O clima ficou ruim entre Dilma e o PMDB

Publicado em 19/10/2010 10:50
1051 exibições

O clima ficou ruim

A entrevista de Dilma Rousseff ontem no Jornal Nacional teve um efeito desastroso para a relação PT-PMDB. Por falta de experiência política, nervosismo ou sabe-se lá o quê, Dilma não saiu em defesa do PMDB quando perguntada sobre a gentil afirmação de um de seus coordenadores de campanha, Ciro Gomes, para quem o partido é “um ajuntamento de assaltantes”.

Em sua resposta, Dilma tratou apenas de falar de Ciro — e nada de defender  o PMDB. Antes mesmo de o JN terminar, o celular de Michel Temer, que a acompanhou no Rio de Janeiro, já tocava. Eram peemedebistas insatisfeitos — para usar um adjetivo suave.

Temer, que depois se encontrou com Dilma, num evento com artistas, não tocou no assunto com ela, que também fez-se de morta.

A avaliação da cúpula peemedebista é que, se Dilma ganhar no dia 31, o clima de disputa entre o partido e o PT vai se acirrar. No centro do jogo, a disputa pelos cargos.

Mais: essa briga deve começar ainda no governo Lula. Peemedebistas acham que é hora de marcar posição: assim, já em novembro, quando o Congresso voltar a funcionar de fato a ideia é dar alguns sustos no PT, jogando duro com os projetos de interesse do governo.

Por Lauro Jardim

30 pontos

A entrevista de Dilma Rousseff no Jornal Nacional teve audiência de trinta pontos na Grande São Paulo, segundo o Ibope – um pouco abaixo da média do JN de ontem, que foi de 31 pontos. Equivale a cerca de dez vezes mais que o alcançado pelos debates da Band e da RedeTV!

Como somente na quinta-feira, dia 28, no debate da Globo, Dilma falará para uma plateia semelhante (fora os comerciais do horário eleitoral, claro) é bom que se saiba: o desempenho de dela ontem influenciará, e muito, as próximas pesquisas.

Hoje, é o dia de José Serra. A audiência deve ser semelhante. E qualquer escorregão, fatal.

Por Lauro Jardim

Família Mendes dividida

Viúva e filha de Chico Mendes tomaram rumos distintos na campanha presidencial. Enquanto Ilzamar Mendes declarou apoio público a José Serra, a filha, Elenira Mendes, preferiu seguir a determinação do PV e manterá a neutralidade nas próximas duas semanas.

Por Lauro Jardim

Em nome da ciência

José Serra tem um encontro marcado amanhã com cientistas no Rio de Janeiro. Deve aproveitar a oportunidade para detalhar suas propostas para a área de ciência e tecnologia.

Por Lauro Jardim

Jornalista não fala

Amanhã, representantes das campanhas de José Serra e Dilma Rousseff têm encontro marcado na Record: vão bater o martelo das regras do debate que irá ao ar às 23 horas da próxima segunda-feira – um horário, aliás, destinado a dar pouco ibope.

Já foi definido, numa reunião na sexta-feira passada, que, ao contrário do que ocorreu no primeiro debate da emissora, não haverá perguntas feitas por jornalistas – algo que só ajuda a esfriar o debate. A decisão foi tomada pelos representantes dos candidatos.

Por Lauro Jardim

Gurgel ao Supremo: Jader é ficha-suja

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, é favorável que se impeça a diplomação de Jader Barbalho como senador pelo Pará. Gurgel acaba de enviar ao Supremo parecer para barrar o registro do candidato, vice-campeão de votos no dia 3 de outubro. Enquadrou-o como ficha-suja. O STF pode se valer desse caso para julgar a validade da nova lei para estas eleições.

Em 2001, Jader renunciou ao mandato de senador para escapar da cassação por suspeita de corrupção. No parecer de 25 páginas ao STF, o chefe do Ministério Público sustenta, assim como fez perante o TSE, que ele não tem condições de assumir o cargo por estar inelegível. Diz Gurgel, referindo-se à Lei da Ficha Limpa:

– A renúncia ao cargo de senador da República com a finalidade de escapar de processo por quebra de decoro parlamentar e de preservar a capacidade eleitoral passiva consiste em burla rejeitada por toda a sociedade.

Por Lauro Jardim

Próximo de Lula, distante do TST?

A advogada Delaíde Arantes, mulher do ex-deputado federal pelo PCdoB e ex-presidente da UNE, Aldo Arantes, é um dos três nomes que disputam a indicação de Lula para se tornar ministro do TST. Delaíde ficou em segundo lugar na votação feita pelos ministros do tribunal, com 21 votos.

Lula, aliás, é bem próximo da família Arantes. Em 2006, apoiou a candidatura de Aldo ao Senado por Goiás, gravando até uma mensagem na TV de apoio. O candidato, porém, terminou as eleições em terceiro lugar, com apenas 4% dos votos.

Concorrem ainda à cadeira do TST os advogados Luís Carlos Moro, ex-presidente da Associação Brasileira dos Advogados Tributaristas e o mais votado entre os ministros, com 24 votos, e Adriano Costa Avelino, ex-ouvidor da OAB de Alagoas e último na lista, com quinze votos.

Por Lauro Jardim

Edir Macedo x Malafaia: guerra à vista

Marcelo Crivella foi surpreendido no fim de semana com o telefonema de um irritado Silas Malafaia. O pastor, que ganhou notoriedade nestas eleições descendo a borduna no PT, estava enlouquecido com o blog do tio de Crivella, o bispo Edir Macedo.

Em texto publicado no sábado, Edir Macedo questionou a mudança de posição de Malafaia durante a campanha. Escreve Macedo:

- Veja o que aconteceu com o pastor Silas Malafaia, que iniciou a campanha política apoiando a candidata Marina Silva e depois, usando o argumento frágil de que o partido dela, o PV, apoiava o aborto, mudou de lado e, para justificar que não apoiaria a candidata Dilma, acusou o PT de ser a favor do aborto e apoiar o casamento de homossexuais. Pronto, o caminho estava aberto para, sabe-se lá com que interesse, apoiar o candidato Serra. (…). Agora ficam as perguntas: O que fez o pastor Malafaia mudar de lado? Ele vai continuar apoiando o Serra?

Revoltado com o tom das insinuações, Malafaia deixou um recado para Crivella:

- Avisa o seu tio para ele se preparar porque isso não vai ficar assim.

Por Lauro Jardim

Férias em espera

A irritação com Edir Macedo foi tão grande que Malafaia já pensa em adiar a sua semaninha de férias nos Estados Unidos. A viagem começaria na quarta-feira e terminaria no dia 29, a três dias do segundo turno das eleições.

Por Lauro Jardim

Tags:
Fonte: Blog Lauro Jardim, veja.com

0 comentário