CASO CELSO DANIEL 1 – Morre Sérgio Sombra, que foi acusado de tramar a morte do prefeito

Publicado em 27/09/2016 21:05
1543 exibições
Ele se tratava de um câncer do estômago e não resistiu a uma metástase no fígado. Quando se olha a lista de mortos, agora integrada por Sombra, a coisa chega a ser espantosa (POR REINALDO AZEVEDO)

Morreu Sérgio Gomes da Silva, Sérgio Sombra, uma das personagens do enrolado e intrincado caso da morte de Celso Daniel, prefeito de Santo André, que ganhou contornos novos com a Operação Lava Jato. Ele se tratava de um câncer no estômago há dois anos, e surgiu uma metástase no fígado. Estava internado no hospital Monte Magno, na Vila Formosa, em São Paulo. Parece não haver razões para duvidar de que tenha morrido em razão da doença. Mas é evidente que as redes sociais já estão alvoroçadas. Vamos ver.

Sombra foi acusado de tramar a morte do prefeito Celso Daniel, em janeiro de 2002, de quem era amigo pessoal. Nunca foi levado a júri porque parte do processo foi anulada. Chegou a ficar sete meses em prisão preventiva, mas foi libertado pelo Supremo.

A morte do prefeito desencadeou uma investigação sobre uma rede de cobrança de propina em Santo André, de que Sombra faria parte, cujo epicentro era a Prefeitura. Em novembro do ano passado, ele foi condenado a 15 anos e meio de prisão em primeira instância por liderar esse esquema.

Para o Ministério Público Estadual, Celso chefiava o esquema, cujo objetivo era desviar dinheiro para o PT. Sombra seria apenas um dos operadores. Ocorre que o prefeito teria descoberto um desvio do desvio. Seu amigo e outros estariam usando o esquema também para o enriquecimento pessoal. Ao tentar estancar esse processo, teria sido assassinado pela quadrilha. Seis das sete pessoas acusadas pela morte foram condenadas à prisão.

Lava Jato e Bumlai
O caso estava relativamente adormecido até que a Lava Jato lhe deu cores novas. Descobriu-se que, em 2004, o banco Schahin emprestou R$ 12 milhões ao PT, mas tendo o pecuarista José Carlos Bumlai, amigão de Lula, como laranja da operação. Metade desse dinheiro, admitiu o próprio empresário, foi enviada ao PT de Santo André. Segundo Marcos Valério e a apuração do Ministério Público Federal, a grana foi destinada a pagar pessoas que estavam chantageando Lula e Gilberto Carvalho, ameaçando envolvê-los na morte de Celso.

Só para lembrar: o PT nunca pagou o empréstimo, que chegou a R$ 60 milhões em 2009. Em troca, o grupo Schahin assinou um contrato para operar o navio-sonda Vitória 10.000 por US$ 1,4 bilhão. Segundo Nestor Cerveró, que viabilizou esse contrato, Lula o recompensou com um cargo na BR Distribuidora.

Lista de cadáveres
Embora tudo aponte que Sombra tenha morrido em decorrência do câncer, lá se vai mais uma morte compor uma penca, que realmente impressiona, como se lê no post seguinte.

CASO CELSO DANIEL 2 – Todos os mortos de uma história com muitos enigmas e nenhuma resposta

A morte de Sérgio Sombra vai reavivar as teorias conspiratórias. Nesse caso, a coisa realmente impressiona.

A questão de fundo de parte da Operação Lava Jato é o assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel, que foi sequestrado e apareceu morto no dia 18 de janeiro de 2002. Era, então, o coordenador da pré-campanha de Lula à Presidência.

Desde aquele dia, tem-se uma fila imensa de cadáveres. E poucas respostas. A tese do Ministério Público é que Celso foi vítima de um crime de encomenda, desdobramento de um esquema instalado na própria prefeitura, coordenado por ele, destinado a desviar recursos para o PT. Membro do grupo, Sérgio Sombra, amigo pessoal do prefeito, é acusado de ser o mandante.

Um dos condenados é Marcos Roberto Bispo dos Santos, o Marquinhos. O julgamento aconteceu no Fórum de Itapecerica da Serra. Adriano Marreiro dos Santos, seu advogado, diz que seu cliente confessou sob tortura. O Ministério Público reuniu evidências de que ele dirigiu um dos carros que abalroaram a picape em que Celso estava, encomendou o roubo de outro veículo que participou da operação e conduziu a vítima da favela Pantanal, em Diadema, para Juquitiba, onde foi assassinada.

Bruno Daniel, um dos irmãos de Celso, afirma que, no dia da missa de sétimo dia, Gilberto Carvalho confessou que levava dinheiro do esquema montado na prefeitura para a direção do PT. Carvalho lhe teria dito que chegara a entregar R$ 1,2 milhão ao então presidente do partido, José Dirceu. Carvalho e Dirceu negam.

Bruno e sua família chegaram a se exilar na França por causa das ameaças de morte e receberam o estatuto oficial de refugiados. Francisco, o outro irmão, também teve de se mudar de São Paulo e vive recluso. Eles não aceitam a tese de que o irmão foi vítima de crime comum.

O ressentimento de Bruno – ele e a mulher eram militantes do PT – com o partido é grande. Ele acusa os petistas de terem feito pressão para que a morte fosse considerada crime comum. Outro alvo seu é o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, então deputado federal pelo partido.

Greenhalgh acompanhou a necropsia do corpo e assegurou à família que Celso não tinha sido torturado, o que foi desmentido pelo legista Carlos Delmonte Printes em relato feito à família. A tortura é um indício de que os algozes do prefeito queriam algo mais do que sequestrá-lo para obter um resgate, o que nunca foi pedido.

Por que Greenhalgh afirmou uma coisa, e o legista, outra? Difícil saber: no dia 12 de outubro de 2005, Printes foi encontrado morto em seu escritório. A perícia descartou morte natural e não encontrou sinais de violência. A hipótese de envenenamento não se confirmou. Não se sabe até agora o motivo.

Todos os mortos
A lista de mortos ligados ao caso impressiona. Além do próprio Celso, há mais sete. Um é o garçom Antônio Palácio de Oliveira, que serviu o prefeito e Sérgio Sombra no restaurante Rubaiyat em 18 de janeiro de 2002, noite do sequestro. Foi assassinado em fevereiro de 2003. Trazia consigo documentos falsos, com um novo nome. Membros da família disseram que ele havia recebido R$ 60 mil, de fonte desconhecida, em sua conta bancária. O garçom ganhava R$ 400 por mês. De acordo com seus colegas de trabalho, na noite do sequestro do prefeito, ele teria ouvido uma conversa sobre qual teria sido orientado a silenciar.

Quando foi convocado a depor, disse à polícia que tanto Celso como Sombra pareciam tranquilos e que não tinha ouvido nada de estranho. O garçom chegou a ser assunto de um telefonema gravado pela Polícia Federal entre Sombra e o então vereador de Santo André Klinger Luiz de Oliveira Souza (PT), oito dias depois de o corpo de Celso ter sido encontrado. “Você se lembra se o garçom que te serviu lá no dia do jantar? É o que sempre te servia ou era um cara diferente?”, indagou Klinger. “Era o cara de costume”, respondeu Sombra.

Vinte dias depois da morte de Oliveira, Paulo Henrique Brito, a única testemunha desse assassinato, foi morto no mesmo lugar com um tiro nas costas. Em dezembro de 2003, o agente funerário Iran Moraes Rédua foi assassinado com dois tiros quando estava trabalhando. Rédua foi a primeira pessoa que reconheceu o corpo de Daniel na estrada e chamou a polícia.

Dionízio Severo, detento apontado pelo Ministério Público como o elo entre Sérgio Sombra, acusado de ser o mandante do crime, e a quadrilha que matou o prefeito, foi assassinado na cadeia, na frente de seu advogado. Abriu a fila. Sua morte se deu três meses depois da de Celso e dois dias depois de ter dito que teria informações sobre o episódio. Ele havia sido resgatado do presídio dois dias antes do sequestro. Foi recapturado.

O homem que o abrigou no período em que a operação teria sido organizada, Sérgio Orelha, também foi assassinado. Outro preso, Airton Feitosa, disse que Severo lhe relatou ter conhecimento do esquema para matar Celso e que um “amigo” (de Celso) seria o responsável por atrair o prefeito para uma armadilha.

O investigador do Denarc Otávio Mercier, que ligou para Severo na véspera do sequestro, morreu em troca de tiros com homens que tinham invadido seu apartamento. O último cadáver foi o do legista Carlos Delmonte Printes. Perderam a conta? Então anote aí:

1) Celso Daniel: prefeito. Assassinado em janeiro de 2002.

2) Antônio Palácio de Oliveira: garçom. Assassinado em fevereiro de 2003.

3) Paulo Henrique Brito: testemunha da morte do garçom. Assassinado em março de 2003.

4) Iran Moraes Rédua: reconheceu o corpo de Daniel. Assassinado em dezembro de 2003.

5) Dionízio Severo: suposto elo entre quadrilha e Sombra. Assassinado em abril de 2002.

6) Sérgio Orelha: amigo de Severo. Assassinado em 2002.

7) Otávio Mercier: investigador que ligou para Severo. Morto em julho de 2003.

8) Carlos Delmonte Printes: legista encontrado morto em 12 de outubro de 2005.

A morte de Sombra livrou Gilberto Carvalho do pesadelo: ver exumada a verdade sobre a execução de Celso Daniel(por AUGUSTO NUNES)

Treze anos, oito meses e sete dias depois da execução de Celso Daniel, Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, levou para a sepultura a esperança de ver inteiramente esclarecido, com todos os detalhes macabros, o assassinato que assombra figurões do PT desde janeiro de 2002. Foram condenados à prisão os remanescentes do grupo que sequestrou, torturou e matou a tiros o prefeito de Santo André. Mandante do crime, Sombra morreu antes do julgamento que conseguiu anos a fio.

Para sorte de gente como Gilberto Carvalho e José Dirceu, metidos até o pescoço na conspiração que fez o diabo para enterrar o caso, Sombra morreu sem contar o que só ele sabia. Quem participou, por exemplo, do tribunal clandestino que decidiu aplicar a Celso Daniel a pena capital? De onde veio o dinheiro para a contratação do bando incumbido de silenciar o prefeito que resolvera revelar o esquema de corrupção que ajudara a montar?

Sombra avisou mais de uma vez que, caso fosse punido com uma temporada na cadeia, afundaria atirando ─ e mandaria chumbo grosso em todos os cúmplices por ação ou omissão. Desse pesadelo Gilberto Carvalho acabou de livrar-se. Nem por isso poderá envelhecer em sossego. Os casos de polícia em que se meteu, ainda à espera de elucidação, bastariam para garantir a insônia eterna mesmo a qualquer bandido.

Mas não é um bandido qualquer esse ex-seminarista que que decidiu candidatar-se à à excomunhão, virou coroinha de missa negra e perdeu a vergonha de vez.

 

Tags:
Fonte Blog Reinaldo Azevedo, veja.com

1 comentário

  • dejair minotti jaboticabal - SP

    É uma pena, como os petralhas dizem, são só evidências... Todo dia que o cara sai para o trabalho entra um cara diferente na casa, sai depois de uma hora e assim sucessivamente aos dias. Os vizinhos não podem dizer que ela trai, são só evidencias. O cara tem amigos que pagam e doam tudo para ele em milhões, todos seus assessores diretos estão na cadeia ou processados e ele não sabe de nada, são só evidências. Brasil, pobre rico Brasil.

    1