Olimpíadas: O BRASIL SABE FAZER UMA FESTA ANIMADA. O QUE NÃO SABE FAZER É UM PAÍS DECENTE!

Publicado em 07/08/2016 17:10
386 exibições
por RODRIGO CONSTANTINO

Não vi a abertura toda da Olimpíada, pois por algum motivo estranho a NBC resolveu transmitir com atraso para os Estados Unidos. Mas o que vi, achei bonito. Fico aliviado por ter dado tudo certo. Dou até um desconto pela parte do proselitismo ideológico, pelo “aquecimento global” (quem ainda acredita nisso?), pelos indiozinhos, pelo funk e até pela Regina Casé glamourizando as favelas.

A festa foi bonita e animada, apesar de ver alguns exageros por aí na reação (“a mais linda do planeta, quiçá da galáxia”). Gisele Bundchen super animada e linda. Guga, um cara do bem, emocionado. Vanderlei acendendo a pira foi o ponto alto. Tudo bem legal. Ou quase tudo.

Houve o lado cafona e jeca, politicamente correto, com as “minorias empoderadas”. O esquecimento dos imigrantes italianos e de São Paulo, que carrega a economia nas costas, foi imperdoável. Ainda assim, uma bela festa. Só que não posso me calar diante do ufanismo que ela produziu, mesmo que perca alguns leitores por isso.

Sinto muito ser o estraga-prazeres tão cedo assim, mas é que o brasileiro continua otário! A turma afetada que fala “chupa seu vira-lata!” e que celebra a espetada nos “estadunidenses imperialistas” com o 14-Bis não entende que a idiotice vem justamente de achar que tudo é uma maravilha só porque fizemos um belo e animado espetáculo. O que importa é o “day after”, gente, a dura realidade depois da festa.

A violência continua matando mais que guerra civil, o trânsito idem, a burocracia ainda é asfixiante, os impostos escorchantes, os políticos corruptos, a “educação” um lixo, a saúde pública um caos etc. Lamento informar, mas o custo de nossa malandragem ainda é altíssimo, a começar pelo da própria festa: R$ 270 milhões! E a reação dos ufanistas, que agora têm o maior orgulho do mundo por ser brasileiro, é só mais uma evidência de como somos bem otários mesmo. Um leitor escreveu:

A Brasucada beira a infantilidade, se a festa for bonita não importa o quanto vamos pagar. É bem o espírito do Brasuca que sai do país e volta entulhado de quinquilharias só porque lá fora é mais barato. Falta muita educação para um povo que só pensa em festa. Essa conta vai tirar o couro da classe pagadora de impostos e expor os pobres ainda mais à pobreza.

lg.php?cppv=1&cpp=H5cExnw1eHJWZEl4eVp1UEpwWWh4ZGJOWkR3bGptd3ZLdzNMeDR4UnZiazZKVFVsTVBSNFNEUUw0WGtrYzhsN3plRlZ5UzJ3Mm1aeEVzOGRadmk2WmZsZmJWN2V3NlpvRlMvcHN1cGhHcjIzejB0bTc1SkZ6bjRTZ3lUTFZwN0NQUTNhMWM1NlZJMWtheFlxSlMvWE41TUxhdHQ0WjZKUFNhMnR5TFRnS2dXaWNTMVY4NEtnakdIdUFWNFF5Q2VuMTQ1YWhDWVV5L092UFNVRGY1UU9JMm1EaHJtZHgzaXRUNjFEK0RKWGF2TDZQc0pvPXw%3Dimg?type=sync&mt_exid=20&redir=http%3a%2f%2fdis.criteo.com%2frex%2fmatch.aspx%3fc%3d2%26uid%3d%5bMM_UUID%5d

Os que estão morrendo de orgulho de ser brasileiro deveriam refletir sobre o que é motivo de orgulho para uma nação. Terei algum orgulho do Brasil no dia em que ganharmos ao menos um Prêmio Nobel. E não vale o da paz, que até terrorista já ganhou. Tem que ser de física ou química. Unzinho só para contar história, já que até los hermanos conseguiram essa façanha…

Sim, sabemos fazer uma boa festa. Mas esse nunca foi nosso problema. Ou, por outra: esse é justamente o nosso problema! Sabemos farrear. Somos cigarras que adoramos o Pão & Circo. O que NÃO sabemos fazer direito são escolas, hospitais, vias seguras e governos limitados. Eis o problema. Um leitor resumiu bem: “É a velha metodologia brasileira de uma grande parte da população com a cultura de mostrar que ‘vive bem’ e deixando as contas atrasarem!”

Não me levem a mal. Sei que o homem, especialmente o brasileiro, precisa de um entorpecente de vez em quando. Eu mesmo prestei homenagens a Baco ontem. Uma breve fuga da dura realidade se faz necessária para alimentar a esperança, a última que morre. Mas que seja breve. Pois o realismo também é fundamental, sob o risco de ficarmos aprisionados na fuga, tomando ficção por realidade e vice-versa. Não dá para manter uma euforia perpétua com base em estímulos artificiais. A ressaca inexoravelmente chega…

Sim, vamos aproveitar a Olimpíada, tentar resgatar seu espírito de “fair play”, de meritocracia, de convivência pacífica. Sim, vamos festejar o clima olímpico e elogiar a festa de abertura. Mas deixando o ufanismo boboca de lado, que é tão ridículo quanto o complexo de vira-lata e o derrotismo. É preciso um equilíbrio aqui, como defendo no meu livro novo sobre nosso jeitinho e o alto custo da malandragem. Nem tanto ao céu, nem tanto à terra.

Devemos dar uma trégua ao sofrimento de um país mergulhado em crise e com tantos problemas estruturais. Mas com maturidade. Sem essa reação infantil de quem acha que, agora, somos a última Coca-Cola do verão e que o mundo terá de nos engolir. Um pouco mais de humildade não faria mal algum. Mais realismo seria saudável. E sem deixar de lado o custo dessa festa toda e quais são nossas prioridades, pois a festa um dia acaba.

PS: A turma que ficou “horrorizada” com as vaias a Dilma na Copa vaiando o presidente Temer: medalha de ouro na hipocrisia. E medalha de ouro na estupidez também: que tipo de animal pode querer a volta da presidanta?!

Rodrigo Constantino

 

blog

 

 

OS DIREITOS HUMANOS E A LEI

Por Percival Puggina

Os que começaram com isso estão velhos e carecas. Há mais de meio século, partidos de esquerda priorizaram a infiltração na política estudantil e a tomada dos seus organismos de representação. Acompanhei uma parte dessa história e posso testemunhar que, já então, a conduta dos jovens militantes era, tanto quanto agora, de estilo autoritário, presunçoso e arrogante. Nas disputas eleitorais, nas assembleias e congressos estudantis, e na afirmação de suas causas, colocavam-se aqueles jovens colegas acima da lei, das regras e da ordem. Não surpreende a constante reiteração de tais comportamentos ao longo dos anos. Afinal, onde o comunismo foi democrático, respeitoso e tolerante?

Assim, em junho deste ano, por exemplo, mais de 150 escolas do Estado foram invadidas por pequenos grupos de estudantes ligados a dois ou três partidos de esquerda. Entravam, aferrolhavam as portas e declaravam que a escola lhes pertencia. Eles não queriam aulas, que se danassem, então, os colegas, os professores e todas as famílias prejudicadas com a paralisação do ano letivo. E ai de quem dissesse que a escola é um patrimônio público! Era logo rotulado fascista, expressão que podia muito bem, pelo que estavam a fazer, ser proferida pelos próprios se diante de um espelho.

lg.php?cppv=1&cpp=AZPKjHxlZlcyY0M0bnFEdDJkb0d6b2prWTR3UTRUcHA0SUt3RWhWVlpMUlljRE5hbWQ3RHEwdWsyaXN0QnhWazFuaWsyb0s4UTNqZGtwWUh2SVo3TmNIdFA0clJmQlNVK2M4ZXdOcXZkU1djcUp1djc0NDEvTUJwNXkzc05hTjdGMzl5QlN2Vk5zRXFuaXJ4R0UzYjNIY0RpdnlPY1VEekYwRy9lY3doYmZBRnRpTi9ISGpHSWRYSjFGaFJqWFFreTMwNHFtYVF5TzJzNlBINDloNlZkSENIUTBuU2xUQnVJRy8xeGY4a215WldRdlFrPXw%3Dimg?type=sync&mt_exid=20&redir=http%3a%2f%2fdis.criteo.com%2frex%2fmatch.aspx%3fc%3d2%26uid%3d%5bMM_UUID%5d

Outras invasões ocorreram na mesma época, entre elas a do prédio da Secretaria da Fazenda, no último dia 15 de junho, durante a greve dos municipários. Eram algumas dezenas de menores de idade, acompanhados de uma dúzia de adultos. Que relação poderia haver entre a pauta corporativa dos servidores e o movimento estudantil? Para que precisavam os maiores, da presença dos menores? Ora, a causa era política, ou melhor, a política era a causa. Quem não vê? Resultado da operação invasora: muito dano ao patrimônio público. Para que isso? Procure suas respostas em alguma obra sobre práticas fascistas.

Feito o rescaldo, ocorreu o necessário inquérito policial, houve denúncia ao Ministério Público e o promotor Luís Felipe Tesheiner, incumbido do processo referente aos maiores de idade, não prevaricou, não deixou de cumprir seu dever funcional. Fez o que inequivocamente lhe competia diante de um conjunto de crimes simultâneos, que vão do dano qualificado ao aliciamento de menores. Pronunciou-se pelo acolhimento, sugerindo uma pena branda de comparecimento periódico ao Foro da Capital durante dois anos ao longo dos quais os acusados não podem se envolver em ações semelhantes.

Em sua incomparável capacidade de escolher o lado errado, afrontar a sociedade, ignorar as vítimas, desprezar os danos e abraçar os culpados, arrepiaram-se os membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDH-RS). Cavalgaram o surrado chavão da “criminalização dos movimentos sociais” e cuidaram de apontar ao digno promotor algo que seria o verdadeiro “sentido de sua missão constitucional”. No entender do CEDH-RS, esse sentido seria afagar os responsáveis, louvar sua dedicação à causa que os levou a aliciar, invadir e depredar, e pedir um autógrafo aos bravos combatentes do movimento revolucionário.

 

Por Percival Puggina

Os que começaram com isso estão velhos e carecas. Há mais de meio século, partidos de esquerda priorizaram a infiltração na política estudantil e a tomada dos seus organismos de representação. Acompanhei uma parte dessa história e posso testemunhar que, já então, a conduta dos jovens militantes era, tanto quanto agora, de estilo autoritário, presunçoso e arrogante. Nas disputas eleitorais, nas assembleias e congressos estudantis, e na afirmação de suas causas, colocavam-se aqueles jovens colegas acima da lei, das regras e da ordem. Não surpreende a constante reiteração de tais comportamentos ao longo dos anos. Afinal, onde o comunismo foi democrático, respeitoso e tolerante?

Assim, em junho deste ano, por exemplo, mais de 150 escolas do Estado foram invadidas por pequenos grupos de estudantes ligados a dois ou três partidos de esquerda. Entravam, aferrolhavam as portas e declaravam que a escola lhes pertencia. Eles não queriam aulas, que se danassem, então, os colegas, os professores e todas as famílias prejudicadas com a paralisação do ano letivo. E ai de quem dissesse que a escola é um patrimônio público! Era logo rotulado fascista, expressão que podia muito bem, pelo que estavam a fazer, ser proferida pelos próprios se diante de um espelho.

lg.php?cppv=1&cpp=AZPKjHxlZlcyY0M0bnFEdDJkb0d6b2prWTR3UTRUcHA0SUt3RWhWVlpMUlljRE5hbWQ3RHEwdWsyaXN0QnhWazFuaWsyb0s4UTNqZGtwWUh2SVo3TmNIdFA0clJmQlNVK2M4ZXdOcXZkU1djcUp1djc0NDEvTUJwNXkzc05hTjdGMzl5QlN2Vk5zRXFuaXJ4R0UzYjNIY0RpdnlPY1VEekYwRy9lY3doYmZBRnRpTi9ISGpHSWRYSjFGaFJqWFFreTMwNHFtYVF5TzJzNlBINDloNlZkSENIUTBuU2xUQnVJRy8xeGY4a215WldRdlFrPXw%3Dimg?type=sync&mt_exid=20&redir=http%3a%2f%2fdis.criteo.com%2frex%2fmatch.aspx%3fc%3d2%26uid%3d%5bMM_UUID%5d

Outras invasões ocorreram na mesma época, entre elas a do prédio da Secretaria da Fazenda, no último dia 15 de junho, durante a greve dos municipários. Eram algumas dezenas de menores de idade, acompanhados de uma dúzia de adultos. Que relação poderia haver entre a pauta corporativa dos servidores e o movimento estudantil? Para que precisavam os maiores, da presença dos menores? Ora, a causa era política, ou melhor, a política era a causa. Quem não vê? Resultado da operação invasora: muito dano ao patrimônio público. Para que isso? Procure suas respostas em alguma obra sobre práticas fascistas.

Feito o rescaldo, ocorreu o necessário inquérito policial, houve denúncia ao Ministério Público e o promotor Luís Felipe Tesheiner, incumbido do processo referente aos maiores de idade, não prevaricou, não deixou de cumprir seu dever funcional. Fez o que inequivocamente lhe competia diante de um conjunto de crimes simultâneos, que vão do dano qualificado ao aliciamento de menores. Pronunciou-se pelo acolhimento, sugerindo uma pena branda de comparecimento periódico ao Foro da Capital durante dois anos ao longo dos quais os acusados não podem se envolver em ações semelhantes.

Em sua incomparável capacidade de escolher o lado errado, afrontar a sociedade, ignorar as vítimas, desprezar os danos e abraçar os culpados, arrepiaram-se os membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDH-RS). Cavalgaram o surrado chavão da “criminalização dos movimentos sociais” e cuidaram de apontar ao digno promotor algo que seria o verdadeiro “sentido de sua missão constitucional”. No entender do CEDH-RS, esse sentido seria afagar os responsáveis, louvar sua dedicação à causa que os levou a aliciar, invadir e depredar, e pedir um autógrafo aos bravos combatentes do movimento revolucionário.

Tags:
Fonte: Blog Rodrigo Constantino

Nenhum comentário