Mexendo com marimbondo: "E agora, Jair?!" Honestidade é condição necessária, não suficiente

Publicado em 07/08/2017 09:57 e atualizado em 08/08/2017 09:23
4084 exibições
na Gazeta do Povo

por Rodrigo Constantino, para o Instituto Liberal

“A liberdade de pensamento termina ali onde começa o dogma.” (Goerge Orwell)

Vocês lembram de Saturnino Braga? Quem é do Rio terá mais dificuldade de esquecer: sua gestão foi terrível. Mas Saturnino era considerado um sujeito honesto por quase todos. Alguns chegaram a afirmar justamente que ele “desmoralizou a honestidade”. Pois é: quando a única bandeira de um político é a “vassoura contra a corrupção” (Jânio Quadros), a “caça aos marajás” (Collor), sabemos do perigo.

Há um novo “faxineiro” no local. Chama-se Jair Bolsonaro. A honestidade é praticamente sua única bandeira, já que não consegue participar de um só debate construtivo sobre ideias de gestão, economia, propostas concretas (é contra a reforma da previdência). Tanto que, em seu sétimo mandato como deputado (um “outsider” da política exatamente como Trump, claro), só apresentou dois projetos de lei, que não vingaram. Vive de slogans contra os comunistas, uma luta louvável, mas adequada para o Congresso, que não o qualifica para o executivo.

Quando o assunto é economia, sai de baixo! Sobra nióbio, falta entendimento básico do assunto. E não foi por falta de vontade minha em ajudar. Mandei de presente para o deputado meu curso online “Bases da Economia“, e também cheguei a enviar um email para seu filho Flavio, com o título “Bolsonaro e a economia”, em 8 de abril deste ano, onde dizia:

Apesar das divergências com Jair Bolsonaro, e mais ainda com alguns de seus seguidores mais fanáticos, acho muito importante que ele tenha uma candidatura competitiva em 2018, para reforçar um chamado à direita no país. Mas, para tanto, e para que eu mesmo não tenha que “meter bala” nele, será preciso acertar o tom na área econômica.

O que podemos fazer a respeito? Já ofereci meu curso de economia. O que mais? Podemos marcar um hangout com ele para conversar sobre o assunto, talvez. Podemos mostrar que não é bem assim, que ele evoluiu muito na questão da economia. Mas, antes de mais nada, preciso perguntar: evoluiu mesmo? 

Enfim, estou aqui para ajudar no que for possível. Mas se esses arroubos nacional-desenvolvimentistas continuarem, terei que criticá-lo, em nome da minha honestidade intelectual e do liberalismo.

Pois é, os arroubos continuaram. Em entrevista recente, ele parecia até o Ciro Gomes ou a Dilma criticando os juros altos como se bastasse “vontade política” para reduzi-los, na marra. Não parece interessado em se aprofundar nos temas econômicos, pois já tem sua bandeira – a ética – e sua militância fanática, disposta a detonar qualquer um que ouse tecer uma crítica ao “mito”.

Com tal postura de seita fechada, cercando-se dos idiotas radicais, e adotando discurso jacobino contra “tudo e todos que estão aí”, contra a política em si, Bolsonaro conseguiu afastar número cada vez maior de potenciais aliados, de liberais e mesmo conservadores que tinham tudo para lhe dar base intelectual numa eventual candidatura, fora apoio como formadores de opinião. Preferiu se cercar dos bajuladores, fomentar a militância burra, tosca, gente como o responsável pelo irresponsável canal Terça Livre, que fez essa acusação canalha contra o editor Carlos Andreazza... 

Ora, Carlos Andreazza é um funcionário da editora, não seu sócio, menos ainda proprietário. Insinuar, digo, acusar um funcionário por algo que cabe aos acionistas decidir é coisa de cafajeste. No mais, Andreazza defende abertamente o fim do BNDES, assim como a privatização das estatais, que são o maior incentivo à corrupção na prática, para além de discursos. Como Bolsonaro se posiciona sobre isso? Quer privatizar a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa, e fechar o BNDES? Não o vemos falando disso por aí.

Quem quer que já tenha criticado Bolsonaro e tenha alguma exposição pública conhece bem a reação da turma: parece coisa de bicho acuado, raivoso. E claro: os defensores de Bolsonaro podem fazer como os defensores dos black blocs ou do Islã, alegando que são apenas parte de uma minoria mais violenta e agressiva, que não falam em nome do líder, do grupo, do todo. Podem até repetir que “deturparam Ustra”. Mas o fato inegável é que o próprio Jair e seus filhos incentivam tal postura, jamais se pronunciam contra essas agressões desonestas. Alimentam os trolls. Por isso se fala em “bolsominions”, aliás.

Sempre que um texto crítico desses é escrito, três coisas acontecem: algumas centenas de seguidores deixam de me seguir (tudo bem, faz parte e não quero leitores fanáticos de seitas fechadas, incapazes de debater de forma civilizada); uma turba de militantes invade meus canais para me atacar, xingar, me acusar de “vendido” ou simplesmente repetir que Bolsonaro é uma espécie de Deus; e os mais moderados, a turma do “deixa disso”, vem criticar que estou desunindo a direita, como se a única forma de uni-la fosse abaixar a cabeça e se curvar para todas as baboseiras de Bolsonaro, e engolir calado todos os ataques estúpidos de sua militância, até mesmo ameaças de morte, como a que o Andreazza recebeu...

Claro, pode-se alegar que é um caso isolado, um “fake” de algum maluco qualquer. Mas quem critica abertamente Bolsonaro sabe bem que há uma legião de malucos ali, que pode não chegar a esse limite, mas vai perto, ataca de forma abjeta qualquer detrator do ídolo. Para os “bolsominions”, só há uma razão para se criticar Jair: ter se vendido para o “socialismo fabiano”. É de uma falta de imaginação ímpar, talvez projetando nos outros seu próprio caráter frágil.

Discordar de Bolsonaro é legítimo. É mais do que isso: é sensato! Focar no longo prazo, na construção de um movimento cultural de direita, é algo que deve estar acima da campanha de um político em uma eleição, e até Olavo de Carvalho bate nessa tecla com frequência. Quem escolhe gurus e endeusa políticos passou longe do verdadeiro conservadorismo, sempre cético para com a política, que não é bala de prata, que não deve contar com um messias salvador. Eu trato políticos como meus servidores, não como meus ídolos.

Quando Andreazza, que tanto fez por esse movimento cultural da direita, inclusive lançando o bestseller de Olavo de Carvalho, repete que tem cultura e lastro para se dizer conservador, é isso que ele tem em mente. Não basta ser anticomunista para ser conservador. Hitler era supostamente anticomunista, ainda que saibamos que adotava os mesmos métodos. E isso não é um argumentum ad Hitlerum, apenas a constatação de que atacar comunistas é muito pouco para tornar alguém conservador.

A militância fanática, a patrulha, a mente binária, o tom agressivo, a idolatria ao guru, essas todas são características que nos remetem aos petistas e seu líder Lula. Fica parecendo que muitos ali simplesmente trocaram de messias e de ideologia, sem conseguir se livrar da necessidade de tê-los. Falta amadurecimento. Uma postura que tem se espalhado, infelizmente, no mundo todo na era das redes sociais, como aponta Kim R. Holmes em The Closing of the Liberal Mind: How Groupthink and Intolerance Define the Left, sobre o caso americano em particular, e focando na esquerda (mas reconhecendo que o fenômeno também existe na direita):

Os americanos não são pessoas ruins. Na verdade, a maioria é decente e quer apenas viver suas vidas em paz. Mas o problema é que a cultura popular está trabalhando contra eles. Ensina todos os dias que ‘qualquer coisa serve’, desde que não seja chata. Intolerância e bullying podem ser excitantes, se você tiver a mentalidade de um filho de treze anos. Mas para um adulto, chamar as pessoas por adjetivos e se comportar como adolescentes é cansativo e antissocial. Se desejamos ser sérios em consertar o que aflige o nosso país, precisamos pensar e agir mais como adultos. Só então podemos dizer a diferença entre um charlatão e um estadista. Só então o líder será separado do tolo. 

Bolsonaro deveria dar um puxão de orelha em seus “filhos de treze anos”, naqueles que vibram nas redes sociais com cada ataque infantil, cada xingamento e adjetivo usado para demonizar qualquer crítico, mesmo que conservador, mesmo que potencialmente um eleitor do próprio Jair.

Mas se todos que divergirem uma vírgula do “mito”, ou criticarem sua falta de embasamento, especialmente para um cargo executivo, principalmente na economia, forem acusados de “vendidos”, aí o universo dos “incorruptíveis” será cada vez menor mesmo, restando apenas a própria família e os seguidores mais boçais, dispostos a repetir “amém” para qualquer besteira dita pelo líder.

Como o universo dos incorruptíveis é imaginário e, portanto, nulo, conclui-se que o universo dos corruptos abrange a totalidade dos homens. Exceto, naturalmente, os próprios “incorruptíveis”, ou aqueles que nisso acreditam. Os jacobinos radicais, os seguidores de Robespierre. Esses são as verdadeiras ameaças. Mais até do que alguns “corruptos”.

Até porque, como sabemos, a corrupção, ainda que gigantesca, sem precedentes e institucionalizada, foi o menor dos problemas na era lulopetista, em que o Brasil flertou de vez com um regime totalitário e quase virou a Venezuela, depois de ter quebrado a economia e colocado 15 milhões no desemprego. A ideologia dos fanáticos é ainda mais perigosa do que a corrupção, que deve ser sempre combatida, mas de preferência com a compreensão de quais são suas principais causas.

Não basta colocar um sujeito honesto no poder. Isso é condição necessária, mas jamais suficiente.

MICHEL TEMER NÃO VAI ESTRAGAR MEU ANO!, POR PERCIVAL PUGGINA

Como bem me apontou outro dia um amigo, o governo Temer é o menos ruim dos três que o petismo proporcionou ao Brasil. Convém, mesmo, reconhecer os fatos: Temer é produto de duas chapas eleitorais petistas e, no curto espaço que lhe coube, exibe resultados que não podem ser depreciados. Para recordar: emenda constitucional que estabeleceu limite aos gastos públicos; reforma trabalhista e fim da sinecura sindical; afastamento de milhares de militantes a serviço de causas partidárias nos órgãos de Estado, governo e administração; inflação abaixo do centro da meta; investimento de R$ 1 bilhão no sistema prisional; reforma do ensino médio; redução de cinco pontos percentuais na taxa de juros; extinção de oito ministérios; e se alguém chegar com um espelhinho no nariz de dona Economia perceberá que ela, lentamente, volta a respirar.

Mas nem só por isso 2017 foi um ano melhor do que os precedentes. Aumentou muito o número de brasileiros conscientes de que não se pode brincar com o gasto público e de que é necessário tirar de campo, nas próximas eleições, bem identificados picaretas aproveitadores do erário. A Lava Jato preserva seu vigor, com reconhecimento nacional. Réu em seis processos, Lula colheu sua primeira condenação. Vem aí uma reforma da Previdência. Criou-se necessária rejeição social às regalias de certas categorias funcionais e aumentou a intolerância em relação aos corporativismos do setor público e privado. É o primeiro passo para que essas coisas mudem. Ampliou-se a consciência de que precisamos reformar nossas instituições. Ou seja, tornamo-nos mais esclarecidos sobre temas essenciais e isso, sob o ponto de vista político e administrativo, é promissor para o horizonte de 2019-2022.

Então, o novelo em que se enrolou Michel Temer não vai estragar meu ano. A propósito, a Câmara não o julgou e, menos ainda, o inocentou porque essas não eram atribuições suas. Aquele plenário tinha diante de si a tarefa constitucional de decidir sobre a conveniência de o STF processá-lo neste momento. E decidiu que, de momento, ele fica onde está. De momento. A fila anda e a Justiça o espera, mas o Brasil precisa de estabilidade e das reformas em negociação.

A saída dele serviria ao PT, a seus coligados, a seus movimentos ditos sociais, a seus fazedores de cabeça na Educação, a seus sindicatos e respectivos “exércitos”. Ou seja, daria a alguns uma alegria que estragaria meu ano e meu humor. Se a maior parte dos detentores de mandato até aqui investigados, de todos os pelos, só amargará acertos nos próximos anos, que também Temer entre nessa lista. Por enquanto, que fique quieto na sua cadeirinha e tenha modos. Por enquanto.

Observo, nas redes sociais, súbita atividade dos militantes de esquerda em defesa da ética na política. Essa mobilização não me convence nem comove. Aliás, faz lembrar o antagonismo entre os Manos e os Bala na Cara. É disputa pelo mercado do crime organizado. No ano que vem, fora todos eles!

Tags:
Fonte: Blog Rodrigo Constantino

11 comentários

  • neris nunes de almeida Ponta Porã - MS

    MAS TEMOS QUE OBSERVAR O SEGUINTE: O BOLSANARO REPRESENTA E DEFENDE AS MAIORES BANDEIRAS DOS PRODUTORES RURAIS, " CONTRA AO DESARMAMENTO, CONTRA DEMARCACAO INDIGENAS, DEFENDE O AGRONEGOCIO, ETC. OU SEJA AS PRINCIPAIS BANDEIRAS DO HOMEM DO CAMPO. SOU ENGENHEIRO AGRONOMO , TRABALHO COM AGRICULTORES HA VARIOS ANOS E NA MAIORIA VAO VOTAR NO BOLSANARO.

    1
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      JA VI MUITOS TIPOS DE BOLSAS, MAS ESTA BOLSA NARO E' A PRIMEIRA VEZ... SERA' QUE ESTAVA SE REFERINDO A BOLSONARO?... SR NERIS, O SENHOR E' ENGENHEIRO, DEVERIA TER PERCEBIDO QUE A AGRICULTURA ESTA' TOTALMENTE MECANIZADA E NAO PRECISA MAIS DE BURRO... A AGRICULTURA PRECISA DE ALGUEM DO NIVEL DE CAIADO...

      8
  • ALEXANDRE SCHIAVO FAXINAL - PR

    Rodrigo Constantino, esse é o cara, neste trecho da sua publicação ele se define, "Enfim, estou aqui para ajudar no que for possível. Mas se esses arroubos nacional-desenvolvimentistas continuarem, terei que criticá-lo, em nome da minha honestidade intelectual e do liberalismo". Rodrigo seu estado esta precisando de um cara como você, estranho ainda não terem te procurado para solucionar os problemas por ai. Um grande CEO precisa conhecer todos os setores? Precisamos de um líder que fala aquilo que todo brasileiro quer ouvir, nesta nação estamos cada um por si, e apenas Deus por todos.

    0
  • Luiz de Santana Junior Aracaju - SE

    Sinceramente falando sobre o comentário do Rodrigo Constantino, digo que é bastante coerente, muito embora o Jair Bolsonaro esteja com um índice alto nas pesquisas..., não só por isso o credencia a ser eleito para o cargo máximo de nossa nação, carecemos de um candidato com um predicado a mais.

    8
  • sergio antonio schleder Barreiras - BA

    Rodrigo Constantino, penso que pelo espaço que lhe proporcionam para comentar você deveria deixar de ser tão babaca, e falar sobre coisa importante, se preocupar já com que quer mudar o Brasil, tirando das mãos dos bandidos que ai estão, fica criando polemica, mas você não passa de um babaca com espaço para escrever o que quer.
    O que de melhor pode acontecer no Brasil hoje é Intervenção Militar já, para não corrermos o risco de vir uma Venezuela, pois com todos esses anos da corja lula dilma e temer no poder, estamos no caminho.

    6
  • Johannn Bartz Faxinal - PR

    Apenas o fato de Jair defender a meritocracia já o torna digno de ser nosso presidente! Tá na hora de uma gestão mais eficiente e voltada aos reais valores das famílias trabalhadoras brasileiras! Esse conluio da esquerda com a direita só visa o benefício próprio, não da sociedade.

    7
  • Ricardo Ceccato Jaraguá do Sul - SC

    Rodrigo boa tarde, seu texto começou muito bem mas logo perdeu o objetivo. Utilizou grande parte do seu e do meu tempo na defesa do Sr. Andreazza e garanto para você que esse assunto não me interessou nem um pouco. Com todo o respeito que você merece, sintetize seus textos e não perca o foco.

    2
  • Rodrigo Rodrigues Almeida Cachoeira Dourada - GO

    Xará, vc só pode estar de sacanagem! Um país que teve Sarney, lula e Dilma como presidentes, sendo que os dois últimos, nem a língua portuguesa sabem falar, as operações básicas da matemática muito menos sabem executar. E você vem falar de capacidade? Existe ministério e ministro pra isso, para gerir economia, agricultura, educação, saúde etc.
    Agora a saúde é uma porcaria, então o Bolsonaro tem que saber de medicina?
    Larga mão de ser trouxa!

    6
  • Augusto Mumbach Goiânia - GO

    Parece que o Rodrigo Constantino está querendo ser ministro da economia...

    5
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Postei essas respostas do Allan por que Rodrigo Constantino detona o BNDES, os liberais defendem o fim do bancão, enche o Bolsonaro de adjetivos, curiosamente deplorando quem age assim, adjetivando os adversários, como faz Reinaldo Azevedo, que quer ter o monopólio do xingamento. Pois é Rodrigo Constantino, faça como nós, seja coerente, milite a favor do fechamento do BNDES, mas respeite quem vive sem precisar de dinheiro público para tocar seus negócios. A editora Concreta é uma e a Eclesia outra que não precisam de dinheiro do BNDES, isso é que é ser liberal de verdade, agir de acordo com o que prega.

    7
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Rodrigo Constantino, defensor da LIBERDADE, diz que sou irresponsável e que ACUSO o Carlos Andreazza, quando na verdade só fiz UMA pergunta. (Allan dos Santos).

    3
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Carlos Andreazza, que trabalha para a presidente do Sindicato Nacional dos Editores de livro, Sônia Machado Jardim,
    - proprietária do Grupo Editorial Record cujo CNPJ é: 33.495.771/0001-56 - disse que o Terça Livre é um lixo e que Jair Messias Bolsonaro é um militarista, ditador e etc. Bloqueou-nos no Twitter, mas ainda manteve a hombridade de responder-me aqui no Facebook dizendo que é apenas um FUNCIONÁRIO e que não se deixará intimidar. Distribuidora e editora ganharam do GOVERNO DO PT um montante de R$ 1.132.217,76... Carlos, relaxa que não somos como seus patrões que não deixam você criticar o BNDES e o sindicato que eles presidem. Detalhe: o Terça Livre não vive de BNDES. Allan dos Santos.

    2