Lula e a imprensa: intimidação e ameaça

Publicado em 08/09/2010 16:23 e atualizado em 09/09/2010 04:24
1396 exibições

Dilma está em Minas. Lula está em Minas. Um grupo de ministros está em Minas. Em Contagem, o presidente entregou alguns apartamentos que fariam parte do PAC a marca-fantasia para obras que fazem parte das obrigações de um governo. Em Betim, logo em seguida,  fez um comício em favor de sua criatura eleitoral: aí já era o militante que falava, entenderam?

Digamos que Lula ao menos mantivesse as aparências estaríamos num daqueles casos que já citei aqui: César poderia não ser honesto, mas se esforçaria, ao menos para parecer. O homem já passou dessa fase. Sua participação no horário eleitoral, com o discurso em que satanizou a oposição, deixa isso claro.

No discurso de Contagem, disse o PRESIDENTE, não o MILITANTE, segundo informa a Folha Online:
A minha alegria é imensa de saber que eu cheguei a presidente da República porque, um dia, vocês tiveram consciência política e não tiveram medo de votar em mim. Porque, um dia, vocês acreditaram em vocês mesmos. Eu acho que essa é a grande coisa que eu vou deixar quando eu sair da Presidência: que o povo trabalhador desse país, a classe média e os pobres aprenderam a pensar pela sua cabeça, a andar com suas pernas, a enxergar pelos seus olhos e a votar pela sua consciência, e não pelos pseudo-formadores de opinião pública desse país. E é por isso que o Brasil tá melhorando.

A expressão pseudo-formadores de opinião pública designa a imprensa. A exemplo de Renato Janine Ribeiro, o professor de ética totalitária, Lula não gosta do trabalho que o jornalismo vem fazendo, embora, no geral, ele seja bastante afinado, com as exceções de praxe, com o petismo e os valores de que o partido se quer monopolista. É que as quebras de sigilo são de tal sorte escandalosas que não há como esconder a notícia. Mas que há gente tentando, ah, isso há

Lula está entre os governantes latino-americanos hoje empenhados em intimidar a imprensa. Na Venezuela, ela já morreu. Agoniza na Bolívia, no Equador e na Nicarágua. Na Argentina, vive o seu pior momento desde o fim da ditadura. No Brasil, o petismo patrocina uma penca de projetos de lei, saída de suas conferencias, para, como eles dizem, fazer o controle social da mídia uma expressão esquerdopata para censura.

A fala de Lula é, no presente, uma intimidação tenta ver se o jornalismo recua na cobertura do escândalo do sigilo e projeta uma ameaça para o futuro caso Dilma seja eleita. Já afirmou, mais de uma vez,  que ele próprio só se tornou quem é em razão do trabalho da imprensa o que é verdade. No poder, Lula descobriu que notícia é tudo o que escrevem a seu favor e mentira e calúnia, tudo o que ele não gosta de ler.

Digamos que todos os políticos pensem mais ou menos assim. Ocorre que o PT é o único partido que, na democracia, se organizou para calar a imprensa.

Por Reinaldo AzevedoLulismo: a auto-referência a serviço da propagação da ignorância. Ou: de ratos e elefantes

Nem sempre a gente tem um exemplo tão claro, tão evidente, como no texto que vai abaixo, de como Lula, o Depredador de Instituições, seqüestra a história alheia, rouba para si o mérito de terceiros e ainda fala mal daquele que foi espoliado. E tudo com freqüente ajuda da imprensa. Leiam o que informa Fábio Amato na Folha Online. Volto em seguida.
*
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que os EUA e a União Européia aprenderam a respeitar o Brasil depois de disputas comerciais travadas na OMC (Organização Mundial do Comércio) assim como um elefante tem medo e se borra de um rato.

A declaração foi feita quando o presidente discursava no evento de inauguração de um armazém de grãos da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), em Uberlândia (MG). De acordo com Lula, no seu governo o Brasil passou a brigar contra nações mais desenvolvidas e influentes, contrariando pensamento de seus antecessores que diziam que o país não poderia enfrentar economias como a dos EUA por que são muito grandes.

Um elefante é daquele tamanhão, a tromba dele vale uns dez ratos, mas coloca um ratinho perto de um elefante para ver como o bicho tem medo e se borra, disse Lula, depois de relatar as disputas travadas pelo Brasil na OMC envolvendo temas como açúcar e algodão.

Eu acho que o que nós fizemos foi dizer para os americanos: nós respeitamos vocês, queremos vocês como parceiro privilegiado nosso, mas nós queremos também ser respeitados, declarou o presidente, completando que o mesmo recado foi dado à União Européia.

O presidente ainda disse que o Brasil nunca teve condições de andar de cabeça erguida como agora e criticou seus antecessores ao afirmar que, antes dele, o país era governado por pessoas com a mente colonizada.

Em novembro de 2009, a OMC autorizou o Brasil a retaliar os Estados Unidos em até US$ 830 milhões em resposta aos subsídios concedidos por aquele país aos produtores de algodão. A medida determina que US$ 591 milhões sejam de produtos que terão a tarifa de importação reajustada e cerca de US$ 240 milhões em propriedade intelectual, que envolve marcas, patentes e direitos autorais que podem ser quebrados pelo Brasil.

A retaliação deveria ter começado em abril, mas foi adiada primeiro em duas semanas e depois em dois meses para que, a partir de um aceno americano com medidas paliativas, os dois países fechassem um acordo definitivo.Em junho, porém, o governo brasileiro decidiu suspender por mais dois anos e meio o processo de retaliação comercial a produtos e propriedade intelectual dos Estados Unidos, diante de um acordo provisório que prevê a diminuição até 2012 dos subsídios ilegais ao algodão.

Comento
Não estou culpando esse ou aquele, o repórter tampouco. Estou apontando um estado de coisas, caracterizando um tempo. Quem lê o texto acima na Folha Online, além de ser informado da boçalidade vocabular do guia de Elio Gaspari com sua vocação para a escatologia , imagina que a autorização dada pela OMC para o Brasil retaliar os EUA derivou de uma ação do governo Lula.

Pois é Quem recorreu à OMC contra os subsídios que o governo americano dava a seus produtores de algodão foi atenção!, O GOVERNO FHC. Aconteceu em 2002, e o julgamento definitivo só se deu no dia 2 de junho de 2008, com a autorização para a retaliação. Em vez de partir para o confronto, o governo Lula tem postergado a reação, tentando negociar, o que é o certo, diga-se já escrevi aqui a respeito. Mas imaginem o que os economistas do PT não estariam dizendo agora caso fosse FHC a evitar a punição aos EUA. Seria acusado de se subordinar ao imperialismo.

Assim vai se construindo uma farsa, nos seus pequenos detalhes. Quanto ao elefante que se borra (ai, ai) de medo do rato, dizer o quê? Desconstruindo a metáfora em si, é preciso deixar claro: Lula está veiculando uma mentira. O Brasil tem hoje, no comércio mundial, praticamente a participação que tinha em 2002: variou de 1,1% para 1,2%. O valor das commodities é que cresceu brutalmente, o que foi bom para nós, mas Lula não tem nada com isso.

Quanto à coisa em si, É MENTIRA QUE ELEFANTES TENHAM MEDO DE RATOS. Trata-se de um mito, pura expressão de ignorância. Alguém deve ter visto alguma vez o pesado animal tentando pisar na minúscula e ágil criatura e supôs tratar-se de medo. O primeiro registro dessa bobagem em livro é de Plínio, o Velho, na enciclopédia História Natural. Segundo ele, o ódio do paquiderme pelo bichinho é tal que chega a recusar o feno em que o rato tenha passado. Plínio também achava que os elefantes tinham respeito pela religião.

Lula deve imaginar que o elefante de fato teme que o rato lhe entre tromba adentro provável origem dessa tolice, temor idêntico, na seara política, que o EUA teriam do Brasil. Huuummm Lula bem que tentou entrar na tromba de Obama no caso do Irã e até de Honduras. E levou uma trombada que o jogou a alguns metros de distância.

O lulismo é isto: a auto-referência a serviço da propagação da ignorância.

Por Reinaldo Azevedo

Lembram-se que afirmei aqui ter certeza de que o sigilo fiscal do genro de Serra também tinha sido violado? Por quê? Porque ele era uma das personagens do tal dossiê de Amaury Ribeiro Jr., aquele ex-jornalista que foi flagrado com a turma barra-pesada do PT. Batata! Leiam o que informa o Estadão Online:

Por Leandro Colon e Rui Nogueira:
O sigilo fiscal do empresário Alexandre Bourgeois, genro do candidato à Presidência José Serra (PSDB), também foi violado na Receita Federal. Os dados dele foram vasculhados no dia 16 de outubro do ano passado, oito dias depois da violação dos sigilos de sua mulher, Verônica Serra, do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e de mais três tucanos.

As informações do genro de Serra foram acessadas três vezes a partir do computador da servidora Adeildda Ferreira dos Santos. O sigilo fiscal de Alexandre foi violado na agência da Receita em Mauá, mesmo palco dos outros acessos ilegais. Verônica Serra ainda teve sua declaração de renda violada no dia 30 de setembro por meio de uma procuração falsa.

O sigilo telefônico da servidora Adeildda será entregue ao Ministério Público Federal. Segundo informações obtidas pelo Estado, a Justiça Federal já autorizou a quebra dos dados telefônicos da funcionária do Sepro, acusada de envolvimento na violação dos dados fiscais. A decisão da Justiça obriga três operadoras de telefonia celular a entregar o histórico de ligações telefônicas da servidora entre agosto e dezembro do ano passado.

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal esperam que esses dados contribuam para investigar o envolvimento da funcionária no episódio. Partiu do computador dela, na agência da Receita em Mauá, a violação dos dados fiscais, no dia 8 de outubro, de Eduardo Jorge e de Luiz Carlos Mendonça de Barros, Ricardo Sérgio de Oliveira e Gregório Preciado, todos vinculados ao alto escalão do PSDB. Na manhã daquele mesmo dia, os dados de Verônica Serra, filha de José Serra, foram acessados do mesmo computador, conforme revelou o Estadona segunda-feira, 6.

Adeildda nega ligação com o caso e diz que seu computador foi usado por outras pessoas.A PF já analisa o computador da funcionária. Os dados de Eduardo Jorge foram parar num dossiê que passou pelas mãos de membros da campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência. O episódio derrubou o jornalista Luiz Lanzetta, que deixou em junho a campanha da petista por ligação com o caso.

Por Reinaldo Azevedo

do Blog de Augusto Nunes:
Celso Arnaldo e a surpreendente revelação da doutora em nada: Hoje é 7 de setembro

O País do Carnaval esperava que, no último 7 de Setembro com a dupla no governo, o ministro Nelson Jobim e o presidente Lula, ambos fantasiados de brigadeiro, irrompessem nos céus de Brasília na cabine de um Rafale e anunciassem com um rasante a abertura do desfile oficial. Como os especialistas em caças negaram fogo, Dilma Rousseff aproveitou outra entrevista coletiva para flutuar na estratosfera. O implacável Celso Arnaldo, sempre de olho na doutora em nada, acompanhou a performance. O relato confirma que o eleitorado brasileiro não vai bem da cabeça:

De uma semana para cá, a estratégia virou rotina de campanha. A presidente pré-eleita irrompe diante da imprensa que faz plantão à porta de sua casa em Brasília para um pronunciamento sobre assunto de sua preferência. Tecnicamente, não é uma coletiva o quinteto de microfones alinhados numa bancada informa que seus donos, repórteres das principais redes de TV do país, serão mantidos a razoável distância, evitando-se perguntas embaraçosas ou gerando perguntas inaudíveis ao espectador. É um cenário semelhante ao que enquadra os pronunciamentos do presidente Obama, nos jardins da Casa Branca, diante dos correspondentes. Ou declarações do primeiro-ministro David Cameron, em frente ao número 10 da Downing Street. Esse privilégio é cacoete e honraria de chefe de estado.

Mas Dilma, ao contrário dessas autoridades, aparece para falar não porque tenha algo importante a dizer, já que nunca é o caso mas porque, em dia sem agenda pública no meio de uma campanha presidencial, é um risco ficar fora do noticiário do horário nobre da noite. Então, Dilma precisa dizer alguma coisa, todo dia. Dizer o quê?

É seu staff de campanha que a municia com um tema. Presumo que, antes da aparição pública, ela seja submetida a um treinamento de choque não digo um brain wash, porque nesse caso seria preciso haver um brain. Digamos que é um intensivão de imersão e condicionamento, meio pavloviano, onde toda a camarilha Dutra, Cardozo, etc sugere conceitos básicos, figuras de linguagem bem simples, para sustentar o tema e a fala de Dilma. Nem sempre a ideia é criativa. Qual será o tema de 7 de setembro? Lógico: o 7 de setembro.

Para Como o ministro Nelson Jobim do Ex

Vem a candidata, com um terninho da coleção Alexandre Dunga Herchcovitch, seu consultor de estilo. E chega vestida para matar. Pronunciamento da presidente pré-eleita, Dilma Rousseff, sempre abala as estruturas no mínimo, nos enche de renovada esperança. Sobretudo porque, a seu lado, de camisa de malandro, está seu guarda-costa, o brutamontes ZéDutra13, reserva nacional. As primeiras palavras de Dilma são indiscutivelmente marcantes:

Hoje é 7 de setembro.

Começa bem, firme, sem erros. Hoje não é dia 6 ou 8, mas 7. E estamos em setembro. Dilma melhora a olhos vistos como a catarata de meu pai.

Prossegue:

Então, eu acho que 7 de setembro a gente tem de se fazê uma reflexão sobre algumas ideias-forças que tá por trás da nossa, da nossa situação nacional.

Aí complicou um pouco. Alguém, na reunião da casa, deve ter sugerido usar a expressão ideia-força ou ideias-força jargão típico de petista que entrou na faculdade de Ciências Sociais só para aderir à greve permanente da UNE. Mas a expressão, composta, era complicada demais para a ideia-fraqueza de Dilma. E ela, para variar, depois de se fazê uma reflexão, tropeçou na flexão na hora de repetir o que lhe passaram: o ideias-forças, de fato, não caiu bem.

Mas louve-se o esforço de nossa presidente em aprimorar sua oratória: assim que ela deixou escapar ideias-forças, percebeu instantaneamente o erro e, com o singular de volta à ponta da língua, lascou um que tá por trás.

Depois, hesitou um pouco para fechar o raciocínio que começou tão promissor: atrás do quê, exatamente, estariam as ideias-forças? Enfim, saiu. Nossa situação nacional foi a expressão escolhida.

Acatada a sugestão: com Dilma presidente, nossa situação nacional será uma vergonha aos olhos do mundo. E acho que o mundo perceberá isso muito antes do próximo 7 de setembro.

O vídeo é obrigatório:

Vamos fazer picadinho de um pensador sensível do PT? Vamos! Hora do lanche, que hora tão feliz! Ou: agora dêem o outro lado para a paralisia infantil!

Renato Janine Ribeiro é professor de Ética (Deus meu!!!) da faculdade de filosofia da USP. Adota a padrão petista-com-coração, embora faça questão de dizer que não é filiado à legenda. É o pior tipo. A não-filiação só lhe serve de licença adicional para fazer a linha justa do partido fingindo identificar-se apenas com a justiça. Eu já o servi em postas aqui, especialmente no texto Dissecando a vigarice intelectual de um esquerdista sensível. Janine é uma espécie de Marilena Chaui de segunda degeneração. Se aquela recorre a Spinoza para, na prática, justificar Delúbio Soares, Janine usa Delúbio Soares para tentar apreender o que seria a natureza humana. Num caso, empresta-se alcance teórico ao crime; no outro, o crime é naturalizado como vocação natural.

A edição da Folha de hoje traz dois artigos sobre essa lambança de quebra de sigilo. Um deles, de Ricardo Caldas, critica a óbvia agressão ao estado de direito.O outro, de Janine, ATACA A OPOSIÇÃO E AS VÍTIMAS. Que interessante! Sempre achei que certas coisas não comportam outro lado. Respeitar uma Constituição democrática, por exemplo, não tem um avesso aceitável não entre civilizados, que é para quem, suponho, fala o jornal. Existe diferença entre os violadores de sigilo e Marcola, o chefe do PCC? Existe, sim. Aqueles são mais perigosos para o regime democrático do que este porque atingem o coração das instituições. Quando é que um filósofo vai escrever um texto na Folha minimizando os crimes de Marcola, assim como Janine minimiza o crime dos violadores? Ora, quem permite o mais  um artigo que poupa fraudadores da Constituição pode permitir o menos: um artigo que poupe assaltantes, traficantes e homicidas. Há coisas que não tem outro lado a paralisia infantil, por exemplo. Adiante.

Antes que prossiga, cumpre salientar que Janine, o independente, foi diretor de Avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do Ministério da Educação, no primeiro mandato de Lula, onde não deixou saudades, como sabem os professores universitários do país inteiro. A sua adesão branca ao PT, como se nota, foi recompensada. No petismo, nada é gratuito.

O professor de Ética (!!!) escreve um artigo para provar que é exagerada a exploração política no caso das invasões ilegais de sigilo. A exemplo de Lula e dos petistas como um todo, ele acredita que Serra e os tucanos deveriam ficar calados. E como ele tenta justificar a sua tese? Ora, não foram apenas os tucanos que tiveram a sua vida vasculhada. Houve centenas de outros casos.

A tese desse formidável pensador é a seguinte: cinco ou seis violações de sigilo de pessoas ligadas a Serra incluindo filha e genro seriam certamente um crime a merecer o repúdio da sociedade; acompanhadas, no entanto, de outras centenas, o caso perde importância política e cumpre não magnificá-lo. Tratar-se-ia apenas de uma coisa erradíssima. Há delinqüentes por aí que tentam minimizar o caráter anti-semita do nazismo, uma vez que os campos de concentração também abrigavam ciganos, comunistas, homossexuais, portadores de deficiência, testemunhas de Jeová Como se vê, nada contra os judeus em particular, não é mesmo?

Para Janine, cinco ou seis crimes constrangeriam; já centenas deles retiram a importância daqueles cinco ou seis. No auge da delinqüência intelectual, sustenta o texto:
O outro ponto: sem provas da ligação do detestável delito com a candidatura Dilma, o candidato que está atrás nas pesquisas quer anular na Justiça os votos dela.
Se for jogo de cena para levar ao segundo turno, não é bonito, mas vá lá. Se for uma tentativa de anular 60% dos votos válidos e empossar um presidente votado por 25% dos eleitores, será um golpe fatal na nossa democracia.

Sem provas? A reportagem do jornal que publica o seu texto encontrou o sigilo de Eduardo Jorge, vice-presidente do PSDB, com a equipe de campanha de Dilma Rousseff. Dados do sigilo de Verônica Serra e de Alexandre Bourgeois, seu marido, estavam no papelucho do tal Amaury Ribeiro Jr., flagrado na reunião da equipe de pré-campanha da petista com arapongas para fazer o dossiê contra o candidato tucano. No texto, Janine disse que chegou a pensar em ser jornalista, mas desistiu. Ainda bem! Pode continuar a dar as suas aulas de ética manuseando a lógica com o interesse que uma raposa tem na preservação das galinhas.

Observem: caso uma parcela dos eleitores que votam em Dilma rejeite o expediente petista de fazer política e mude a sua opção, a culpa (ele fala, afinal, do ponto de vista de quem está alinhado com Dilma, embora omita isso do leitor) terá sido de quem? Ora, de Serra, cuja família teve o sigilo violado. O tucano, ao ser vítima do PT, se tornaria o responsável pelo eventual prejuízo causado ao PT! E Janine não acha isso bonito. De jeito nenhum! Quanto à suposta tentativa de anular 60% dos votos válidos, bem, aí já estamos no terreno da burrice mesmo, abaixo até da vigarice intelectual. Caso Dilma se eleja e se comprove um crime eleitoral que resulte na cassação do registro de sua candidatura, ela será cassada, seguindo a lei. Ponto final. Aconteceu com alguns governadores de Estado. Janine não protestou.

O perigo do pensamento deste senhor sensível nem sempre é percebido de imediato porque as aberrações autoritárias que escreve são sempre vazadas numa linguagem frívola. Leiam isto: E o povo não merece que se destrua a democracia, que a discussão política se reduza a uma crônica policial ou que os vários lados fiquem de birra um com o outro. Para Janine, a violação da Constituição não concorre para destruir a democracia. Tudo não passa de mera crônica policial, nada mais do que birra. Está à altura do pensamento de seu chefe, que afirmou ontem no horário eleitoral gratuito que Serra é candidato da turma do contra e torce o nariz para tudo. Janine deve invejar essa capacidade que Lula tem de ser brutal. Ele não consegue. Precisa disfarçar seu pensamento sanguinolento com os fricotes, bordados e rendas de um filósofo sensível.

Caminhando para o encerramento
Para evidenciar que a reação da oposição e da imprensa que, segundo Janine, apoiaria Serra (!?!?!?) é exagerada, ele chega a afirmar que, nesse episódio das invasões de sigilo, se alguém pode ser prejudicado, é Dilma Rousseff (PT). Logo, se alguém pode ser beneficiado, é José Serra (PSDB). Logo, os tucanos se tornam os culpados pela invasão de seu sigilo praticada pelos petistas. Logo, os petistas acabaram fazendo um bem aos tucanos só que não sabiam disso.

O texto de Janine não chega a ser a manifestação mais agressiva que conheço contra o estado de direito; outros, com mais musculatura e menos maneirismos do que ele, já o fizeram com mais clareza. Mas é certamente uma das coisas mais estúpidas que já li. A ser verdade que, se alguém pode ser prejudicado, é Dilma Rousseff, isso só acontece porque os petistas foram malsucedidos na sua tramóia, e ela acabou vindo à luz, a exemplo do que aconteceu em 2006. Mas essa poderia ter sido uma das tramóias bem-sucedidas e o currículo dos petistas está cheio delas, como bem sabe o próprio Eduardo Jorge.

Assim, depreende-se do pensamento deste carniceiro da lógica que o PT jamais pode ser responsabilizado por suas patifarias malsucedidas que, eventualmente, acabam beneficiando os adversários. E jamais poderá ser responsabilizado por suas patifarias bem-sucedidas porque ninguém vai descobrir suas pegadas. Como corolário, temos que a patifaria vira um monopólio do petismo, e os culpados serão sempre as vítimas.

PS: Pode ser um desses prazeres bobinhos, mas eu adoro descontruir um pensamento cretino com o pedigree petistamente correto. Eles podem me xingar, tudo bem! Quero ver é destruir a lógica do meu texto! Vigaristas!

Por Reinaldo Azevedo

É trabalho de quadrilha, diz Serra, que critica comportamento de Lula

Por Anne Warth, no Estadão Online:

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, disse hoje estar indignado com a notícia de que o sigilo fiscal do seu genro, Alexandre Bourgeois, também foi quebrado na agência da Receita Federal em Mauá (SP). A questão do meu genro deixa mais do que claro que é um trabalho organizado. É um trabalho de quadrilha, disse o candidato, após participar na capital paulista de encontro em defesa das pessoas com deficiência. A violação do sigilo do meu genro e da sua intimidade é mais um capítulo desse episódio vergonhoso.

Serra mostrou irritação ao falar sobre o caso, uma vez que, na avaliação dele, a vida privada dos seus netos também foi invadida. Anteriormente, na mesma agência da Receita Federal em Mauá, também havia sido violado o sigilo fiscal da sua filha, Verônica Serra, casada com Bourgeois. Claro que estou muito ofendido, mas esse crime vai além desse episódio e dessa questão pessoal, afirmou. Esse episódio, na verdade, envolve toda a nossa sociedade e todo o Brasil. O que está sendo quebrado é um preceito constitucional.

O tucano criticou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, em comício em Guarulhos, no sábado, acusou Serra de usar o caso da quebra de sigilo para transformar sua família em vítima. É realmente uma coisa extraordinária, ironizou. Você sofre um crime, reclama do crime, protesta e é considerado um transgressor. Essa é a estratégia do PT, da candidata oculta e do próprio presidente da República enquanto pessoa física ()

Ele criticou novamente o presidente por ter aparecido ontem na propaganda eleitoral da candidata do PT, Dilma Rousseff. Na TV, Lula atacou Serra. Infelizmente, nosso adversário, candidato da turma do contra, que torce o nariz para tudo o que o povo brasileiro conquistou nos últimos anos, resolveu partir para os ataques pessoais e para a baixaria, disse Lula. Tentar atingir com mentiras e calúnias uma mulher da qualidade de Dilma é praticar um crime contra o Brasil, em especial contra a mulher brasileira, afirmou o presidente.

Terceirização
Serra disse que Dilma terceirizou os ataques ao utilizar o presidente Lula em defesa da sua candidatura. Há uma terceirização de debates e também de ataques, que incluem agora, inclusive, o presidente Lula, que apesar de ser presidente da República de todos os brasileiros se engaja como porta-voz de uma candidata que aparentemente não tem condições de falar por si própria, afirmou.

O que houve ontem não foi uma defesa, foi um ataque, disse Serra, sem querer responder se gravaria uma participação no horário eleitoral em resposta a Lula. No programa eleitoral, eu falo para a população brasileira, não falo para este indivíduo ou aquele.

Por Reinaldo Azevedo

Tags:
Fonte: Blog Reinaldo Azevedo (veja.com

3 comentários

  • Cristiano Zavaschi Cristalina - GO

    Dados da Revista SUMA ECONOMICA de Agosto de 2010. Assim se lê na pag. 7 desta edição: " A situação é ainda mais crítica nas transações correntes do país com o mercado internacional. Em junho ocorreu um déficit de 5,2 bilhões. Foi o pior resultado no mês dos últimos 67 anos.... Com o crescimento do déficit , é cada vez mais custoso- e perigoso ao país- conter a inflação com o real valorizado por juros elevados. A médio prazo , o real inferior a 1,90 é insustentável." Assim diz a edição n° 388 , impossível que as nossas autoridades não saibam.

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Qualquer pessoa pode pedir Arquivos oficiais do governo que estão disponíveis aos leitores. Prof. Ricardo Bergamini Telefons (48) 4105-0832 CEL (48) 9976-6974
    e-mail: [email protected] Site: http://www.ricardobergamini.com.br Blog: http://www.ricardobergamini.com.br/blog
    O nosso Banco Central está comprando dólares para enxugar a oferta e manter a cotação. Para tanto ela paga juros duas (2) vezes: Para quem nos empresta os dólares e para quem o BACEN paga juros em R$ para levantar o dinheiro para enxugá-los.... Beleza pura.... para "eles"...

    0
  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    QUANTO Á DIVIDA PUBLICA FEDERAL , A INFORMAÇÃO QUE TEMOS ,EM 31 DE JULHO ERA DE R$ 1.601 000 000 000 TRILHÃO MAIS
    234. BILÕES DE DOLARES,,,,COM UMA RESERVA DE US$ 260 BILHÕES
    SENDO PARTE DAS RESESVAS APLICADOS EM TITULOS AMERICANOS A 3% AO ANO ENCUANTO A DIVIDA EM REAIS PAGA,SE 10% DE JUROS AO ANO , E DIZEM QUE ESTA TUDO AS MIL MARAVILHAS ,,,,,,,,,,VIVA OS BANCOS E QUEM TEM PARA EMPRESTAR

    0