seligman, na Folha: 
O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que não são “adequadas” nem “devem render frutos” as ações do Ministério Público Federal para processar militares que atuaram nas operações contra militantes políticos durante a Guerrilha do Araguaia (1972-1975). “O esforço do Ministério Público não vai render os frutos que eles pretendem”, disse. Segundo ele, as “ações não são adequadas porque estão violando entendimento do Supremo Tribunal Federal”. Em 2010, o STF decidiu que a Lei de Anistia, editada em 1979, não pode ser alterada para permitir a punição de militares torturadores.

Na opinião de Adams, não “deve prevalecer” nem mesmo a nova tese levantada na denúncia criminal contra o coronel Sebastião Curió, na qual é acusado de praticar sequestros no Araguaia. As declarações de Adams sinalizam a posição jurídica do governo sobre o tema, contrastando com afirmações feitas à imprensa pela ministra Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos), que disse ser favorável à abertura de inquérito contra o coronel Curió, solicitada pelo Ministério Público Federal na Justiça de Marabá (PA). Embasado em decisões anteriores do próprio STF, em dois casos de extradição de militares argentinos, o Ministério Público entrou com ação contra Curió sob o argumento de que o crime de sequestro é permanente, ou seja, só deixa de ser cometido quanto a vítima é encontrada.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

Até agora, são 1238 os militares que assinam protesto — 112 oficiais-generais

Os respectivos Comandos das Forças Armadas teriam certa dificuldade em cumprir as “ordens” do ministro Celso Amorim (Defesa) e da presidente Dilma Rousseff e punir os militares da reserva que são signatários do documento Eles que venham. Por aqui não passarão. Em primeiro lugar, autoridade que dá uma ordem contra a lei — e é o caso — está pedindo que ela não seja cumprida. E a lei garante àqueles militares o direito de se manifestar. Em segundo lugar, a sanha punitiva fez com que as assinaturas se multiplicassem

Quando a dupla decidiu dar o murro na mesa, apenas 98 pessoas assinavam o texto — 13 delas oficiais-generais. Agora, já são 1238 militares, assim distribuídos (balanço da 0h45 de ontem): 112 oficiais-generais, 693 coronéis, 176 tenentes-coronéis, 35 majores, 94 capitães, 123 tenentes e 5 aspirantes. O texto conta ainda com a adesão de 788 civis, sendo um desembargados e dois parlamentares.

Pois é… Além de a lei amparar, sem sombra de dúvida, o protesto, existem as regras para as punições — ainda que uma simples advertência. Os códigos militares garantem o amplo direito de defesa. Seria necessário criar forças-tarefas só pra esse fim. E os punidos sempre poderiam recorrer à Justiça. Quem decidisse levar a coisa adiante chegaria ao Supremo. E tudo por quê?
- porque Maria do Rosário, ministra dos Direitos Humanos, decidiu não acatar a lei — no caso, a da Anistia (e reitera na prática);
- porque a própria Dilma e Amorim decidiram não cumprir a lei — no caso, a que garante aos militares da reserva o direito de se manifestar.

Dada a cadeia de irresponsabilidades, joga-se, então, a bomba no colo dos comandantes das três Forças, muito especialmente no do Exército, que concentra a maior parte das assinaturas? Ora, tenham a paciência!

E, claro!, o Ministério Público também cumpre a sua parte no estímulo para que essa lista se adense.

Por Reinaldo Azevedo

 

A Comissão da Verdade é revanchista, sim!

De todas as tolices que se dizem sobre a tal “Comissão da Verdade”, a maior delas é a que sustenta que ela não tem nada a ver com revanchismo. Ora… Trata-se de revanche, sim, ainda que ela se situe no terreno da pura narrativa. As pessoas diretamente envolvidas com essa comissão já deixaram mais do que claro que se trata de contar a história segundo a ótica das esquerdas. Como elas perderam aquele confronto — curiosamente, só chegaram ao poder por meio do método que rejeitavam: as “eleições burguesas”!!! —, tentam agora vencer a outra luta: a do “bem” (elas) contra o “mal” (os outros).

O nome disso é revanche. A ideia de que o Estado defina uma “verdade” oficial, diga-se, já é de um autoritarismo escandaloso. O país é livre. As universidades são autônomas. Os historiadores podem trabalhar à vontade. Por que há de ser o aparelho estatal a dizer “a” verdade? O fato de a academia — com raras e honrosas exceções — não reagir ao estabelecimento de uma “verdade oficial” e apoiar a iniciativa dá conta da indigência intelectual média da turma. Sigamos.

Essa Comissão da Verdade não resiste a algumas indagações básicas.
1 - Vai reconstituir, no detalhe, o assassinato do soldado do Exército Mário Kozel Filho, morto a 11 dias de completar 19 anos? Serão listados os participantes do atentado que o matou e os chefes das organizações terroristas?
2 - Serão reconstituídos as últimas horas de vida do tenente da Polícia Militar Alberto Mendes Júnior, que teve o crânio esmagado a coronhadas por Carlos Lamarca e seu bando?
3 - Vão reconstituir, em suma, as circunstâncias da morte de pelos menos 119 pessoas, assassinadas por grupos de extrema esquerda?
4 - Terá a comissão a coragem de contar também esse lado da “verdade”, indicando, reitero, os nomes dos chefes dessas operações — e Dilma Rousseff foi, sim, dirigente de duas organizações que mataram pessoas?
5 - A comissão será independente o bastante para demonstrar que a maioria desses mortos não tinha nem mesmo ligação com a luta política?

As minhas perguntas são meramente retóricas porque eu já sei a resposta. Ora, se o objetivo da Comissão da Verdade é reconstituir a história segundo o exclusivo ponto de vista da esquerda, partindo das premissas falsas de que os terroristas de então queriam democracia e só optaram pela luta armada porque não tinham uma alternativa, não é Comissão da Verdade, mas da mentira;  não é aposta na pacificação, mas na revanche.

Os xingamentos todos eu já conheço; espero contra-argumentos.

Por Reinaldo Azevedo

 

A revisão da Lei da Anistia e os extremistas do sucrilho e do Toddynho. Ou: Comissão da Vingança ignora a construção da democracia. Ou: Um recado àquele…

Um idiota truculento tentou ferrar a minha vida quando eu tinha 15 anos. Eu era, sim, ligado a um grupo de esquerda. Mas fui, vamos dizer, “descoberto” por causa de um concurso de redação, que venci — presente: uma Enciclopédia Barsa! Os mais jovens não têm noção do que é isso em tempos pré-Google (e ponham “pré” nisso…). O tema era o Dia da Árvore e a preservação da natureza. Fiz lá um texto alegórico — eu o tenho ainda, mas fica para as memórias, hehe… —, que era, na verdade, uma espécie de manifesto contra a ditadura; a árvore e a natureza viraram meros pretextos. Na comissão julgadora, havia um professor ligado o Dops. E a coisa engrossou. Eu era o pivô da perseguição, mas ele mirava mesmo era o colégio estadual em que eu estudava, onde julgava haver um núcleo subversivo. De fato, havia militantes de esquerda entre os professores — mas não me engajei por intermédio deles, não. Estamos falando do ano de 1976. A dita ainda era muito dura.

Não tenho razões pessoais — muito pelo contrário — para ter simpatias pelo “regime”, pela “ditadura” ou para “defender torturadores”, como querem alguns cretinos que não lutaram contra porcaria nenhuma. Não lutam nem contra a própria ignorância histórica. São radicais do sucrilho e do toddynho, como os chamo, influenciados pela “petização” da educação. O PT é uma derivação, vamos dizer, teratológica da própria esquerda. Esta chegou a reunir, sim, intelectuais de peso. Ainda que pudessem estar essencialmente enganados sobre muita coisa e cultivassem uma ética torta, tinham ao menos informação. O petismo educacional é o elogio da ignorância. Os alunos são estimulados a ficar do “lado certo da história”, não a estudar. Já me defrontei aqui e ali com esses tipos num debate ou outro. Ignoram os textos básicos do pensamento de que se dizem procuradores. É uma lástima!

Também não passei a admirar os meus algozes, não. Tampouco mudei de lado! Se quiserem, mudei, sim, de perspectiva, e já faz tempo!, e escolhi a democracia — e isso é inegociável. Querem saber onde estão as 136 pessoas desaparecidas, prováveis vítimas da repressão? Eu apoio a iniciativa. É preciso uma Comissão da Verdade pra isso? É evidente que não! Rejeito que se use uma reconstituição parcial da história para, a um só tempo, mentir sobre o passado e reforçar posições de determinadas correntes ideológicas no presente. E rejeito justamente porque tal prática não cabe na democracia — aquela que abracei.

Já lembrei aqui: a honestidade intelectual doeu, por exemplo, mais no ex-ministro do Supremo Eros Grau do que em mim. Ele foi preso e torturado. Eu não fui — embora eu sinta ainda hoje um profundo ódio daqueles canalhas que não viram mal nenhum em perseguir um garoto. Mesmo assim, Grau fez uma candente defesa do alcance da Lei da Anistia, demonstrando — ao lado de outros ministros, como Gilmar Mendes e Celso de Mello, por exemplo — que ignorá-la significaria fraudar os fundamentos do estado democrático e de direito.

Assim, não me venham alguns tontos e tontas, que não têm a menor noção do que significa, de fato, combater um regime autoritário tirar o traseiro do sofá para apontar o dedo acusatório. Trata-se de uma combinação asquerosa de covardias. É covarde porque miram em inimigos que não podem reagir — pudessem, é provável que os valentes de agora  estivessem em silêncio. É covarde porque é a democracia que não construíram que lhe faculta tal prática. E essa democracia que não construíram só existe porque pactos políticos, tornados história, foram feitos e incorporados ao processo de pacificação do país.

Eu não perdoei aquele idiota que me perseguiu e me pôs sob um sério risco. Faço as contas aqui. Talvez esteja morto. Se não estiver, uma saudação pra ele: “Vá à merda!” Mas o processo político o anistiou — sei lá que outras barbaridades ele aprontou. Como anistiou os que comandavam grupos que assaltavam bancos ou executavam pessoas em nome da “causa”.

Esses que agora se querem defensores da “Comissão da Verdade” e meia-dúzia de procuradores que têm a ousadia de desrespeitar a lei, ademais, se querem os donos da história; acham que podem privatizar o passado do país para definir “a” verdade. Que boa parte desses radicais estouvados não tenha vivido aqueles dias, isso é evidente — e a juventude, observo com humor, é um mal que invejo, mas que tem cura e é perdoável. Que apostem, no entanto, na depredação do estado de direito, ah, isso é imperdoável!

Por Reinaldo Azevedo

 

Nem no Regime Militar os “milicos” estiveram tão presentes no dia a dia dos brasileiros

Por Reinaldo Azevedo

Nem durante o regime militar estes que muitos gostam de chamar “milicos” estiveram tão presentes no dia a dia da população. Recebi de um amigo um texto interessante — não estou certo se é um desses que circulam na Internet sem autoria. O fato é que está cheio de verdades. Como há um trecho na primeira pessoa do plural, deve ter sido redigido por um militar. Leiam! Volto em seguida.

A PF não quer ir pra fronteira porque a diária é pouca? Chamem os milicos.
A PM não quer subir o morro porque é perigoso? Chamem os milicos.
A PM faz greve porque o salário é baixo? Chamem os milicos.
A Anvisa não quer inspecionar gado no campo? Chamem os milicos.
O Ibama não dá conta de fiscalizar os desmatamentos? Chamem os milicos.
Os corruptos ganham milhões e não constroem as estradas? Chamem os milicos.
As chuvas destroem cidades? Chamem os milicos.
Caiu avião no mar ou na selva? Chamem os milicos.
Em caso de calamidades públicas, a Defesa Civil não resolve? Chamem os milicos.
Desabrigados? Chamem os milicos.
A dengue ataca? Chamem os milicos.
O Carnaval, o Ano Novo ou qualquer festa tem pouca segurança? Chamem os milicos.
Certeza de eleições livres? Chamem os milicos.
Presidentes, primeiros-ministros e visitantes importantes de outros países? Chamem os milicos.

Adicional noturno? Não temos!
Periculosidade? Não temos!
Escalas de 24 por 72 horas? Não temos!
Hora extra, PIS, PASEP? Não temos!
Residência fixa? Não temos!
Certeza de descanso no fim de semana? Não temos!
Salário adequado? Não temos!

Acatar todas as ordens para fazer tudo isso e muito mais, ficando longe de nossas famílias, chama-se respeito à hierarquia.
Aceitar tudo isso porque amamos o que fazemos chama-se disciplina.

Quer conhecer alguém que ama o Brasil acima de tudo? Chame um milico!

Voltei
É isso aí! Está em curso, apelando a flagrantes ilegalidades, uma campanha que resulta em óbvia tentativa de desmoralizar as Forças Armadas. Em nome da disciplina, os militares da ativa estão proibidos de se manifestar. Os da reserva, que podem falar (porque amparados em lei), encontram-se sob o assédio de um surto de autoritarismo. De fato, as Forças Armadas estão presentes em todos aqueles eventos, alguns nascidos da mais escancarada incúria de governos civis.

Alguns bobalhões, ao fazer a defesa da revanche, ignorando leis e decisão do Supremo, tentam inculcar nos militares da ativa certa aversão aos da reserva — “afinal, os que estão aí hoje não participaram de 64″, argumentam… É preciso desconhecer o básico da história dos militares do Brasil e do mundo para tornar público argumento tão cretino. Ai do país que tivesse Forças Armadas sem o sentido da lealdade!

Tenho uma idéia melhor: CUMPRIR AS LEIS!

 

MEC, então sob o comando de Haddad, sabia desde 2009 de esquema da Unip para distorcer resultados do provão. E não fez nada

Por Cedê Silva. no Estadão:
O Ministério da Educação recebeu e respondeu em maio de 2009 a uma denúncia de que a Universidade Paulista (Unip) selecionaria seus melhores alunos para fazer o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), obrigatório para todos os convocados. A pasta apura agora por que não tomou providências à época.

Estudantes de Direito da Unip de São José dos Campos enviaram à Ouvidora do MEC, em 19 de maio de 2009, um e-mail com a mensagem de que lá havia “uma regra de não passar para o próximo semestre toda a sala com intuito de não fazer o Enade, devido às péssimas notas e falta de preparação desses alunos”. Seis dias depois, a Secretaria de Educação Superior respondeu que procedimentos como dependências e critérios de avaliação “são de autonomia da instituição”. O e-mail da secretaria nem menciona o Enade.

A bacharel em Direito Roberta Costa, de 29 anos, estava à época no 9.º semestre do curso, e portanto faria o Enade no fim do ano. Segundo ela, professores de pelo menos três disciplinas cobraram em provas conteúdo do semestre seguinte, com o objetivo de reprovar um grande número de alunos. Desta forma, os alunos não completariam carga horária suficiente para serem convocados para o Enade. “No turno da noite, cerca de 50 alunos tomaram bomba e apenas 3 fizeram o Enade”, contou. Ao contrário de suas expectativas, porém, os alunos não tiveram de refazer as disciplinas no ano seguinte. Em abril de 2010, sem refazer as provas e sem frequentar aulas desde o fim do ano anterior, todos receberam os diplomas.

Depois da resposta do MEC por e-mail, estudantes da Unip, Roberta inclusive, reuniram-se com dois servidores da pasta em São Paulo, em 19 de junho de 2009. A identidade da servidora não foi confirmada ontem pelo MEC. De acordo com Roberta, o outro servidor (na foto de costas, próximo à porta) estava bem pessimista sobre resultados da reunião. “Isso aí não vai para a frente”, teria dito ele, segundo a ex-aluna. “Esquece, não vai dar certo”. Procurada, a Unip disse desconhecer a reunião de estudantes com servidores do MEC.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

16/03/2012 às 6:55

Haddad participou de criação de taxas no governo Marta

Por Bernardo Mello Franco, na Folha:
O pré-candidato Fernando Haddad (PT), que prometeu abolir a taxa de inspeção veicular em São Paulo, ajudou a criar as taxas do lixo e de iluminação na gestão da ex-prefeita Marta Suplicy (2001-04). Na época, ele também foi escalado para convencer os vereadores a aprovar os tributos, que levaram a oposição a apelidar a ex-prefeita Marta Suplicy de “Martaxa” e contribuíram para suas derrotas nas últimas eleições municipais.

Mestre em economia pela USP, Haddad participou da formulação da reforma tributária da gestão petista, aprovada no fim de 2002. Era chefe de gabinete do então secretário de Finanças, João Sayad. Ao defender a criação dos tributos de Marta, o atual pré-candidato sustentava que “cobrar uma taxa por um serviço efetivamente prestado” era “socialmente correto e justo” por onerar apenas os usuários desse serviço, e não todos os contribuintes.

“É muito melhor (…) introduzir as taxas em correspondência com o serviço prestado do que ir em outra direção”, disse em 2002, segundo transcrição de audiência nos arquivos da Câmara. A decisão atual de prometer o fim da taxa de inspeção veicular foi tomada em reunião do comando da pré-campanha de Haddad com o publicitário João Santana, que fará sua propaganda eleitoral.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

16/03/2012 às 6:53

Até os petistas querem que Ideli volte para o Ministério da Piaba!

Por Simone Iglesias, Maria Cabral e Gabriela Guerreiro, na Folha:
A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) passou a ser alvo de setores da base governista descontentes com o Palácio do Planalto. Senadores e deputados, principalmente do PT e do PMDB, planejam nos bastidores ações para desestabilizar a ministra, que é a responsável pela articulação do Executivo com o Congresso. Os críticos de Ideli, que é senadora licenciada, reclamam do que chamam de estilo “truculento” e “intransigente” que, segundo eles, tenta impor vontades do governo sem permitir o diálogo.

A ideia desse grupo é colocar na pauta de votações assuntos que não interessam ao governo, além de tentar paralisar o andamento de projetos de seu interesse. Há nove meses no cargo, Ideli assumiu o ministério prometendo diálogo, acesso ao Planalto, liberação de verbas das emendas ao Orçamento e nomeação de aliados a cargos federais. O governo, no entanto, fechou o cofre e fez poucas nomeações. Sobre o estilo de Ideli, deputados relatam que nas reuniões para discutir o Código Florestal, por exemplo, ela disse que quer ver o “extrato” da votação para saber quem da base está a favor e contra o governo.

Anteontem, a ministra se reuniu com os partidos aliados. Peemedebistas deixaram o encontro dizendo que não há mais diálogo. “A ministra não pode vir impor a sua vontade. Ela disse que só vota o Código [Florestal] se for do jeito que o governo quer. Se não votar, paramos tudo”, disse Sandro Mabel (PMDB-GO). No Senado, a ameaça são as CPIs. Insatisfeito por não ter emplacado um indicado no comando do Ministério dos Transportes, o PR anunciou que esta na oposição.Caso isso se concretize -o PR já manifestou antes sinais de independência, mas sem que isso ocorresse na prática-, a oposição contará com 25 dos 81 senadores. CPIs precisam de 27 assinaturas.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

16/03/2012 às 6:51

Demóstenes recebeu telefone antigrampo de empresário do jogo

Por Fernando Mello e Leandro Colon, na Folha:
Relatório do Ministério Público Federal aponta que o grupo comandado pelo empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso no mês passado, entregou telefones antigrampos para políticos.Entre eles, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que admitiu à Folha ter recebido o aparelho, e Cláudio Monteiro, chefe de gabinete do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que nega. O objetivo, diz o Ministério Público, seria dificultar eventuais investigações.

A informação faz parte da Operação Monte Carlo, deflagrada no mês passado, que levou 31 pessoas à prisão por acusação de exploração de máquinas de caça-níquel. Segundo o advogado de Demóstenes, Antonio Carlos de Almeida Castro, o senador recebeu o rádio de Cachoeira, que havia retornado de uma viagem aos Estados Unidos. Kakay afirma que Cachoeira pediu que Demóstenes usasse esse aparelho para conversar com ele, o que ocorreu durante oito meses. “Não há nenhuma ilegalidade”, diz o advogado.

GRAMPO
A Procuradoria afirma que os telefones eram distribuídos a “membros do grupo criminoso” com base em conversa captada entre Cachoeira e Idalberto Matias, o Dadá, ex-agente da Aeronáutica.~Cachoeira e Dadá falam sobre aparelhos que seriam distribuídos por Cláudio Abreu, diretor da Delta Construção e apontado como sócio oculto de Cachoeira, de acordo com a investigação.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

15/03/2012 às 19:21

Este é um governo que fala grosso com os EUA e fino com a Fifa

Vocês certamente se lembram de uma frase do Chico Jabuti durante a campanha eleitoral. Segundo ele, votava em Dilma porque não queria um governo que falasse grosso com a Bolívia e o Paraguai e fino com os EUA. E depois há quem queira negar que esse rapaz seja um poeta… É preciso muita má fé! Pois bem! Elegemos um governo que fala grosso com os EUA e fino com a Fifa! E ainda há quem queira negar o avanço óbvio.

A confusão no que respeita à venda de bebidas alcoólicas nos estádios é uma piada grotesca, mais uma evidência de um governo cujo comando não funciona. Apesar de ter a maior base parlamentar do Ocidente - só deve perder para Raúl Castro (até Chávez enfrenta mais oposicionistas no Parlamento do que Dilma) -, o governo vive na base do susto. Como não sabe para onde vai, todos os caminhos se mostram errados…

Quando Lula “autorizou”, contra a lei, a venda da Brasil Telecom para a Oi - o que foi excelente para Daniel Dantas, que o JEG jurava ser inimigo do governo (que piada!) -, operação financiada pelo BNDES, cravei a frase que está no livro “Máximas de Um País Mínimo”: “Nas democracias, os negócios são feitos de acordo com as leis; no Brasil, as leis são feitas de acordo com os negócios”. O modelo de bom selvagem dos intelectuais de esquerda do complexo PUCUSP descobriu, enfim, as delícias do… capitalismo selvagem!

Pois bem! Bebidas alcoólicas são proibidas nos estádios brasileiros - menos nos jogos da Copa porque, afinal, isso estava combinado com a Fifa. No Brasil, existem leis que garantem a meia-entrada para estudantes e idosos. Sou contra as duas, deixo claro! Mas existem. No caso dos estudantes, a tal lei geral dá um jeito de driblar a exigência, colocando-a como parte dos chamados “ingressos sociais”, que vão atender aos pobres.  É truque. Ocorre que o país tem de suspender a vigência dessas duas leis porque isso também estaria combinado com a Fifa.

Atenção! Governo nenhum tem autorização para celebrar acordos, com outros países ou com entidades privadas, como é a Fifa, que contrariem a nossa legislação. Consultem quem vocês quiserem. Eles são nulos por natureza. Sou um legalista. Posso até achar estúpidas algumas leis, mas são as que temos. O pior de tudo é que não estamos nem mesmo mudando a legislação em caráter permanente para, então, fazer os jogos da Copa! Não! Teremos uma lei ad hoc, só para atender à Fifa.  Depois o governo volta a falar grosso com a brasileirada. Por enquanto, leva pontapé no traseiro e faz o que o nhonhô manda.

Por Reinaldo Azevedo

 

A inteira natureza da crise do governo Dilma. Ou: Mentiras influentes e verdades sem prestígio. OU: Chega de conversa mole! Este governo é muito ruim!

Vamos lá. Um texto longo. Mas acho que, ao fim, muita coisa estará mais clara.

O cineasta Arnaldo Jabor resolveu fazer um pequeno texto de ficção ontem, noJornal da Globo, ao comentar a crise do governo Dilma com a base aliada, especialmente a decisão do PR de “deixar a base aliada” a menos que…  Segundo ele, tudo não passa de chantagem. A presidente estaria aí, disposta a fazer a coisa certa, tentando romper com os maus hábitos que herdou do lulismo. O Marciano que chegou ontem à Terra, coitado!, ficou certamente com a impressão de que um partido de oposição a Lula tomou posse em janeiro de 2011. E não foi assim. Na equação jaboriana, essa Dilma não é aquela que nomeou, na semana retrasada, Marcelo Crivella ministro da… Pesca! A solenidade de posse até rendeu metáforas de gosto escatológico sobre aprender a botar a minhoca no anzol.

Jabor está obviamente errado. Dilma não está enfrentando uma quase rebelião na base aliada por causa de suas qualidades, não. As dificuldades decorrem mesmo é dos seus defeitos — os pessoais e os do governo. Comecemos da lição “Nível Massinha I” da política. Inexiste crise dessa natureza, no Brasil e no mundo, que não seja também expressão de uma crise de liderança. Embora a Soberana seja poupada pela imprensa como governante nenhum antes dela — supera o próprio Lula nesse particular porque setores da imprensa, como Jabor, alimentam a fantasia de que ela é diferente dele… —, começa a ficar evidente que ela não é nem nunca foi do ramo. “De que ramo, Reinaldo? Do ramo do toma lá dá cá?” Ora, quem disse que ela não faz isso? Faz, sim! Tanto é que Crivella está lá tentando botar a minhoca no anzol — isso só para citar o caso quase folclórico. Refiro-me mesmo ao ramo da política, aquele que consegue imprimir uma linha ao governo. Não há nenhuma.

A questão política - Ou: Crise de liderança
Tentem saber quem faz a articulação política do governo. É uma tarefa impossível. Nas Relações Institucionais, está Ideli Salvatti (PT). Sua expressão política era de tal sorte que se arranjou pra ela, inicialmente, um lugarzinho no Ministério da Pesca, um prêmio de consolação por sua derrota na disputa pelo governo de Santa Catarina. Quando foi nomeada, os coleguinhas que cobrem política em Brasília sabem muito bem, os petistas não eram os menos estupefatos. Ideli sempre foi muito útil como tropa de choque, para promover gritaria em CPI, para o confronto, para a guerra… Para a costura de bastidores? Quem confia na sua articulação?

Na Casa Civil, está Gleisi Hoffmann. Dela se diz que deve ter um desempenho ligada à área técnica, à “fazeção”. Ocorre que a pasta tem ramificações que são obviamente políticas, e ela não tem o trânsito necessário para suportar as agruras de uma modelo de poder que este escriba batizou de “Feudalismo de Coalizão” — tendendo ao baguncismo de colisão caso inexista uma figura com habilidade para costurar os vários interesses. E Dilma não tem! Em outros tempos, o Ministério da Justiça ajudaria nessa articulação, mas José Eduardo Cardozo, entendo, é a estrela ascendente mais descente (vocês se lembram dessa palavra, certo?) de Brasília.

Restavam as figuras dos líderes do governo no Senado e na Câmara, que foram trocados. Romero Jucá (PMDB-RR) nunca foi outra coisa que não procurador dos interesses de uma fatia do PMDB, e Candidato Vaccarezza nunca teve largueza de pensamento e descortino para ajudar a dar um rumo ao que rumo não tem.

Prestem atenção a este trecho. Vejam como este analista definia Dilma em 3 de fevereiro de 2011, com um mês de mantado:
“O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva aviltou de tal modo o decoro da Presidência da República, inclusive e muito especialmente para fazer a sua sucessora, que, agora, o simples fato de ELA não ser ELE confere à atual mandatária uma aura de superior delicadeza com as instituições. Se Lula estava sempre pronto a proferir um impropério qualquer contra a lógica, a história, a ciência e até a boa educação, Dilma faz de seu silêncio uma melodia que desafia as leis da física do poder e se propaga no vácuo da política. A estratégia marqueteira para criar a rainha da Inglaterra está, sem dúvida, dando certo. Dona Dilma Primeira, a Muda, é muito elogiada por todas as coisas que não diz. Não deixa de ser um feito notável. Candidata beneficiária da bravata, da bazófia e da mistificação buliçosas e altissonantes, a agora presidente se beneficia do mutismo.”

Os leitores habituais de memória mais atilada sabem que é trecho de um post publicado aqui, que dava conta do encantamento inicial, que persiste, da crônica política com a presidente. Ela se definia pelo “não”, por um certo senso de decoro que nunca socorreu seu antecessor. Mas é pouco para governar. Leiam um dia o texto “Um Artista da Fome”, de Kafka. Ele se tornou célebre por não comer. Muitos se indagavam como conseguia feito tão extraordinário. Um dia ele revelou: a verdade é que nunca gostara de comer. Muitos tomaram como talento a falta de imaginação política de Dilma e de habilidade no trato dessa arte. Nem sempre o silêncio e a discrição são evidências de pensamento e ponderação. Às vezes, é mesmo falta do que dizer. Dilma governa, sim. Mas não lidera.

A questão administrativa
No ano passado e algumas vezes já neste 2012, fiz a conta de quantas casas, UPPs, UPAs, creches, quadras poliesportivas e postos policiais Dilma deixava de entregar por dia. A farra de Lula para elegê-la, é certo, cobrou o seu preço em cortes no Orçamento — mas ela é parte da equação; logo, não é vítima, mas beneficiária das irresponsabilidades fiscais do outro. Nem vou mais avançar nesse terreno. Sim, os PMDBs, PRs e quejandos fazem política segundo os moldes do “feudalismo de coalizão” — grupos com interesses distintos, avessos, muitas vezes, ao cerne das teses do partido dominante, viram base de apoio porque recebem lotes da administração —, e suas ações, com alguma frequência, falam a linguagem da chantagem. Nesta quarta, por exemplo, Blairo Maggi (MT), líder do PR, anunciou a migração da legenda para a oposição, a menos, claro, que o governo considere úteis os sete senadores do partido etc. e tal. Nada disso é muito bonito! Mas não é algo a que o governo não esteja acostumado ou que não promova. Ademais, é mentira que jamais ceda a pressões.

Ocorre que o governo Dilma não acontece, não deslancha. A âncora permanece enterrada na areia. Políticos gostam disso e daquilo, mas, acima de tudo, precisam de votos. Querem as obras em seus respectivos municípios, em sua base eleitoral. Em 2011, segundo o seu programa de governo, Dilma deveria ter entregado:
- 3.288 quadras esportivas em escolas;
- 1.695 creches;
- 723 postos de policiamento comunitário;
- 2.174 Unidades Básicas de Saúde;
- 125 UPAs.

Praticamente nada saiu do papel. Àquele milhão de moradias prometidas pelo programa “Minha Casa Minha Vida”, herdado do governo Lula, ela acrescentou a jura de outros dois milhões até 2014. Já fiz as contas aqui. No ritmo de entrega das casas, cumprirá a promessa daqui a 22 anos. É bem possível que haja um monte de cúpidos querendo enfiar a mão no dinheiro público (já falo a respeito), mas o fato é que até esses dependem de uma eficiência mínima do governo. E ele não anda.

Ora, quem não se lembra da solene promessa da candidata: se eleita, espalharia UPPs Brasil afora, seguindo o modelo do Rio (que está longe, diga-se, de ser um exemplo…)? Abaixo, publico um vídeo da sua campanha eleitoral. É material de propaganda, coisa deles. Gravem. O risco de que tirem do ar é grande. Vejam que ela promete espalhar Unidas de Polícia Pacificadora Brasil afora. Volto em seguida:

Agora leiam ou releiam trechos de reportagem de Thiago Guimarães e Estelita Hass Carazzai na Folha de ontem:
O governo federal engavetou a principal promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff na área de segurança pública: instalar 2.883 UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) pelo Brasil. Segundo o Ministério da Justiça, técnicos avaliaram o cálculo do projeto apresentado pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva e encampado por Dilma na campanha como “superdimensionado”. Ainda segundo técnicos, não haveria sequer efetivo policial suficiente em algumas cidades para instalar as UPPs. Agora, de acordo com o Palácio do Planalto, os recursos inicialmente previstos para construção das unidades pacificadoras, que chegam a cerca de R$ 1,6 bilhão, irão para outras ações, como combate ao uso do crack e vigilância das fronteiras do país.
(…)
Em programa eleitoral veiculado em 21 de setembro de 2010, por exemplo, a então candidata Dilma prometia, como parte do PAC 2 (segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento), “mais de 2.800 postos de polícia comunitária” pelo país. Agora, com 15 meses de gestão, a promessa sumiu do primeiro balanço do PAC 2, divulgado na semana passada. Dos R$ 350 milhões previstos para a ação em 2011, nenhum centavo foi gasto. Tampouco houve até o momento execução dos R$ 188,5 milhões previstos para 2012, aponta levantamento feito pela ONG Contas Abertas, a pedido da Folha, em dados do Siafi, sistema que registra os gastos do governo.

O cenário reflete os cortes no Orçamento feitos pelo Planalto em 2011. Da dotação de R$ 2,1 bilhões do Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania), que abrange a construção dos postos, apenas R$ 1,05 bi (50%) foi gasto.O resultado é que Estados que enfrentam aumento nos índices de violência e optaram pela construção das UPPs estão tirando dinheiro do próprio bolso. Na Bahia, por exemplo, o governo gastou R$ 1,4 milhão para erguer cinco bases de segurança - outras 12 devem sair em 2012.
(…)

Voltei
Deu pra entender? Alguém poderia indagar: “Mas essa ineficiência deveria se refletir, então, na opinião da população”. Ainda não! E não com a economia nesse patamar. As pessoas que mantêm a esperança  tendem a achar que podem não estar vendo a obra na sua cidade ou no seu bairro, mas em algum lugar ela estará. Os políticos são os primeiros a reagir, reitero, porque querem voltar à sua base e tirar fotografia ao lado da quadra, da UPA, da UPP, da creche, da casa… E quase não há retrato a ser tirado. Dilma, por exemplo, não entrega as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), da área da saúde, mas promete botar câmeras nos corredores dos hospitais públicos para acompanhar tudinho de seu computador. Ora… O rasgo de populismo cesarista internético pode até seduzir um ou outro. Para os políticos, não vale nada. Precisam das obras. E a população também, diga-se, por motivos diferentes.

Sim, existe também a chantagem
E existe, sem dúvida, a chantagem dos partidos da base aliada. O tal “presidencialismo de coalizão” não foi inventado por Dilma Rousseeff, Lula ou FHC. A rigor, é uma criação da Constituição de 1988, que confere poderes imperiais ao presidente, mas também dá ao Congresso a oportunidade de infernizar a sua vida se quiser. Soma-se a isso a barafunda partidária brasileira, e o custo do que chamam governabilidade é o loteamento da administração. A tarefa de um chefe do Executivo no Brasil é um pouco mais complexa do que a de seu congênere americano, por exemplo, que tem de negociar, basicamente, com dois partidos. Por aqui, lobbies e interesses paróquias vão se infiltrando numa miríade de legendas que têm pouco ou nenhum compromisso com um programa de governo.

Digam-me cá: por que o partido X ou Y faz tanta questão de nomear, por exemplo, o diretor financeiro de uma estatal ou o chefe de compras? Não deve ser para testar seus próprios modelos de rigor contábil, não é mesmo? Sem que haja a menor possibilidade de errar, por bons motivos é que não é. A verdade insofismável, e qualquer político da base aliada sabe disso, é que o lulo-petismo não só deixou de corrigir os problemas que herdou como os extremou. Ninguém como Lula soube comprar a confiança dos partidos, pagando-lhe a fidelidade com ministérios, estatais, cargos, prebendas etc. E teve a sorte de governar num período de vacas muito gordas. Ouvi de um político — não direi o nome porque foi um off — literalmente esta frase em 2007: “Se eu soubesse que eles eram assim, teria aderido muito antes”. Ele se referia à facilidade com que Lula operava justamente o toma lá dá cá. E  emendou: “FHC não ouvia ninguém e tinha sempre o nariz meio empinado com os políticos; tucanos têm a mania de achar que sabem tudo”. Entendido.

Alguém dirá neste ponto: “Mas, então, você está dando razão a Jabor!” Não estou, não! Quem disse que o governo Dilma atua de modo muito diferente? O modelo é o mesmo. Ocorre que ela opera com menos recursos do que o antecessor, tem uma gestão muito menos operativa e é incapaz de se articular nesse serpentário — Lula sempre foi um notório encantador de peçonhentos. Essa crise, insisto, não chegou ao povo, e isso, curiosamente, pode ser um elemento fomentador da própria crise. “Como, Reinaldo? Não entendi!” Eu explico.

Daqui a pouco sai alguma pesquisa sobre a avaliação do governo e da própria Dilma. Pode ter andado um pouco pra cá, um pouco pra lá, mas nada muito significativo. Os números serão ainda robustos, e isso sempre confere ao mandatário a sensação da onipotência. Aquele diabinho mau conselheiro — e também alguns puxa-sacos — soprará aos ouvidos da Soberana: “Vossa Excelência está no caminho certo!”. Boa parte da imprensa que a elogiou por demitir os suspeitos de corrupção que ela mesma nomeou continuará a exaltá-la, como fez Jabor, por sua resistência à “chantagem”. E tudo continuará mais ou menos como era antes, mas sempre um pouquinho pior.

Encerrando
A crise existe, em suma, porque inexiste articulação política no governo, porque a administração é ruim a mais não poder e porque os sócios da vitória, dado o “feudalismo de coalizão”, exigem a sua parte do butim. Se a economia continuar mais ou menos assim, ancorada no consumo — nada brilhante, mas também sem grandes traumas —, Dilma vai levando. Não havendo nenhuma tragédia nos gramadas em 2014 — refiro-me ao evento como um todo, não ao desempenho da Seleção (acho vitória ou derrota irrelevantes eleitoralmente) —, a chance de reeleição é grande. Sem uma catástrofe na economia até o pleito ou alguma ocorrência extrapolítica, seu futuro me parece mais ou menos garantido.

O problema, amiguinhos, é que futuro terá o Brasil, tendente a dobrar a aposta num governo medíocre.

Por Reinaldo Azevedo

 

15/03/2012 às 5:41

Maria do Rosário é (ir)responsabilidade de Dilma

Acima, escrevo um longo texto sobre os desacertos do governo Dilma. Faltam-lhe eixo, competência e habilidade política. E começo a achar que a Soberana precisa ser um pouco mais responsável em temas que digam respeito às instituições.

Ontem, a imprensa resolveu ouvir dois ministros de estado sobre a ação doidivanas de procuradores da República que decidiram, ao arrepio de um conjunto de leis e de decisão do próprio Supremo, rever a Lei da Anistia, propondo uma ação penal contra um militar que participou do combate à guerrilha do Araguaia. Já escrevi bastante a respeito, como sabem. Pois bem.

O governo Dilma já é protagonista do mais sério entrevero com os militares desde a redemocratização. É verdade que o confronto se dá com os da reserva — mas se estende aos da ativa à medida que, também ao arrepio da lei, a presidente e seu ministro da Defesa, Celso Amorim, deram ordens para que os respectivos Comandos das três Forças punissem signatários de um texto de protesto. Mas punir como? A lei está do lado daqueles que se manifestaram. Dilma não deve ter lido “O Príncipe”, mas há uma chance de que tenha lido “O Pequeno Príncipe”. Não dê ordens que não possam ser cumpridas. Não mande o povo se jogar ao mar que ele não vai obedecer…

Muito bem! O que motivou o primeiro manifesto dos militares da reserva foi justamente uma declaração da ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos), segundo quem a Comissão da Verdade poderá, sim, resultar em ações penais. Ela está errada! A Lei da Anistia impede que isso aconteça. Muito bem! Dada a ação dos procuradores, sem vínculo formal direto com a Comissão da Verdade, e dada a crise que ela já provocou, o prudente seria que Maria do Rosário ficasse de boca fechada. Ou que, então, cumprisse seu papel institucional e, convidada a falar a respeito, se limitasse a dizer: “O governo não interfere na ação dos procuradores; faremos a Comissão da Verdade dentro da lei”.

Mas aí ela não seria Maria do Rosário. O que fez, então, a ministra em cuja pasta está a Comissão da Verdade — CRIADA POR UMA LEI QUE INCORPORA AO PRÓPRIO TEXTO A LEI DA ANISTIA — e que deveria estar agora ocupada na distensão? Falou isto:
“Eu acredito que o Ministério Público Federal está cumprindo o seu papel. É um papel relevante, e isso em nada tira do nosso objetivo de levarmos adiante os trabalhos que estamos desenvolvendo no sentido de a história ser resgatada no Brasil”.

A língua portuguesa segue o padrão da turma, daquele “mundo + descente“, mas deu pra entender: a ministra que lidará diretamente com a Comissão da Verdade apoia ações penais, que negam a própria lei que criou… a Comissão da Verdade!!! Bem, é a mesma senhora que afirmou não faz tempo: “A marca de Cuba não é a violação dos direitos humanos e sim ter sofrido uma violação histórica, o embargo americano”. Dizer o quê? Na ilha, ela integraria alegremente a Comissão da Mentira. No Brasil também.

Amorim  falou e tentou pôr panos quentes: “A Comissão da Verdade, ao contrário do que alguns andaram dizendo, não tem nada a ver com revanchismo; é uma lei do Congresso, aprovada pela virtual unanimidade”. Ora… Maria do Rosário e a evidência do revanchismo!

É impressionante que esta notória admiradora dos direitos humanos de Cuba dê uma declaração como essa depois da confusão que ela própria criou. Tanto ela como Amorim são as vozes de Dilma; um ministro é nada mais do que a vontade do mandatário em sua área de atuação. Assim, tem-se que, quando na Defesa, Dilma não quer revanche, mas, nos Direitos Humanos, ela quer.

O governo já enfrenta problemas de sobra. Pelo visto, aposta em mais alguns. Maria do Rosário é responsabilidade — ou irresponsabilidade — de Dilma Rousseff.

Por Reinaldo Azevedo

 

15/03/2012 às 5:37

Agenda põe o petista Agnelo Queiroz, de novo, sob suspeita

Por Fábio Fabrini, no Estadão;
Uma força-tarefa formada por Polícia Civil, Receita Estadual e Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) vai pedir à Procuradoria-Geral da República (PGR) que investigue se o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), recebeu dinheiro de um grupo farmacêutico acusado de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, formação de cartel e falsificação de medicamentos.

Desencadeada pelos três órgãos no ano passado, a Operação Panaceia apreendeu uma agenda com registros de contabilidade da diretoria do laboratório Hipolabor. Os dados apontam supostos pagamentos ao petista em 2010, ano em que deixou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para concorrer ao Palácio do Buriti.

O material, ao qual o Estado teve acesso, foi recolhido em abril, em buscas autorizadas pela Justiça em escritórios e nas casas de proprietários do grupo, que controla também o laboratório Sanval e a distribuidora Rhamis. A página referente a 24 de maio de 2010 traz a anotação “Agnelo”, ao lado de “50.000″. No dia 30, há outra anotação, aparentemente abreviada: “Agnelo: 50.”.

A PGR já analisa um vídeo no qual Daniel Almeida Tavares, lobista de outra indústria farmacêutica, a União Química, acusa o governador de receber propina, quando diretor da Anvisa, para liberar licenças para a empresa. Segundo o denunciante, o suborno de R$ 50 mil teria sido pago em 2008 - desse valor, R$ 5 mil teriam sido depositados diretamente na conta do petista. Agnelo admite o depósito, mas nega irregularidades. Diz que a quantia foi a devolução de um empréstimo feito a Tavares.

Evidência. A agenda apreendida na Panaceia, que contou com a colaboração de agentes da própria Anvisa e do Ministério da Justiça, seria a primeira evidência documental já apresentada do suposto esquema de propina na agência. No vídeo, Daniel diz que o pagamento era para a liberação do Certificado de Boas Práticas de Fabricação (CBPF), documento exigido para o registro de medicamentos e sua consequente comercialização. Sem ele, também não é possível participar de licitações e vender produtos para o Ministério da Saúde, Estados e municípios.

Em seu mandato na Anvisa, de 24 de outubro de 2007 a 1.º de abril de 2010, Agnelo assinou ao menos oito resoluções que beneficiaram as três empresas do grupo. Pela caneta do petista, elas receberam certificados de boas práticas.

Embora processado pela morte de pacientes que usaram seus produtos em dois Estados e com um histórico de medicamentos suspensos pela Anvisa por problemas de qualidade, o Hipolabor obteve de Agnelo o carimbo de “boas práticas de fabricação” por meio de duas resoluções, assinadas em 14 e 28 de agosto de 2009. Válidas por dois anos, as autorizações acabaram cassadas antes de expirar, em junho do ano passado, após a Panaceia.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

 

15/03/2012 às 5:35

Os medalhões do Banco do Brasil, pelo visto, não acreditam nesse negócio de deixar dinheiro no… banco!

Por Andreza Matais, na Folha:
O presidente da Previ, Ricardo Flores, usou R$ 190 mil em dinheiro vivo para comprar uma casa em Brasília em 2010. Flores afirma que tomou o dinheiro emprestado de um empresário conhecido, que negou a informação.  (…)

[Flores] comprou a casa de uma dentista por R$ 1,65 milhão. Na semana passada, Flores disse à Folha que pagou R$ 900 mil com um empréstimo da Previ e R$ 750 mil com recursos “disponíveis”. Flores ganha R$ 50 mil brutos por mês. A dentista Angela Françolin disse que parte do pagamento foi feito em espécie. “Fui um dia, à tarde, buscar na imobiliária. O dinheiro estava num envelope pardo.”
(…)
Segundo documentos que Flores exibiu à Folha, o empresário [que emprestou o dinheiro] é Jorge Ferreira, dono de restaurantes em Brasília e amigo de políticos do PT. Ferreira disse conhecer Flores, mas afirmou que nunca emprestou dinheiro a ele. “Nunca. Para o presidente da Previ? Me tira disso.”
(…)
O presidente do BB, Aldemir Bendine, também usou dinheiro vivo num negócio em 2010, quando pagou R$ 150 mil em espécie por um apartamento em São Paulo. Flores e Bendine são protagonistas de uma disputa política que tem alimentado trocas de acusações.

Por Reinaldo Azevedo

 

14/03/2012 às 21:53

Eita! Collor já está dando conselhos a Dilma… Ou: A mentira e a verdade na fala do ex-presidente

“O Planalto precisa ouvir a Casa do lado. Digo isso com a experiência de quem, exercendo a Presidência da República, desconheceu a importância da Câmara e do Senado. O resultado deste afastamento do Legislativo Brasileiro redundou no meu impeachment.”

Esse é um conselho do senador Fernando Collor (PTB-AL) à presidente Dilma Rousseff, segundo informa Gabriela Guerreiro, na Folha Online. Que coisa, hein? Governo que recebe conselho de Collor, que é da base aliada, não vai bem.

A fala do ex-presidente tem lá a sua graça porque concentra verdade e mentira em doses iguais. Ela é falsa quando ele se refere ao próprio governo; se pensarmos em Lula… Explico.

Collor tenta nos fazer crer que caiu, coitadinho, só porque não cedeu a chantagens do Congresso. Errado, valente! Lembra-se de PC Farias, do Morcego Negro, da Tratoral, da Operação Uruguai, daquele quase prosaico Fiat Elba, do desastre na economia? Falo, assim, palavras mais ou menos soltas, que me vêm à lembrança. E havia uma parcela expressiva da população na rua — incentivada, em parte, pelo PT, em cuja base Collor está hoje.

Mas vamos pensar no governo Lula. As lambanças da era Collor, em confronto com tudo o que se viu no mensalão, evidenciavam um esquema amador. Há quem diga que é contraste entre o assalto ao estado promovido por um grupo e o promovido por um partido, por um sistema. Parece-me uma boa hipótese de trabalho, de alcance até acadêmico.

Quem salvou Lula do buraco? Em boa parte, justamente o aspecto mais nefasto da “profissionalização” do lulo-petismo, que compreende, sim, a cooptação do Congresso. Há outras diferenças, estas geralmente supervalorizadas pelos “inteliquituais” ligados ao PT, como a popularidade do Apedeuta, bem maior do que a de Collor, e a qualidade da economia. O tal caçador de marajás levou o país à ruína.

Vamos ver. Dilma ainda é bastante popular, e não se pode dizer que os aspectos mais deletérios do seu governo tenham ganhado já uma tradução popular. Nem mesmo estou certo de que venham a ganhá-la até a eleição de 2014.

Então, o que é que está pegando?

Por Reinaldo Azevedo

 

New York Times publica anuncio anticatólico, mas se nega a publicar anúncio anti-islâmico

Na BBC, nós já vimos aqui, é permitido insultar cristãos e fazer pilhéria de Jesus Cristo, mas é proibido tornar pública qualquer referência crítica ao profeta Maomé. Chegou a vez de o New York Times evidenciar a sua dupla moral. O cristianismo é hoje a religião mais perseguida do mundo — INCLUSIVE NOS PAÍSES CRISTÃOS, O QUE É ESPANTOSO! Qual é o ponto? No dia 9 de março, o New York Times publicou este anúncio, segundo informa a FoxNews.com.

 anuncio-anticatolico1

Ele convida os católicos a abandonar a Igreja. Indaga por que enviam seus filhos para a doutrinação e classifica de equivocada a lealdade a uma fé marcada por “duas décadas de escândalos sexuais envolvendo padres, cumplicidade da Igreja, conluio e acobertamento, da base ao topo da hierarquia”.

Muito bem! Tudo em nome da liberdade de expressão e da liberdade religiosa, certo? Ocorre que a blogueira Pamela Geller, que comanda a página “Stop Islamization of America”, tentou pagar os mesmos US$ 39 mil dólares para publicar no mesmo New York Times um anúncio convidando os muçulmanos a abandonar a sua religião. E O NEW YOR TIMES SE NEGOU! Assim:

 anuncio-anti-islam

Pamela afirma que seu anúncio era baseado naquele anticatólico. Dirigindo-se aos muçulmanos, indagava: “Por que pertencer a uma instituição que desumaniza mulheres e os não muçulmanos (…)? E convidava: “Junte-se àqueles que, como nós, colocam a humanidade acima dos ensinamentos vingativos, odiosos e violentos do profeta do Islã”.

Ao comentar a recusa, Pamela afirmou: “Isso mostra a hipocrisia do New York Times, a excelência do seu jornalismo e sua disposição de se ajoelhar diante da pregação islâmica”.

Eileen Murphy, porta-voz do New York Times, repete a resposta que teria sido enviada a Pamela quando houve a recusa: “Nós não nos negamos a publicar. Decidimos adiar a publicação em razão dos recentes acontecimentos no Afeganistão, como a queima do Corão e o assassinato de civis por um membro das Forças Armadas dos EUA. Acreditemos que a publicação desse anúncio agora poderia pôr em risco os soldados e civis dos EUA, e nós gostaríamos de evitar isso”.

Encerro
Huuummm… A resposta é a mesma dada por aquele rapaz da BBC. A síntese é a seguinte: “Como os cristãos não são violentos, então a gente pode insultá-los à vontade. Não mexemos com os muçulmanos porque, vejam bem!, eles podem reagir. E a nossa valentia não chega a tanto.” Em “Máximas de Um País Mínimo”, escrevi que pregar a morte de Deus no Ocidente é coisa de covardes; corajosos pregariam a morte de Alá em Teerã. Fase e frase superadas. Os covardes não têm coragem de criticar o Islã nem no Ocidente!

Noto que a resposta oficial do New York Times já é um mimo da autoflagelação. A queima dos livros do Corão, é evidente, foi acidental. Os EUA inteiros não podem ser culpados pelo gesto tresloucado de um soldado, que será punido — à diferença dos terroristas, que ficam sempre impunes. “Ah, mas eles entendem de outro modo!” Entendi… Se eles entendem de outro modo…

Esses valentes, pelo visto, querem convencer os cristãos de que a sua opção pela não-violência foi um erro. Agissem como os radicais muçulmanos, seriam preservados do achincalhe dos cavardes. Que os cristãos sigam defendendo a paz e a superioridade moral do seu postulado.

Por Reinaldo Azevedo

Tags:
Fonte:
Blog Reinaldo Azevedo (VEJA)

1 comentário

  • Thomas Renatus Fendel Rio Negro - PR

    ...é, a sogra do cara merece mesmo ser nome de lugar público.

    ... poderiam fixar a placa no mictório...

    0