‘Não quero ser candidata a nada’, declara Dilma à sua "melhor amiga", Kátia Abreu

Publicado em 04/09/2016 05:47 e atualizado em 04/09/2016 06:36
663 exibições
no blog de Josias de Souza, do UOL

61% dos brasileiros são contra Dilma permanecer com seus direitos políticos

Feita na semana passada pela internet, uma pesquisa do instituto QualiBest dá a medida do que pensam os brasileiros sobre Dilma Rousseff permanecer com seus direitos políticos: 61% responderam que são contra. Em relação ao impeachment, 64% a favor.

Advogado de Dilma Rousseff no processo de impeachment, José Eduardo Cardozo disse à sua cliente que o veredicto do Senado lhe permite ser candidata a qualquer cargo eletivo. No entanto, Dilma disse à amiga Kátia Abreu (PMDB-TO) que não cogita tentar a sorte nas urnas. “Essa hipótese de candidatura é inexistente para a Dilma”, declarou Kátia ao blog. “Ela me disse: ‘Não quero ser candidata a nada’.”

Acompanhada do marido e do filho, Kátia visitou Dilma na noite de 31 de agosto, horas depois da votação em que os senadores cassaram-lhe o mandato de presidente. Encontrou-a sozinha. Em tom de brincadeira, Kátia chegou a convidar Dilma para se candidatar a senadora ou deputada federal pelo Tocantins. E ela: “Nunca mais!”

Articuladora da fórmula que permitiu cindir a votação do impeachment em duas partes —primeiro a aprovação da “perda do cargo”, depois a derrubada da “inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública”—, Kátia reiterou que o resultado permitirá a Dilma trabalhar no setor público: “Ela espera receber convites.”

Dilma também afirmou à senadora que ainda não decidiu se trocará o Palácio da Alvorada pelo seu apartamento, em Porto Alegre, ou pelo da mãe, Dilma Jane, noRio de Janeiro. “Ela me disse que há 70% de chance de ir para Porto Alegre e 30% para o Rio.”

Kátia ponderou que Dilma talvez devesse evitar a capital gaúcha, onde o anti-petismo é mais arraigado. Dilma deu de ombros. Respondeu que anda de bicicleta pela cidade em ser importunada.

 

 

– Via Nani.

Kátia Abreu: ‘Eu não mudei de lado’

Desde muito antes de ser chamada pelo PT de “ruralista reacionária” e “rainha da motosserra”, a senadora Kátia Abreu já era boa de briga. Aos 25 anos, quando seu marido, fazendeiro, morreu em um acidente de avião, ela ignorou o conselho dos irmãos para abrir “um negócio de mulher” e assumiu a administração das terras que ele deixou, no Tocantins. Seis anos depois, era presidente do sindicato rural da segunda maior cidade do estado. Em 2008, já senadora pelo DEM, foi eleita presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a primeira mulher a ocupar o posto. No impeachment de Dilma, de quem foi ministra e se tornou melhor amiga, Kátia voltou a comprar briga, mas, desta vez, cerrando fileiras com petistas. Do processo, saiu rompida com a CNA, criticada por produtores rurais e ameaçada de expulsão por seu partido, o PMDB, agora no poder. Nesta entrevista, ela explica as razões pelas quais ficou com Dilma até o fim, fala dos erros e ressentimentos da agora ex-­presidente e diz que os últimos meses lhe ensinaram “que não existem esquerda e direita, mas problemas a ser resolvidos e causas pelas quais vale a pena lutar”.

Publicidade

Ao apoiar a ex-presidente Dilma até o fim, a senhora ficou isolada no PMDB, perdeu a presidência da CNA e até parte do apoio do setor agrário. Por que sustentou uma posição com tantos prejuízos políticos? Isso tudo pode até ter acontecido, mas fico indignada quando as pessoas dizem: “Ela está fazendo isso porque é amiga da Dilma”. Primeiro, não defenderia ninguém em quem não acreditasse, mesmo sendo amiga. Segundo, eu não era amiga da Dilma, não fiz parte da história dela, não fui presa com ela. O que aconteceu foi que ela, como presidente, me deu liberdade e meios para fazer no Ministério da Agricultura tudo o que sempre sonhei. Ela me conquistou pelo atendimento que deu ao meu setor, a começar pela aprovação do Código Florestal, que pôs fim a dezessete anos de desespero dos produtores rurais, criminalizados, humilhados. A amizade começou com uma relação pragmática, e cresceu a partir daí. Depois, o mandato de senadora e o mandato da CNA fazem parte da minha vida, mas não são minha vida. Sou mãe, mulher, tenho netos, amigos, tenho valores dos quais não abro mão nem sob tortura.

Há quem a acuse de mudar de lado para ficar com Dilma. É engraçado. O meu partido pertencia à base aliada do governo. Na reeleição de Dilma, o senhor Romero Jucá e o senhor Geddel Vieira Lima apoiaram quem? Aécio Neves. O meu partido é também o partido do vice-presidente da República. Mais: os que estão agora usufruindo o governo de Michel foram os que brigaram para que ele não fosse vice. E eu é que mudei de lado? A opinião pública e a imprensa também têm de decidir o que quer de nós, políticos. Se a pessoa não é ética e muda de posição, pau nela. Se é ética e mantém sua posição, é burra. Fui chamada por um jornalista de politicamente burra. “Você se destruiu, você cometeu suicídio político.” Veremos. A história dirá.

A senhora vai continuar no PMDB? Não vou fazer movimento para ficar nem para sair. Quero ver se a democracia interna do PMDB funciona ou é da boca para fora. Não sou obrigada a fazer o que o PMDB acha que tenho de fazer. Mesmo porque não mudei de lugar. Não fui apoiar outro presidente, não desobedeci à convenção nacional, como o senhor Jucá, o senhor Geddel, os Picciani e companhia limitada, que apoiaram o Aécio. Então, por que só comigo? Quero ver se são democratas. Durante esse tempo, não fiz nenhum ataque pessoal ao Michel ou ao partido. Só respondi mal ao Jucá porque ele falou que eu iria virar líder do MST. Eu disse que ele já era mundialmente conhecido como líder do movimento para abafar a Lava-Jato. Isso saiu no Le Monde. Então, vou aguardar para ver o que o partido vai fazer, se vai me expulsar.

A senhora acreditou em algum momento que seria possível reverter o resultado do impeachment? Acreditei. Tinha muita gente insatisfeita. Até segunda-feira, cheguei à noite em casa e tínhamos os 29 votos, todos conversados, com Dilma, comigo e com outros.

A ex-presidente acreditava? Menos que nós, era mais cética.

Ao trabalhar para preservar os direitos políticos de Dilma, a senhora pode ter criado a brecha para beneficiar ­outros políticos enrolados, como Eduardo Cunha. Isso é bom? Você acha justo dizer: “Não vou dar esse salvo-conduto a você porque senão fulano vai sair beneficiado”? Aí, eu enterro você por causa de fulano? Isso não é justo. Depois, cabe aos deputados avaliar o caso de Cunha na hora de votar a cassação. É uma questão de consciência de cada um. Além disso, Cunha será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e, de qualquer maneira, não poderá ser candidato.

Dilma quer se candidatar? Um dia, brinquei com ela: “Quer ser candidata no Tocantins? Eu teria o maior prazer em apoiá-la para concorrer a senadora, a deputada”. Ela disse: “Kátia, nunca mais”. Mas, quando apresentei o destaque para votar sobre os direitos políticos, não pensei em candidatura de Dilma. Só achei que era uma pena muito forte para a biografia dela. A preservação dos direitos políticos ameniza isso.

Mas a senhora alegou questões práticas em seu discurso. Porque elas existem. Dilma vai fazer o que da vida? Onde ela vai trabalhar? Ela pensa em dar aula em faculdade, aqui, lá fora. Ela me disse: “Acho que vão me convidar”.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA noiOSAndroid ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Por que Kátia Abreu não contratou a supergerente desempregada para administrar seu império rural?

Decidida a justificar o pontapé na Constituição que preservou os direitos políticos da presidente destituída, Kátia Abreu, senadora e sucessora de Erenice Guerra no posto de melhor amiga de Dilma Rousseff, pariu simultaneamente uma mentira e um mistério.

Publicidade

A mentira: Kátia disse que a governante desgovernada não conseguiria sobreviver com a aposentadoria de R$ 5 mil. A senadora sabe que Dilma tem dinheiro de sobra para garantir uma velhice mansa. Tanto tem que, em julho de 2014, confessou que guardava em casa uma bolada de bom tamanho: R$ 152 mil.

O mistério: por que a latifundiária Kátia Abreu desperdiçou a chance de contratar uma supergerente desempregada para administrar suas muitas fazendas no Tocantins? Talvez por desconfiar que, em apenas cinco anos, o império rural ficaria parecido com o país destruído pelo poste que Lula fabricou.

Articulação pró-Dilma foi informada a Lewandowski 9 dias antes da sessão

No último dia 22 de agosto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, abriu uma fenda na agenda para encaixar uma visita. Recebeu em seu gabinete a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Autorizada pela amiga Dilma Rousseff, Kátia foi conversar sobre a sessão de julgamento do impeachment, que ocorreria dali a nove dias, na manhã do dia 31.

Ex-ministra da Agricultura de Dilma, a senadora informou a Lewandowski que os aliados de Dilma apresentariam um requerimento inusitado aos 45 minutos do segundo tempo do julgamento do impeachment. Desejava-se votar separadamente a deposição de Dilma e a punição que poderia bani-la da vida pública por oito anos. Confirmando-se o afastamento da presidente, Kátia tinha a esperança de livrá-la do castigo adicional.

A senadora foi à presença de Lewandowski acompanhada de João Costa Ribeiro Filho, um personagem cujo anonimato não faz jus ao protagonismo que desempenhou no enredo que produziu mais uma jabuticaba brasileira: o impeachment de coalizão, no qual o PMDB, partido do “golpista” Michel Temer, juntou-se ao PT para suavizar a punição imposta à “golpeada” Dilma, preservando-lhe o direito de ocupar funções públicas mesmo depois de deposta.

DivulgaçãoPartiu de João Costa —um advogado mineiro que cresceu em Brasília e entrou para a política no Tocantins— a ideia de fatiar o julgamento do impeachment. Por ironia, o autor da tese que atenuou o suplício de Dilma já pertenceu aos quadros do tucanato. Em 2010, filiado ao PSDB, tornou-se suplente do senador Vicentinho Alves (PR-TO). Em 2011, trocou o ninho pelo PPL, Partido da Pátria Livre. Chegou a assumir a poltrona de senador por alguns meses, entre outubro de 2012 e janeiro de 2013.

Até ser apresentado à tese de João Costa, Lewandowski não cogitava realizar senão uma votação no julgamento do impeachment. Assim pedia o parágrafo único do artigo 52 da Constituição: “Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.”

Quatro dias antes da visita a Lewandowski, João Costa telefonara para Kátia Abreu. Pedira para ser recebido. Atendido, abrira a conversa afirmando à interlocutora que a defesa de Dilma cometia um erro comum nos tribunais de júri: preocupava-se obsessivamente com o mérito da acusação, sem atentar para a pena. Ele havia estudado a matéria. Apresentou um roteiro que levaria à votação fatiada. Passava, em essência, pelo regimento interno do Senado, que prevê o DVS (destaque para votação em separado) e pela Lei 1.079, que contempla a votação em fatias.

Kátia Abreu, até então mergulhada no esforço para tentar conquistar os 28 votos que enterrariam o pedido de impeachment, impressinou-se com os argumentos de João Costa. “Liguei para a Dilma”, recordou a senadora, numa conversa com o blog. “Preciso ir aí, tenho um assunto seríssimo para falar com a senhora. É particular, sem ninguém por perto.” Kátia rumou para o Palácio da Alvorada. Levou João Costa a tiracolo. Imaginou que a amiga reagiria mal à prosa. Falar sobre dosimetria de pena àquela altura significava admitir que a condenação era mesmo inevitável. “Para minha surpresa, ela entendeu e recebeu muito bem.”

Sabendo-se praticamente cassada, Dilma autorizou Kátia Abreu a dar sequência à articulação. Por sugestão da senadora, organizou-se uma reunião com José Eduardo Cardozo, o advogado petista de Dilma. Que também reagiu com naturalidade. Firmou-se um pacto de sigilo. A notícia de que Dilma já guerreava pela atenuação do castigo seria interpretada como símbolo da rendição. Algo que a confinada do Alvorada preferia não admitir em público.

AbrInformado da articulação por Dilma, Lula comentaria mais tarde, em privado, que enxergou sensatez na estratégia de cuidar também da pena que poderia ser imposta a Dilma. A própria Kátia Abreu cuidou de comunicar os planos ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Apresentado ao roteiro, Renan entusiasmou-se. Disse que considerava “certíssimo” livrar a ex-aliada da proibição de ocupar cargos públicos por oito anos. “A Dilma merece que a gente faça isso por ela.”

Kátia pediu calma a Renan. Esclareceu que o fatiamento ainda era o Plano B. “Não entrego o jogo antes da hora. Vamos até o final.” Sem alarde, um assessor da liderança do PT foi acionado para elaborar o requerimento para desmembrar a votação do impeachment em duas. O documento foi formalmente apresentado pelo líder do PT, Humberto Costa (PE).

Na conversa com Lewandowski, Kátia Abreu testemunhou um telefonema do presidente do Supremo para o secretário-geral da Mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira, um dos principais assessores de Renan nas sessões plenárias. O ministro pediu-lhe que estudasse o tema. A ordem foi cumprida com esmero. No dia da sessão, Lewandowski estava munido de um autêntico tratado. Não havia questão levantada pelos rivais de Dilma que ele não trouxesse a resposta na ponta da língua.

Afora os encaminhamentos de praxe —dois senadores a favor e outros dois contra—Renan Calheiros discursou, ele próprio, em defesa do abrandamento da punição de Dilma. ''No Nordeste, costumamos dizer uma coisa: 'Além da queda, coice'. Não podemos deixar de julgar, mas não podemos ser maus, desumanos.'' Foi nesse diapasão que os senadores livraram Dilma do coice da inabilitação para o exercício de funções públicas depois de tê-la derrubado da Presidência da República. Tudo com o aval de Lewandowski.

Janaína receia que recursos beneficiem Dilma

A advogada Janaína Paschoal, uma das signatárias do pedido de impeachment, revoltou-se com os partidos e entidades que decidiram recorrer ao Supremo Tribunal Federal para tentar anular o pedaço do veredicto do Senado que manteve Dilma Rousseff apta para o exercício de funções públicas mesmo cassada. Avalia que os recursos judiciais abrem uma brecha para que a Suprema Corte anule todo o julgamento. Chega mesmo a afirmar que há o risco de Dilma voltar ao cargo.

“Se o impeachment for anulado, ainda que se marque novo julgamento, Dilma voltará imediatamente para o poder, pois terão passado os 180 dias”, anotou Janaína no Twitter. “Será que eu preciso desenhar?”

Pela lei, o Senado dispõe de até 180 dias para julgar um presidente a partir do seu afastamento temporário do cargo. No caso de Dilma, esse prazo venceria em 9 de novembro. Os senadores deliberaram antes. O que Janaína parece recear é que o Supremo tome uma decisão que reabra a contagem do prazo. Leia abaixo as notas que a advogada pendurou na internet.

JanainaTwitter

Delcídio afirma em depoimento que Lula ‘comandava’ a corrupção na Petrobras

O ex-senador Delcídio Amaral prestou depoimento à força-tarefa da Lava Jato nesta quinta-feira (1º), um dia depois da deposição de Dilma Rousseff. Falou na condição de delator ao procurador da República Januário Paludo. No trecho mais relevante, Delcídio declarou que Lula comandava o esquema de corrupção na Petrobras.

Deve-se a revelação sobre o conteúdo do depoimento ao repórter Daniel Pereira. Em notícia veiculada no site de Veja, ela conta que, de acordo com Delcídio, Lula cuidou pessoalmente do rateio político de diretorias da Petrobras. Envolvia-se na divisão dos postos e na escolha dos nomes indicados pelos partidos.

De resto, Delcídio disse ao procurador da Lava Jato que Lula tinha pleno conhecimento de que as legendas —PT, PMDB e PP— usavam as diretorias da estatal para cobrar propinas de empreiteiras e fornecedores da Petrobras. Tratava-se, na definição do delator, de uma ação de governo voltada à compra de apoio parlamentar no Congresso.

Encrencado desde que foi pilhado tentando comprar o silêncio do também delator Nestor Cerveró, Delcídio respondia a processo no Supremo Tribunal Federal. Cassado, perdeu o anteparo do mandato e viu o caso descer para a primeira instância do Judiciário. As informações que prestou em Curitiba devem ser usadas em inquéritos que correm contra Lula, também submetido à Justiça de primeiro grau.

Tags:
Fonte: Blog Josias de Souza UOL+VEJA

1 comentário

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Caros Leitores do NA, estamos vivenciando um processo único no País, muitos não têm a percepção desse movimento sorrateiro cujo objetivo é enfraquecer a participação da sociedade.
    Na maioria dos municípios brasileiros, ou todos, foram criados Conselhos Municipais, cada Conselho cuida de assuntos específicos, como Educação, Saúde, Segurança, Agricultura, Sanidade Animal e por aí vai. Nas reuniões são debatidos assuntos pontuais e, na sua maioria não se faz presente representantes do Poder Executivo, ou seja, não se decide nada. Após a reunião o Presidente do Conselho agenda uma reunião com o prefeito e, no gabinete prefeito e presidente do Conselho decidem a forma e o que vai ser resolvido, sem a participação dos demais membros.
    O pior que o discurso nas reuniões é que ali está presente a "sociedade organizada".
    Ocorre que a sociedade tem a sua realidade interligada com todos os fatores inerentes as suas necessidades, educação, segurança & eteceteras.
    O sistema de democracia vigente no país é a "Democracia Representativa", mas chegamos ao cúmulo de termos mais de 30 partidos políticos registrados.
    As duas grandes facções políticas antagônicas (de mentirinha) fazem uma denominação depreciativa dos seus integrantes em "coxinhas e mortadelas".
    O petismo usa um discurso fascista "nós X eles".
    Vejam que há uma pratica em fatiar o tecido social, enfraquecendo-o, transformando a sociedade em uma colcha de retalhos, mas sem costurar os retalhos. São simples fatias colocadas lado a lado sem a ligação (costura) de seus desejos.
    Atingimos o clímax quando, por sugestão, de políticos que praticam a politicagem, ao Ministro Lewandowski, para "FATIAR" o Artigo 52 da Constituição Federal e, ele bovinamente o fez.
    Quero na minha humilde condição de matuto expressar minha indignação:
    Senhor Ministro, se o Sr. tem o costume de tratar com "mortadelas", pois é este o termo usado para designar petistas e, que são facilmente fatiados. Quero dizer ao senhor que não sou feito e nem oriundo dessa substância, então me respeite como cidadão desse país e cumpra a Constituição.

    5
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Excelente comentário Sr. Rensi, a democracia representativa nada mais é que a representação institucional somente, e partidária, nela o individuo fica enfraquecido em favor dos coletivos. Isso nunca funcionou em lugar nenhum do mundo. Michel Temer parece ter a missão de salvar o establisment e a esquerda brasileira.

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-brasil-real-e-o-da-narrativa,10000074056

      1
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Rodrigo permita-me "somar" ao seu link outro link, onde vem todos os artigos escrito por esse excelente jornalista FERNÃO LARA MESQUITA... BOA LEITURA !!! .... https://vespeiro.com/

      2
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Aproveitando a deixa... LEIAM o artigo editado em 27 de Agosto de 2016, cujo titulo e: ...PORQUE NÃO SEMPRE ?

      1